RESUMEN GRUPO DE TRBAJO 5

GT5.  ABUSO DE SUBSTAÌ‚NCIAS PSICOATIVAS E MEDICINAS TRADICIONAIS NA AMÉRICA DO SUL

Coordinadores:

Marcelo Mercante. Institución: Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva. marcelo_mercante@yahoo.com

Diego Rodolfo, Viegas. Institución: Escuela de Antropología Facultad de Humanidades y Artes Universidad Nacional De Rosario.  diegorodolfoviegas@hotmail.com

 

 

LEMBRANÇAS DO USO DA CANNABIS NO MARANHÃO

Isabela Lara Oliveira. Departamento de Áudio-Vsuais e Publicidade da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília (UnB). isabelalara@gmail.com

 

O Maranhão é famoso por ser um dos estados brasileiros onde o uso da Diamba (Cannabis sp.) foi e é amplamente disseminado entre diferentes populações - indígenas, pescadores, “brincantes” de festejos populares – e para várias finalidades tais como na fitoterapia, na indústria textil, no lazer e para o trabalho braçal. Esse artigo apresenta o resultado de uma breve pesquisa documental e de campo realizada no Maranhão em 2007 e 2011 com o objetivo de levantar a permanência desses usos e seus significados entre os maranhenses na contemporaneidade. O resultado dessa pesquisa revelou um cenário cultural riquíssimo onde a Diamba é percebida como um elemento formador do rico folclore maranhense além de ter construído um panorama dos diferentes usos da planta no estado que pode permitir a outros pesquisadores aprofundar as pesquisas sobre o tema na região.

 

 

CONOCIMIENTOS ANCESTRALES INDÍGENAS EN LA CONSTRUCCIÓN DEL CURRÍCULO DE LA MAESTRÍA CULTURAS Y DROGA DE LA UNIVERSIDAD DE CALDAS, MANIZALES, COLOMBIA

 

Jorge Ronderos Valderrama

Universidad de Caldas, Depto Antropología y Sociología

jronderos@ucaldas.edu.co

 

Mi ponencia serìa sobre mi experiencia como lider del grupo y linea de investigación cultura y droga de la U. de Caldas, Manizales, Colombia, específicamente la linea de investigación en Plantas y tradiciones de rituales indigenas de la etonmedicina del yage y la chamanismo y neochamansimos articulado a la interdisicplinariedad entre ciencias sociales y ciencias naturales en la construcción del currículo de la Maestría Culturas y Droga su creación y desarrollo. Cuando regrese a Colombia.

 

A ATIVIDADE XAMÂNICA E SUA DIMENSÃO TERAPÊUTICA

Laércio Fidelis Dias

Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (Unesp-Marília/SP)

 

O objeto do artigo são os tratamentos xamânicos presentes nas narrativas de Palikur, Galibi Maworno e Karipuna que habitam a Terra Indígena Uaçá. A problemática é responder a seguinte indagação: qual o escopo da terapêutica na atividade xamânica. A premissa é a de que tratar problemas de saúde implica reordenar e reequilibrar relações sócio-cosmológicas que envolvem domínios humanos e não-humanos, seres humanos e sobrenaturais e, neste sentido, saúde e doença relacionam-se com questões mais amplas do que apenas manifestações biofísicas no corpo. O objetivo geral do artigo é analisar o papel do xamã sem reduzi-lo a mero curador. Do ponto de vista metodológico, o uso das narrativas se justifica porque expressarem a lógica da experiência, e trazem consigo os princípios de construção, ordenação e significação dos eventos. A premissa foi confirmada, ou seja: a dimensão terapêutica da atividade xamânica não se restringe aos aspectos biofísicos da experiência da doença.

Palavras-chave: Antropologia da Saúde; Etnomedicina; Índios sul-americanos; Narrativas; Xamanismo.

 

MERGULHO NO SER

Camila Silva Ribeiro

José Francisco Miguel Henriques Bairrão

Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Ribeirão Preto.

encanto.psicologia@gmail.com

 

Nos últimos anos, foi percorrido um trilhar acadêmico e espiritual no desenvolvimento da dissertação de mestrado “Mergulho no Ser: corpo e memória em cerimônias indígenas com Huni”, a qual teve como foco as manifestações corporais em cerimônias espirituais indígenas do tronco linguístico Pano, seu papel na memória biográfica e cultural de seus participantes, na preservação e propagação de memória coletiva. Alguns de seus objetivos principais consistiram na compreensão e reconstituição da etnopsicologia de povos Pano, registro e documentação de saberes tradicionais acerca do papel das cerimônias espirituais na sua preservação e resgate cultural e das técnicas corporais utilizadas durante tais cerimônias. Estas práticas de transmissão dos conhecimentos herbários e medicinais têm reforçado a preservação e o resgate cultural, bem como têm valorizado os saberes tradicionais nas práticas terapêuticas, com resultados muito positivos na promoção de saúde. Após a defesa da dissertação, a autora permaneceu 5 meses nas aldeias da etnia Yawanawá, e adentrou à “senda iniciática” desta tradição, a qual consiste em processos de dietas espirituais. Tais processos guardam conhecimentos tradicionais sobre a espiritualidade e medicina tradicional Yawanawá. Este trabalho irá discorrer sobre alguns pontos da temática desta medicina.tradicional Yawanawá, com foco nas dietas espirituais Yawanawá.

Palavras- chave: Medicina tradicional, dietas espirituais, conhecimentos tradicionais, povo Yawanawá.

 

 

YAÚ PETÊ (COMAMOS TABACO) REIVINDICACIÓN DEL TABACO COMO MEDICINA TRADICIONAL Y SU ARTICULACIÓN EN EL MEDIO OCCIDENTAL CONTRA LAS ADICCIONES

Diego Rodolfo Viegas

Escuela de Antropología, Facultad de Humanidades y Artes, Universidad Nacional de Rosario, Argentina.

diegorodolfoviegas@hotmail.com 

 

El tabaco ha sido una planta considerada sagrada, ritual, ceremonial, terapéutica y medicinal en su lugar de origen: América. La colonización europea y  los usos y costumbres de la industrialización transformaron  aquella medicina espiritual, en un problema de salud pública y adicción a nivel mundial. El presente trabajo explora la historia y las consecuencias de esa paradoja, analizando los testimonios de tres referentes que intentan devolver al tabaco su rol primigenio en Sudamérica:  El Centro de Investigación en Toxicomanías “Takiwasi” en Tarapoto, Perú; el Ypayé  Tupí Guaraní Basilio Soria (Aguarapire Seacandirú) convertido en uno de los pocos chamanes originarios del monte salteño que trata la adicción al cigarrillo industrial en base al uso terapéutico del tabaco, recorriendo los grandes núcleos urbanos de la Argentina, y finalmente el joven psicólogo rosarino Iván Turchetti, que ha realizado dietas de tabaco tradicionales en Perú para incorporar como herramienta terapéutica una inédita confluencia entre la medicina tradicional originaria sudamericana y las corrientes de la psicología clínica occidental. El objetivo del trabajo es llamar la atención sobre la problemática de la adicción (incluida la del cigarrillo industrial), reivindicar el tabaco como medicina dentro del contexto de las Medicinas Tradicionales Indoamericanas, y la potencialidad de un regreso más amplio de la perspectiva originaria americana del tabaco en un contexto de cambio de paradigma científico, y cultural a nivel global, y de búsqueda de identidades y rescate de autoctonías a nivel regional.

Palabras clave: Tabaco, adicciones, medicina tradicional, cigarrillo industrial.

 

 

PLANTAS, LINGUAGEM E ESPÍRITOS: MEDICINA TRADICIONAL E O TRATAMENTO DA DEPENDÊNCIA

Marcelo S. Mercante

Programa de Pós Graduação em Saúde Coletiva, Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

marcelo_mercante@yahoo.com

 

Nesta apresentação será analisado o papel das plantas utilizadas no tratamento da dependência química em um centro de tratamento, Takiwasi, localizado na amazônia peruana. Takiwasi tem na ayahuasca sua principal ferramenta no processo de recuperação de adictos. A ayahuasca é uma bebida psicoativa amplamente utilizada por diversos povos indígenas em toda a amazônia e por três religiões brasileiras de base cristã. Em Takiwasi acredita-se que as plantas são dotadas de agência e possuem, além de seus princípios ativos, um outro tipo de ação mais desejada que a química: a espiritual. Para elucidar tal capacidade de agência e poder espiritual, utilizo as noções de “linguagem” de Benjamin e de “espírito” e “imagem” e “imaginação” de Viveiros de Castro.

Palavras-chave: Ayahuasca; Dependência Química; Imaginação; Linguagem.

A CURA DOS DEPENDENTES NA PRÁTICA MÉDICO-RITUAL DOS TAITAS INDÍGENAS NO PUTUMAYO COLOMBIANO

Pedro Musalem Nazar

Doutorando Programa de Pós Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina

pedromusalem@gmail.com

 

Aborda-se etnograficamente a prática ritual dos taitas (xamãs) indígenas da região de Putumayo, Amazônia ocidental colombiana, apresentando o circuito interétnico que suporta estas práticas desde uma perspectiva histórica, para logo indagar, através de observações contemporâneas, as lógicas implícitas nas curas aos dependentes (ou abusadores de sustâncias) que estes taitas realizam. Os taitas encontram-se ativamente inseridos na circulação de práticas médicas oficiais e alternativas no âmbito global. Porém, desde uma tradição própria, ancorada na sua identidade indígena, e através da prática dos rituais de yagé, os taitas afirmam a superioridade da sua medicina, que em último termo se estabelece a partir da sua interlocução direta com deus. Durante meu trabalho de campo entre os taitas indígenas no Putumayo, ouvi várias narrativas de cura em que estes resolviam mediante tratamentos baseados em rituais de yagé os problemas de poli consumo de sustâncias (tipicamente uma mistura simultânea de cocaína, crack, álcool e maconha). A partir destas narrativas, se faz possível relativizar noções comumente aceitas acerca destes temas, como a de que o problema principal radica no potencial de dependência das sustâncias consumidas. Procuro também, com base nestas narrativas, discernir as instâncias simbólicas que estabelecem e possibilitam a interação entre os taitas e seus pacientes brancos vindos das grandes cidades de Colômbia.

Palavras chave: taitas, yagé, dependência. 

 

 

AYAHUASCA: USOS Y SENTIDOS EN TORNO AL CONSUMO RITUAL DE UN BREBAJE AMAZÓNICO EN LA CIUDAD DE BUENOS AIRES EN EL SIGLO XXI

Juan Francisco Catarino

Facultad de Filosofía y Letras, Universidad de Buenos Aires

catarinojf@gmail.com

 

En el presente trabajo me propongo investigar y distinguir distintos usos y sentidos que se le atribuyen al consumo ritual de un brebaje de plantas amazónicas denominado comúnmente “ayahuasca” en la ciudad de Buenos Aires. Este brebaje, cuya utilización tiene una tradición milenaria entre los pueblos indígenas de la selva, ha sido objeto de un fenómeno de difusión importante que ha alcanzado en los últimos años una extensión global. Como consecuencias de esto, ha pasado a consumirse en todo tipo de contextos “nuevos”, es decir ya no exclusivamente selváticos, y en marcos muy diversos. Mi intención es la de analizar la complejidad existente en Buenos Aires en torno al consumo estrictamente ritual de la ayahuasca, intentando diferenciar diferentes tradiciones y contextos que existen y operan actualmente en la ciudad. En términos generales, lo que se busca es explorar algunos aspectos del proceso de transformación que está atravesando el fenómeno religioso en el siglo XXI; el estudio se ubica entonces dentro de la antropología de la religión, y uno de los principales debates teóricos que daremos refiere a si pueden considerarse “religiosos” los usos que se hacen de la ayahuasca en contextos no dogmáticos de surgimiento reciente. Metodológicamente, el trabajo se basa en la investigación etnográfica con observación participante, con trabajo de campo realizado principalmente en el Centro Libre Nudo Infinito, lugar en el que se consume periódica y ritualmente la ayahuasca, así como en otros diversos puntos de la ciudad entre los meses de marzo y junio de 2015.

 

 

PLANTAS ENTEÓGENAS E A ESPIRITUALIDADE NA SAÚDE

 

Neidi Regina Friedrich

neidi_regina@yahoo.com.br

Enfermeira, Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul/BR

 

Esse trabalho aborda um capítulo de minha tese de doutorado (2012), que também discute as Plantas Sagradas ou Enteógenas. Traz discussão da espiritualidade no cuidado com a saúde, tendo-se iniciado com populações originárias e atualmente difundido no neo-xamanismo na Nova Era. O uso das plantas corresponde a um dos exercícios do ser humano para transcender e entrar em contato com seres e elementos do sagrado. Inicialmente associado às práticas xamânicas, as plantas de poder constituem ferramentas que são fundamentais na consolidação do xamanismo com técnicas de êxtase. O uso de enteógenos na atualidade ligam espiritualidade e saúde psíquica, associando essas plantas ao autoconhecimento e terapia. Diferenciam-se das exclusivamente medicinais, pois além de propriedades curativas trazem a possibilidade de acessar um contato de consciência ampliado, equiparado ao transe extático. Muitas das plantas utilizadas tradicionalmente ainda são consideradas “alucinógenas”, sendo proscritas, como a coca, peyote, hongos, cannabis e ayahuasca. Segundo Glockner (2006) existem três aspectos que diferenciam o uso delas, diferenciando seu uso como “droga”: procedência - direto da natureza, não sendo modificadas sinteticamente como caso do peyote, coca, ayahuasca, canabis, tendo o cuidado desde a plantação, preparo e uso; finalidade – com fins terapêuticos ou adivinhatórios, não sendo utilizadas para próprio prazer ou lúdicas, como forma de satisfazer uma adição; efeitos individuais e coletivos que produzem – quando se consome ritualmente essas plantas, é possível acessar uma dimensão espiritual com revelação de verdades, com comunicação, quando se está preparado para isso, com seres cuja vontade incide no curso das coisas deste mundo

Palavras Chaves: Plantas Enteógenas, Espiritualidade, Medicina Tradicional.

 

 

CASA SAGRADA, SANTO DAIME E JUREMA EM SERGIPE: UM ESTUDO SOBRE TRAJETÓRIAS E EXPERIÊNCIAS DE TRANSFORMAÇÃO

 

Fátima Oliveira

espcriativo@hotmail.com

 

A Casa Sagrada é um "centro de cura" na cena urbana sergipana, localizado no município de Barra dos Coqueiros-SE onde se realizam os rituais do Santo Daime na Igreja Flor da Rainha seguindo a linha do Cefluris (Centro eclético de fluente luz universal Raimundo Irineu Serra) e rituais com a Jurema na Roda de Medicina Ancestral numa vertente dos novos movimentos urbanos neo-xamânicos. O presente trabalho objetiva compreender as transformações existenciais ocorridas pela ingestão da "ayahuasca" e "jurema" por meio de experiências corpóreas (limpezas) e emocionais (mirações) dos integrantes, partindo do relato de suas trajetórias, buscando definir as principais categorias culturais  envolvidas  na experiência de mudança e compreender estas categorias em suas relações com o grupo, buscando identificar os  modelos que motivam e sustentam estes procedimentos e categorias culturais. A temática de cura foi definida a partir de interesses que me parecem centrais para os participantes da Casa Sagrada. Ao longo de sua trajetória, vários acontecimentos apontam para a construção de uma identidade coletiva enquanto "centro de cura". Esta identidade encontra-se ancorada na história do grupo, em interação com a práxis de seus participantes.

Palavras-chave: Santo-Daime, Jurema, ritual, experiência, transformação, trajetórias.  

 

 

A LINHA DE ARROCHIM: RITUAL, TERAPIA E CURA EM UM CENTRO DE SANTO DAIME

Henrique Fernandes Antunes

Doutorando – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – USP

hictune@yahoo.com

 

O objetivo primeiro do trabalho é apresentar em linhas gerais o trabalho de cura Linha de Arrochim, realizado no Centro Pronto So

corro Espiritual Raimundo Irineu Serra (Cepseris), um centro de Santo Daime localizado em Rio Branco, Acre. Em um primeiro momento, serão apresentados relatos sobre o desenvolvimento do trabalho Linha de Arrochim na década de 1960, pelo padrinho Wilson Carneiro de Souza, discípulo direto do fundador do Santo Daime, Raimundo Irineu Serra. Em seguida, será discutida a recente institucionalização da Linha de Arrochim, a partir do processo de inserção do trabalho de cura em questão no calendário ritual mensal do Cepseris. Por fim, pretendo discutir algumas questões relativas às implicações de noções como ritual, terapia e cura a partir do caso específico do Cepseris.

Palavras-chave:Linha de Arrochim, Santo Daime, Ritual, Terapia, Cura

 

CURAS NO SANTO DAIME: CONCEITOS E PRÁTICAS DE SAÚDE NAS LINHAS DO ALTO SANTO

Josué Silva Abreu Júnior

Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós Graduação em Antropologia

 

Este projeto busca investigar as concepções, conceitos e práticas de cura na religião conhecida por Santo Daime, fundada em 1930 no Acre (Brasil), por Raimundo Irineu Serra (Mestre Irineu). O estudo é focado em Centros do Santo Daime na cidade de Rio Branco e arredores conhecidos como linha do Alto Santo. Busca igualmente realizar um levantamento das memórias de cura realizas por Mestre Irineu, assim como identificar outras práticas e produtos (além do Daime) utilizados para curar. O trabalho de campo se embasou na proposta metodológica de Favret Saada, explicitada no termo “ser afetado”. Para a autora, “ser afetado” significa estar sujeito às mesmas intensidades que o grupo pesquisado e se deixar agir pelos sentimentos, sensações e percepções resultantes destas intensidades. A partir das informações levantadas em campo, apresento as concepções, práticas e conceitos de saúde e cura no Centro Livre e CEFLI (Centro Eclético Flor do Lótus Iluminado), que foram os centros em que participei de forma mais intensa. Ao final busco fazer um diálogo entre as teorias antropológicas acerca da eficácia (eficácia ritual, eficácia simbólica, etc) e as vivências de saúde e cura nas linhas do Alto Santo.  Através dos conceitos, práticas e concepções de saúde e cura nas linhas do Alto Santo, assim como dos afetos que experimentei em campo, busco responder à seguinte questão: - De que forma a cosmologia do Alto Santo influencia a eficácia dos procedimentos que buscam a cura?

Palavras-chaves: Santo Daime, Ayahuasca, Medicina Tradicional  

 

 

DAIME PAZ. NUEVAS RELIGIOSIDADES EN TIEMPOS DE CONSUMO

Pía Bazzán Pérez.

Licenciatura en Sociología, Universidad de la República Oriental del Uruguay.

bazzanpia@gmail.com

 

En el marco del proceso actual de expansión de las opciones religiosas en nuestro país analizamos mediante entrevistas y observaciones la configuración identitaria del Santo Daime en Uruguay, con especial énfasis en el consumo de representaciones y sentido subjetivo. Una sociedad cada vez más plural que da lugar a nuevas doctrinas religiosas y coloca al fiel en el rol de elector, convirtiendo el campo religioso en un mercado con sus ofertantes, sus consumidores y sus productos. La oferta más atractiva que posee el culto daimista es su propio sacramento, la ayahuasca; a la vez uno de los elementos que cuestiona con mayor intensidad la legitimidad del culto por considerarse una “droga”. Sin embargo, ¿a qué se debe su atractivo? Es que la misma pluralidad que le da lugar es condición de su existencia, la inmensa marea de estilos de vida y de valores divergentes y hasta opuestos sumergen al sujeto en un caos donde ya no quedan certezas de las que aferrarse, un mundo donde ya no encuentran el sentido. Así es que la ayahuasca y la forma en que la representan (como una santidad líquida) cumple la función de guía en el día a día siendo una herramienta para la sanación del espíritu que ha enfermado a causa de los sinsentido de la vida moderna. Por lo que el fundamento de este nuevo mercado religioso es el consumo de sentido subjetivo, es la construcción de refugios simbólicos basados en verdades inalterables donde pararse firme, huyendo de un mundo que tambalea.

Palabras clave: Identidades, mercado religioso, ayahuasca, consumo subjetivo, refugio simbólico.

 

 

 

 

 

 

A RAIZ REVISITADA: NOTAS SOBRE AYAHUASCA, ESPIRITUALIDADE E TERAPIA NA CONTEMPORANEIDADE

 

Rodrigo Rougemont da Motta

Programa de Pós Graduação em Sociologia e Antropologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro

rodrigorrm@gmail.com

 

A proposta deste trabalho é refletir sobre a perspectiva terapêutica da espiritualidade e como ela é tratada dentro de determinado cenário religioso contemporâneo. O interesse é examinar esta relação dentro de um espaço inter-religioso que faz uso da bebida psicoativa indígena chamada ayahuasca, mais especificamente seu uso em contexto urbano. O espaço religioso que será analisado parte de um pressuposto que liga o conceito de religião a uma de suas possíveis etimologias, “religare” do latim, que significa religar o que foi cindido, aproximando o trabalho espiritual do trabalho realizado pelo terapeuta que busca integrar materiais do inconsciente. Esta reflexão é fruto de uma pesquisa de campo que venho realizando em uma casa localizada na Zona Sul do Rio de Janeiro, no bairro de Laranjeiras, chamada Círculo Holístico: Arca da Montanha Azul. O ritual com a ayahuasca é coordenado por um psicólogo junguiano que em sua metodologia do uso da bebida explora em muito as concepções oriundas da psicologia analítica de Jung, bem como a influência da psicologia transpessoal que entende o potencial terapêutico como algo inato ao homem. A proposta é pensar as noções de pessoa e cura que perpassam um ritual religioso contemporâneo marcado pela ênfase em terapias holísticas como o desenho, a música e a dança, aliada ao êxtase proporcionado pelo uso de uma substância psicoativa advinda de uma planta da floresta amazônica, refletindo assim sobre novas formas de vivenciar o divino que perpassam por um anseio de expansão da consciência em direção à outra concepção do ser.

Palavras-chave: Ayahuasca; Espiritualidade; Nova-Era; Pessoa; Cura