RESUMEN GRUPO DE TRBAJO 48

GT 48.  ANORMALIDADES: DIFERENÇAS CORPORIFICADAS EM DISCURSOS E PRÁTICAS

Coordinadores:

Olivia von der Weid. Doutora em Antropologia Cultural - PPGSA/UFRJ (2014). Professora do departamento de antropologia da UFF; oliviaweid@gmail.com

Fabiola Lorena Heredia. Magister en Antropología. Universidad Nacional de Córdoba  (UNC); fabiolalheredia@hotmail.com

Leonardo Carbonieri Campoy. Doutorando em Antropologia Cultural - PPGSA – UFRJ; leocampoy@gmail.com

 

Sesión 1: 

 

LOS DISPOSITIVOS PSIQUIÁTRICOS REFORMISTAS EN BRASIL Y CHILE Y LA GESTIÓN POR LA LIBERTAD: UNA ETNOGRAFÍA DE LAS PRÁCTICAS COTIDIANAS VINCULADAS A SALUD MENTAL

 

Arthur Arruda Leal Ferreira  (Instituto de Psicologia/ Programa de Pós-Graduação em História das Ciências e das Técnicas e Epistemologia/ UFRJ/ Brasil)

Jimena Carrasco Madariaga (Facultad de Medicina/ UACH/Chile)

El objetivo de este trabajo será describir los dispositivos de reforma psiquiátrica brasileños y chilenos en sus prácticas cotidianas. Estas reformas surgen en los años 1980, en el caso de Brasil, y en los años 1990 en el caso de Chile, junto con procesos más amplio de transición política iniciado al final de las de las dictaduras militares. Los datos serán levantados a través de la observación de algunas prácticas cotidianas, tales como reuniones de expertos, elaboración de actas y reportes de reuniones clínicas, organización y gestión de fichas clínicas, disposiciones de los espacios, además de opiniones de algunos actores.  Igualmente serán considerados los documentos oficiales, en especial la Ley antimanicomial de Brasil de 2001 y Plan Nacional de Salud Mental y Psiquiatría de Chile de 2002. El análisis será hecho, considerando los modos y estilos de gestión de los usuarios y las relaciones con grupos familiares, comunitarios e incluso con el territorio. Para tal, utilizaremos herramientas conceptuales variadas de la teoría Actor Red y de la genealogía Foucaultiana para una comprensión del fenómeno como procesos en los que se da una pugna y una coexistencia de a) antiguos modos de gestión disciplinares de la locura, por ejemplo, las prácticas asilares, y b) nuevas formas de manejo de la locura por medio de la libertad, propias de un modo de gubernamentalidad neoliberal. Ambas convergen generando nuevos modos de subjetividad tanto de intervenidos como de interventores.

 

 

ACTUALIDAD, HISTORICIDAD Y SALUD MENTAL EN EL URUGUAY DE 1930. APUNTES PARA UNA INVESTIGACIÓN

 

Fernando Garcia Press (Facultad de Psicología del Uruguay) Lic. en Psicología, Estudiante de Maestría en Antropología de Cuenca del Plata, Investigador en Proyecto Formación de la Clínica Psicoanalítica del Uruguay en Instituto de Clínica de Facultad de Psicología del Uruguay.

José Guillhermo Milán (Facultad de Psicología del Uruguay). Lic. en Lingüística, Docente Grado 4 en Facultad de Psicología, Director del Proyecto de investigación Formación de la Clínica Psicoanalítica del Uruguay en Instituto de Clínica de Facultad de Psicología del Uruguay.

A partir de la Ley de Atención al Psicópata de 1936, hoy vigente y en revisión, textos de Valentín Pérez Pastorini así como trabajos publicados en la Revista de Psiquiatría del Uruguay en la década del 30 se reflexiona acerca de la idea de “actualidad” e “historicidad”.

Se trabaja a partir de una carta escrita por Valentín Pérez Pastorini, Psiquiatra de la Colonia Etchepare y primer Psicoanalista en el Uruguay. Asimismo se articula con la ley mencionada, y se articulan con otros textos publicados en la Revista de Psiquiatría en la década del treinta.

A partir de la muerte de los primeros psiquiatras, B. Etchepare en 1925 y S. C. Rossi en 1936, la psiquiatría trabaja sobre su legado. Década donde se retoman las ideas de aislamiento y encierro, de ocupación, produciéndose nuevos sentidos articulados a cierta sensibilidad.

García Austt (1938:20) es elocuente al plantear que el discurso sobre “la patología mental crea (...) nuevas enfermedades”, reconocimiento de los efectos performativos de los discursos científicos predominantes de la época. Cuestionamiento de lo natural de la enfermedad mental.

El trabajo busca posibles articulaciones entre una idea de “pensamiento actual” de la época, lineamientos teóricos y técnicos así como legales, en el período en el que empieza a estudiarse y ejercerse el psicoanálisis con especificidad. La idea de actualidad convoca a realizarse preguntas, sobre una tensión implícita, pasado y presente que se confunden. Se trabaja dónde se encuentra dicha tensión, quiénes participan y qué papel juega el psicoanálisis en este tiempo de revisión.

Palabras Clave: Historicidad, Actualidad, Discursos, Psicoanálisis, Salud Mental.

 

 

DIVERSIDAD, DIFERENCIAS Y NECESIDADES EDUCATIVAS ESPECIALES EN EL AULA: EXPERIENCIAS Y CREENCIAS DE PROFESORAS QUE TRABAJAN EN DOS ESCUELAS CHILENAS

María Rosa Lissi (Escuela de Psicología PUC/Chile). Profesora asociada de la Escuela de Psicología, PUC/Chile.

Camila Rivas (PUC/Chile). Estudiante del programa de Magíster en Psicología Educacional, PUC/Chile.

La diversidad y la inclusión están fuertemente presentes en las discusiones actuales en Chile, en el marco de la reforma educacional en marcha. Un tema importante es el de la educación de aquellos estudiantes que han sido etiquetados como “alumnos con necesidades educativas especiales (NEE)”.

En el contexto de una investigación etnográfica realizada en dos escuelas de Santiago -una de NSE medio y la otra de NSE bajo-, este estudio buscó responder dos preguntas: ¿De qué hablan las profesoras cuando se refieren a la diversidad del alumnado? y ¿Qué creencias emergen al hablar de las NEE y sus implicancias educativas? En total, diez profesoras fueron entrevistadas. Las entrevistas fueron transcritas y analizadas usando procedimientos de análisis cualitativo de contenido (Mayring, 2000).

Todas las profesoras consideran que sus cursos son diversos, basándose en la presencia de algunos grupos de alumnos que presentarían características diferentes al resto. Entre estas características destacan las NEE, realidades familiares complejas y problemas conductuales. Las profesoras enfatizan los desafíos de la diversidad y señalan que la presencia de alumnos con NEE demanda más trabajo y dificulta el proceso de enseñanza-aprendizaje; generándoles agotamiento y frustración al sentir que ellas hacen “lo que pueden” pero esto no es suficiente. Los resultados se discuten en términos de su relevancia para la formación inicial y desarrollo profesional docente, la importancia de la reflexión en torno a la forma en que se construye al alumno “normal” y “diferente” en la escuela, y las condiciones laborales que podrían contribuir a este proceso.

Palabras Clave: Diversidad, Profesoras, Necesidades Educativas Especiales, Normalidad, Creencias.

 

 

INTERSEXUALIDADES E BIOTECNOLOGIAS: PRÁTICAS CONTEMPORÂNEAS DE PRODUÇÃO E NORMATIZAÇÃO DAS INTERSEXUALIDADES

Janaína Freitas (UFRGS). Mestranda em Antropologia Social no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRGS.

Paula Sandrine Machado (UFRGS). Professora do Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, e do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRGS.

Os intersexuais, por possuírem corpos que não se enquadram no modelo do dimorfismo sexual, desafiam as noções ocidentais de normalidade corporal. A partir da década de 1950, as pessoas intersexuais são submetidas, desde o nascimento, a uma série de procedimentos cirúrgicos e medicamentosos não-consentidos que visam à adequação ao modelo corporal binário. No que se refere à contemporaneidade, houve a emergência de uma série de técnicas de normatização, produzidas pelas novas biotecnologias, situadas cada vez mais intensamente em um nível “molecular”, que evitam a proliferação desses corpos ditos anormais, através de diagnósticos e tratamentos precoces.

Assim, o presente trabalho reflete sobre o modo pelo qual as intersexualidades estão sendo produzidas e manejadas em um contexto em que as novas biotecnologias constituem ferramentas cruciais no processo de remodelação dos corpos e de produção de subjetividades. A partir de uma “etnografia de arquivo”, esse trabalho propõe, de forma comparativa, discutir a produção e controle das intersexualidades através das tecnologias pré-natais e neonatais de diagnóstico e tratamento da Hiperplasia Adrenal Congênita, citada na literatura médica como a causa mais recorrente de intersexualidade. Para tanto, são analisados artigos científicos brasileiros oriundos da área biomédica que abordam a triagem neonatal da Hiperplasia Adrenal Congênita no Programa de Triagem Neonatal (Teste do Pezinho) no Brasil, bem como os artigos científicos que abordam o diagnóstico pré-natal desta condição, por meio de Testes Não-Invasivos Pré-Natais.

Palavras-chave: Intersexualidade; Hiperplasia Adrenal Congênita; Biotecnologias; Gênero; Corpo.

 

 

DA EMOÇÃO À ENCARNAÇÃO: O AMOR EM PERSPECTIVA BIOQUÍMICA

Arbel Griner (IMS/UERJ). Mestre em Sociologia com ênfase em Antropologia pelo Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ e doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Medicina Social da UERJ.

Rafaela Teixeira Zorzanelli (IMS/UERJ). Doutora em Saúde Coletiva e Professora Adjunta do Instituto de Medicina Social da UERJ.

A presente proposta acompanha a discussão acadêmica sobre o “amor” neurocientificamente definido e a potencial produção de “anormalidades” que envolve. “Amor”, nestes termos, é um “complexo” bioquímico que aciona e controla três “sistemas”: o da luxúria, o da ligação e o da conexão. O primeiro promoveria o desejo sexual; o segundo criaria a fixação em um parceiro específico; o terceiro permitiria vínculos afetivos duradouros entre parceiros. A “encarnação” do polissêmico “amor” em termos bioquímicos o reduz, de um lado, a fins de reprodução e criação de uma prole “bem adaptada”. De outro, acarreta um debate, já estabelecido entre éticos e bioéticos de instituições reconhecidas, que objetiva estabelecer parâmetros eticamente válidos para o aprimoramento ou a interrupção químicos de relações amorosas (socialmente) desejadas e indesejadas, respectivamente. Neste debate, que pode ser sintetizado em termos de “medicalização do amor”, evidencia-se a dimensão coletiva da construção de um fenômeno que costuma ser associado ao âmbito mais íntimo e subjetivo. Desde a tese de Georges Canguilhem, de 1943, fomos alertados para a mobilidade socialmente conferida à fronteira entre o normal e o patológico. Nesse sentido, o debate acerca dos limites entre um “amor” socialmente relevante, que justifica uma intervenção química para ser mantido ou aprimorado, e outro, ameaçador e patológico, que demanda uma interrupção, esboça contornos coletivamente traçados para formas normais e anormais de relação. Este trabalho interessa-se pela análise de valores, cosmologias e implicações que emergem com a biologização do amor e com as tensões que o debate a seu respeito suscita.

 

 

INTERSEXUALIDADE: ENTRE DESVIOS, FALTAS E EXCESSOS

 

Paula Gaudenzi (FIOCRUZ / IMS/UERJ). Médica, doutora em Saúde Coletiva na área de Ciências Humanas e Saúde, Pesquisadora da Fiocruz.

Este trabalho toma como objeto de análise a intersexualidade, outrora chamada de hermafroditismo e atualmente definida pelo linguajar biomédico como “distúrbio do desenvolvimento sexual”. O indivíduo intersexual apresenta caracteres biológicos tanto masculinos quanto femininos e sua condição é compreendida pela concepção biomédica como resultado de uma interação anormal dos fatores genéticos e hormonais ligados ao gênero no período pré-natal, uma anormalidade a ser corrigida. Segundo Foucault, na Idade Clássica, os hermafroditas eram representantes de “imperfeições da natureza” ou “desviantes morais” que deveriam ser “reparados”. Tratava-se de corpos “imperfeitos” ou de genitais que não se desenvolveram “adequadamente”, trazendo a noção de falta. Para algumas culturas não ocidentais, porém, a ideia de união dos opostos em um só ser faz do ser andrógeno um ser divino, o que está de acordo com a etimologia do termo que se refere à união de dois deuses – Hermes e Afrodite. Nesta concepção, tem-se a ideia oposta de excesso - corpos que se unem, sexos que se duplicam. Evidencia-se o deslocamento do termo de acordo com o universo semântico e simbólico próprio do contexto em que é problematizado. Neste trabalho serão apresentadas reflexões sobre a experiência da intersexualidade a partir de histórias de vida e os discursos dos médicos sobre a questão, a partir de uma etnografia que está sendo realizada no IFF/FIOCRUZ. Ademais, serão apresentados os discursos contemporâneos em três áreas de conhecimento - antropologia, medicina e psicanálise - sobre os corpos supostamente anormais em termos de genitais em sua interface com a construção da subjetividade e com as noções de normalidade, identidade sexual, desvio, falta e excesso.

Palavras-chave: Normalidade, Sexualidade, Desvio, Falta, Excesso.

 

 

ALTERIDADE, RISO E SENTIDO: UMA ANÁLISE SOBRE O RISO E A LOUCURA EM VÍDEOS COMPARTILHADOS NA INTERNET.

 

Jorge Garcia de Holanda (UFRGS).Mestrando em Antropologia Social – UFRGS.

O objetivo deste paper é analisar a produção da figura do louco em um conjunto de vídeos de grande popularidade compartilhados na internet através do site YouTube. Essas imagens consistem em registros audiovisuais – todos possuindo curta duração – que mostram pessoas realizando atos de fala compostos por encadeamentos de signos que são considerados os motivadores para o compartilhamento e a visualização desses vídeos nas páginas do site, sendo amplamente compreendidos por seus públicos como carentes de sentido. Através de uma análise do espaço de comentários disponibilizado pelo site para cada um desses vídeos, busca-se compreender como são mobilizados discursos que aliam uma leitura dessas falas enquanto discursos fora da ordem com a construção de uma noção de loucura como alteridade motivadora do riso. Portanto, trata-se de buscar compreender o processo de produção de uma relação entre o riso e o sujeito louco, atentando para as articulações entre normalidade e anormalidade que os discursos movidos nos comentários executam, bem como para os mecanismos de legitimação e deslegitimação utilizados para interpretar esses registros de fala.

Palavras-chave: loucura – riso – alteridade – internet – imagem.

 

 

LA TEORÍA DE LA DEGENERACIÓN COMO FACTOR ETIOLÓGICO DEL COMPORTAMIENTO CRIMINAL EN URUGUAY A COMIENZOS DEL SIGLO XX

Elizabeth Ortega Cerchiaro (Facultad de Ciencias Sociales, UDELAR) Doctora en Ciencias Sociales con especialización en Trabajo Social, docente efectiva del Departamento de Trabajo Social de la Facultad de Ciencias Sociales de la Universidad de la República de Uruguay.

María José Beltrán (Facultad de Ciencias Sociales, UDELAR)

El trabajo surge de la indagación de corte genealógico sobre la medicalización del crimen en Uruguay en el pasaje del siglo XIX al XX, que habría tenido como soporte una serie de transformaciones en varios ámbitos de la vida social: el proceso de modernización de la sociedad uruguaya; la creciente consolidación del saber y poder médico; el énfasis en la definición del delincuente y sus características; la adjudicación al criminal de una serie de atributos a partir de anormalidades que permitían vincular la locura con la criminalidad.

Ciertos tipos de comportamientos criminales que se presentaban como irracionales o que eran portadores de algún tipo de anormalidad comenzaron a ser objeto de discursos y prácticas que formaron parte de dispositivos biopolíticos que se extendieron a otras áreas de la vida social.

La psiquiatría incipiente en Uruguay a comienzos del siglo XX emerge como saber médico científico especializado para explicar ciertos comportamientos que atentaban contra el orden y sobre los cuales era necesario tomar medidas de tipo preventivas.

Debido a la influencia de la Escuela Francesa en la formación de los médicos en este período, la teoría de degeneración de Auguste Morel se presenta como la explicación etiológica de la herencia del comportamiento criminal. Se describen los factores del ambiente, sociales y educativos que dan paso a la degradación de la especie sobre los cuales se delinearon un conjunto de medidas de profilaxis social. Se destaca, particularmente, el carácter hereditario del alcoholismo y su vínculo con la locura y la criminalidad.

Palabras clave: Crimen, Locura, Degeneración.

 

 

Sessão 2:

 

HISTORIA ORAL DE LA ENFERMEDAD DE HANSEN. LA ENFERMEDAD EN BUSQUEDA DE LA NORMALIDAD

Natalia Botero Jaramillo (UdeA-Medicina-Colombia) Docente e investigadora, Facultad de Medicina, UdeA.

Jessica Mora (UdeA-Medicina-Colombia) Estudiante Noveno semestre de Medicina Universidad El Bosque.

Daniel Quesada (UdeA-Medicina-Colombia) Estudiante Noveno semestre de Medicina Universidad El Bosque.

La presente ponencia quiere dar cuenta por medio de la historia oral de los enfermos de Hansen o de lepra y sus convivientes, los discursos construidos en torno a las nociones de normalidad y enfermedad, en los municipios de Agua de Dios y Contratación, anteriores Lazaretos en Colombia.  Por medio de la memoria de los enfermos y sus familias, en que la entrevista, los recorridos por el territorio y la observación etnográfica se utilizaron como escenarios de interacción social y de construcción de subjetividad, se pudieron rastrear las tensiones y resistencias de los enfermos a ser denominados como sujetos anormales tendientes a reforzar el ostracismo generado históricamente para controlar la enfermedad. En consecuencia, se analiza cómo estos sujetos se posicionaron ante su condición de enfermedad, el diagnóstico médico que reforzó su rótulo de enfermo, y la institución médica del albergue y del lazareto que controló sus vidas, para elaborar unas prácticas y unos discursos en que ponen en tensión los conceptos de enfermedad y de anormalidad, para resignificarse como sujetos ordinarios. Para esta investigación se trabajó con metodologías de investigación cualitativa como la entrevista semiestructurada con relato de vida, las entrevistas temáticas, la observación etnográfica, y la cartografía social, realizad a enfermos y a convivientes en las dos poblaciones anteriormente mencionadas.

 

 

LA PRODUCCIÓN DE LO NORMAL/ANORMAL

Claudia Matus (Facultad de Educación-PUC/Chile)

Esta presentación propone que la producción cultural de “lo normal,” aquello que circula como “evidente” y “natural” cuando hablamos de género, sexualidad, raza, clase social, es una forma de conocer que puede ser registrada, documentada y por lo tanto politizada. Dicho de otra manera, el asignar valoraciones y atributos positivos a lo caucásico por sobre lo mestizo, a la cultura heterosexual por sobre la homosexual, a las prácticas de masculinidad y femineidad hegemónica por sobre otras formas de producir el género, es un aprendizaje que es posible de rastrear. Al considerar la ideología de lo normal (la valoración irreflexiva de una forma única de producir subjetividades, e.g.,  lo caucásico) en el mismo estatus de aquello que se piensa como distinto y desviado, existe la  posibilidad de cuestionar el rol generativo de los discursos de “lo habitual” de la producción de lo normal. En esta presentación hago uso de entrevistas etnográficas con profesoras para mostrar como la producción de “lo anormal” está fundado en una idea incuestionada y despolitizada de lo normal. El foco por lo tanto, está puesto en describir trayectorias de organización del conocimiento que resultan en la consolidación de ideas esencialistas acerca de quiénes somos.

Palabras claves: normal, anormal, trayectoria, subjetividad, incitación.

 

CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL NO JOGO DE BOCHA PARALÍMPICO: AS CORPORALIDADES E OS CONCEITOS DE SAÚDE E DEFICIÊNCIA

 

Estephani Vargas (UFF). Aluna de graduação em antropologia pela UFF.

 

O esporte adaptado/paralímpico é um tema ainda pouco explorado pela Antropologia e possui ricas especificidades como a pluralidade de “classes” que cada modalidade dispõe. As “classes” comportam corporalidades múltiplas com limitações e potencialidades distintas e apenas podem competir com maior igualdade se reguladas pelo “sistema de classificação funcional”. A “classificação funcional”, que tem seu berço nos saberes biomédicos, tem por finalidade, através de uma avaliação física do atleta, traçar uma similitude entre corpos deficientes e, assim, estabelecer maior igualdade entre os competidores. O presente resumo nasce como fruto de minha pesquisa etnográfica realizada junto ao time do Jogo Bocha Paralímpico da Associação Niteroiense de Deficientes Físicos (ANDEF). O trabalho de campo realizado in loco busca compreender “os ponderáveis da vida cotidiana” destes atletas durante os treinos e no momento específico da “classificação funcional” que precede os jogos dos campeonatos regionais.  Os atletas desta modalidade paralímpica possuem deficiências severas, como os paralisados cerebrais e outros tetraplégicos de natureza congênita e “não-congênita”, estes são divididos em quatro “classes”: de BC1 à BC4. Tenho por objetivo  apresentar um dos eixos sob os quais a minha pesquisa se desenvolve e é sob o esteio teórico da antropologia da saúde que busco problematizar os conceitos de “saúde”  e “deficiência” trazendo à baila os discursos apresentados por meus interlocutores. Proponho refletir sobre como os atletas e os demais envolvidos no Jogo de Bocha entendem o corpo, a saúde e a deficiência, como constroem suas prática em torno do saber biomédico e as implicações em suas vidas cotidianas.

Palavras-chave: Antropologia dos Esportes; Antropologia da Saúde; Deficiência; Esporte Paralímpico

 

 

CONSTRUINDO DIFERENÇAS E IDENTIDADES: CATEGORIZANDO DEFICIÊNCIA E ANORMALIDADE NO COTIDIANO DE UMA COMUNIDADE RURAL

Carolina Albuquerque (UFPE). Bacharel em Ciências Sociais com área de concentração em Antropologia pela UFCG. Mestranda em Antropologia Social pela UFPE. Bolsista Capes.

O presente trabalho pretende explorar analiticamente um cenário etnográfico, a saber: as relações entre os moradores da Serra de Inácio Pereira – sítio de um pequeno município (Barra de Santana) no interior da Paraíba, especificamente como são vistos, classificados e se colocam diante de uma característica específica. Este lugarejo, onde vivem aproximadamente 600 indivíduos, dos quais uma proporção de 1/6 é identificada como surda, é referenciado pelos moradores dos sítios vizinhos, como sendo lugar de pessoas denominadas como “brabos”, “doidos”, “índios”, “mudos” e tem sido mais recentemente tomado como lugar que necessitaria de uma atenção por agentes públicos, identificada a partir da presença de um  CAPS (Centro de Atenção Psicossocial) que deveria atender os deficientes e/ou “anormais”, mais propriamente os surdos que lá vivem. Nesse sentido, a proposta gira em torno de pensar como se produz identidades e diferenças, ou seja, refletir como neste cenário envolvendo grupos, instâncias administrativas e políticas de Estado se constroem classificações e estigmas sobre os moradores de Serra de Inácio Pereira (ouvintes e surdos) e de como estes operam com tais marcadores sociais (políticos, administrativos, médicos). Assim, devido as suas singularidades e a uma narrativa local estigmatizadora, se separam indivíduos “normais” e “anormais”, atribuindo-se deficiência, reduzindo-os  às “inconformidades” do corpo, onde ficamos diante da situação em que tais indivíduos são totalizados por uma característica e esta tende a ser naturalizada e tomada como produto das suas "restritas" faculdades biológicas, ignorando-se inclusive inventividades locais, como a linguagem de sinais por eles desenvolvida e operadas por todos  na Serra de Inácio Pereira. 

Palavras – chave: Anormalidade; Surdez; Classificação Social; Estado.

 

DEFICIÊNCIA, INTERDEPENDÊNCIA E PRODUÇÃO DE SUJEITOS: REFLEXÕES SOBRE REDES DE CUIDADO E GERENCIAMENTO DE RECURSOS EM UMA FAMÍLIA DE CLASSE POPULAR.

 

Helena Moura Fietz (UFRGS) Mestranda em Antropologia Social – UFRGS.

Os autores dos Disability Studies, ao romper com o modelo biomédico e dar início ao modelo social da deficiência, propuseram uma compreensão da experiência da desigualdade enquanto imposta por barreiras sociais e não por com corpo com lesão. Assim, a anormalidade, enquanto um valor estético, passou a ser entendida enquanto pertencente a economia moral de determinada sociedade. Anos depois, estudiosas feministas agregaram a dimensão do corpo a este debate, trazendo para o centro da discussão questões referentes ao cuidado e a interdependência. A experiência de se viver com a deficiência deve ser encarada, desta forma, enquanto múltipla.  O presente trabalho propõe, a partir de um trabalho etnográfico realizado em um bairro de classe popular de Porto Alegre, refletir sobre os recursos acionados por famílias de baixa renda para lidar com uma pessoa com deficiência intelectual. Para tanto, escolhi como recorte do universo empírico a descrição da trajetória de uma mãe que, em suas práticas e relações cotidianas, convive com aquilo que entende como os “problemas de cabeça” da filha já adulta. Trazendo para o centro da análise as noções de deficiência, cuidado e interdependência, inseridas dentro do campo de debates dos estudos da deficiência, se identificará as relações estabelecidas entre as práticas da mãe/cuidadora e outras tecnologias de governo que são interpeladas nesse contexto. A partir de uma descrição da vida cotidiana desses atores se fará, portanto, uma reflexão que vai para além de seu ambiente doméstico, articulando-se diretamente com questões de governamentabilidade e produção de sujeitos.

Palavras-chave: Deficiência – cuidado – interdependência – tecnologias de governo

 

CORPOS (IN)DÓCEIS OU O PODER DOS OUVINTES SOBRE OS SURDOS.

 

Maria Izabel dos Santos Garcia (UFF) Doutora (UFRJ) e Professora adjunta (UFF)

As reflexões que atravessam o conteúdo dessa proposta são as relações de poder e dominação dos corpos das pessoas deficientes, particularmente, os surdos. A mesma tem por base alguns conceitos tratados por Foucault, Canguilhem e Deleuze, como norma, discurso, disciplinarização de corpos e processos de singularização e subjetividades. Foucault em seus trabalhos aponta para a questão de como o corpo – ao menos desde o século XVI – serviu na formulação de um saber, de um discurso de poder. Ao corpo também pode se atrelar a categorias como terceira idade, adolescência, idade adulta, todas marcadas pela ideia biologizante de uma idade cronológica se apresentando como um elemento que se enoda a outros que possuem configurações que assemelham, diferenciam e identificam certo tipo de corpo: idoso, jovem, adulto. Acreditamos ser possível utilizar a deficiência como mais um vetor na rede de conexões em que estamos lançados, uma vez que entendemos ser este um movimento característico da própria vida, pois viver é produzir conexões. Assim, pretendemos traçar um percurso através do relato de experiências de pessoas que exprimem a potência da vida em corpos ditos deficientes. No caso dos surdos, como diferentes autores apontam, o lugar da deficiência e da surdez em particular vem sempre acompanhado de um sentido ouvintista – aquele que provém das pessoas que ouvem pelo canal auditivo. Foucault nos adverte que não podemos apenas identificar os fatos que suscitam um posicionamento e uma atuação, mas é necessário nos perguntarmos por aquilo que permitiu a constituição de tais fatos ou situações que se colocam como ponto de partida num dado contexto. Como Canguilhem, ele propõe uma nova concepção para se pensar o estado normal dos indivíduos, a vida como atividade normativa, como polaridade. Por esse caminho e perseguindo o método foucaultiano, podemos afirmar que um objeto surge dentro de determinadas condições de possibilidades, ou seja, cada época faz emergir certas designações, divisões e formas de controle. Como muito da produção de subjetividade sobre os surdos e sua língua ainda se inscreve em modelos clínicos cujos pressupostos tomam por base a ideia de um corpo defeituoso, tem-se a construção de um discurso – sob a égide da verdade científica – que segrega esse grupo dentro de certos limites sociais. Um desses limites pode ser percebido na chamada educação especial ou inclusiva. Acreditamos ser ainda um grande desafio desfazer-se de estigmas que inscrevem e congelam esse modo de existência surda do lugar da deficiência – aqui considerada como lugar de produção de um tipo subjetividade que estigmatiza – realçando a falta de audição como aquilo que difere as pessoas surdas das pessoas ouvintes. Assim, o debate atual em torno desse grupo social têm produzido uma nova visibilidade que clama pelo reconhecimento de uma identidade, de uma cultura, de um povo surdo. Tal fato tem deflagrado a dinâmica relacional entre surdos e ouvintes, demarcando novos territórios e apontando para uma processualidade assimétrica de poder, o que por sua vez tem fornecido as bases para a reivindicação por uma política das diferenças por parte dos movimentos sociais em torno da surdez.

Palavras-Chave: Surdos, anormalidade, deficiência, corpo, poder.

 

TRAYECTORIA DE VIDA Y CEGUERA ADQUIRIDA

Valentina Ahumada (UNS-Salta)

Se pretende reflexionar sobre las condiciones, características y tensiones que determinan la construcción del espacio, de la visibilidad, la producción de imágenes y la cosmovisión, desde un estado de ceguera, tomando por caso de análisis y estudio la trayectoria de vida de una persona que en un momento de su vida perdió el sentido de la vista. Se tienen en cuenta estereotipos y prejuicios sociales en torno a la ceguera; que caracterizan la sociedad moderna donde la cultura visual adquiere un lugar hegemónico. Se parte de la noción de que la discapacidad es una construcción sociocultural que presenta sus particularidades de acuerdo al momento histórico analizado.

Se pretende correrse de una lectura biologicista, que inferioriza las condiciones de las personas categorizadas como “discapacitados”, para resaltar la capacidad de agencia de las mismas, y el uso de los recursos de los que disponen.

Como objetivos generales se busca aportar y contribuir al estudio sobre discapacidad de reciente aparición en América Latina, desde un estudio situado.

Como metodología principalmente se realizaron entrevistas abiertas a una mujer para  indagar y profundizar sobre su trayectoria de vida, comienzo de su condición de ceguera y su forma de relacionarse con el mundo.

Palabras clave: ceguera, percepción, discapacidad/capacidad, habitus.

 

 

O CORPO QUE ESCUTA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA SOCIAL DA SURDEZ

Daniele Lemos Moreira (PPGS/UFF) Bolsista Capes – PPGS/UFF

O trabalho apresentado se reflete como consequência de indagações colocadas a partir da pesquisa desenvolvida para o trabalho monográfico que buscou inicialmente compreender se a utilização de conceitos como identidade e cultura surda por parte dos indivíduos surdos poderiam constituir uma manipulação do estigma. Considerando o debate teórico sobre a existência ou não de uma cultura ou identidade surda, colocamos como questão central a investigação sobre como o surdo opera tais conceitos e a possibilidade do surdo utilizar na sua vida social o conceito de cultura e identidade surda diretamente relacionado com a aquisição e utilização da Língua de sinais como maneira de manipular/negociar o estigma. Para tanto, foram desenvolvidas entrevistas com indivíduos surdos a fim de investigar através de seu discurso, a relação entre a aquisição de uma Língua tida como própria (LIBRAS) e a defesa/embasamento ou justificação da existência de uma identidade ou cultura surda com o intuito de promover uma legitimação dos surdos não como portadores de uma deficiência, mas como socialmente e culturalmente diferentes.

Dessa forma, a proposta de investigação no mestrado que realizo atualmente é compreender /identificar as diferentes dimensões envolvidas na constituição do indivíduo surdo a partir da perspectiva que se pergunta pela experiência sensível. Se inicialmente a abordagem de compreensão estava vinculada ao pressuposto de manipulação de uma representação coletiva que oscilava entre os opostos de anormalidade e normalidade, agora pretende-se a partir da pesquisa etnográfica apreender como o indivíduo surdo se constitui e concebe o mundo. Existe um corpo que experimenta o mundo de modo particular. Quando este corpo não escuta como ele experimenta?

Palavras-chave: Surdez- Sentidos- Experiência-Corpo-Estigma.

 

Sessão 3

 

EL JUEGO DE SUPERFICIES ENTRE CUERPO Y LENGUAJE EN EL RECLAMO POR LA IDENTIDAD TRAVESTI

Andrea Pajón (CEA-UNC-Córdoba)

Desde el 2002, el colectivo travesti publica informes estadísticos sobre su situación en Argentina, mediciones demográficas que expresan la existencia de barreras concretas para el ejercicio del derecho: expulsiones del sistema educativo, laboral y de salud, abusos y represiones policiales y rechazo al reconocimiento legal de la identidad “trans”.

El reclamo por la identidad travesti involucra el acceso al derecho de ciudadanía en términos de reivindicación imperativa, pero a la respuesta la sustituye un emplazamiento particular que detiene la urgencia, al tiempo que se constituye en un breve mecanismo burocrático en el que superficies o apariencias entran en juego en torno a la dinámica misma de la reivindicación: aquello que se pide no existe en términos de parámetros representacionales, por lo tanto no podría otorgarse; lo que sí existe es un marco legal sostenido por principios y regulaciones que amparan el nombre propio y el género de la demandante pero no involucran al cuerpo; finalmente, la solicitud cobra materialidad con el acompañamiento argumentativo de un relato de sufrimientos y desigualdades a la manera de un castigo sin causal, aunque mediante la dinámica de la confesión.

Los distintos aspectos del reclamo dan lugar al análisis de la relación entre prácticas discursivas y operaciones de poder que toman como centro el problema de los cuerpos que transitan los silencios del lenguaje.

Al respecto y desde las herramientas conceptuales de Foucault, este trabajo se propone abordar la figura del reclamo, desde esa lengua que versa en el fin del lenguaje de los otros, desamordaza su miedo artificial, se abre al discurso de la crítica.

Palabras clave: Identidad-Travestismo- Dispositivos de la Sexualidad.

 

 

 

CORPO FEMININO, NORMALIDADE E BELEZA: NARRATIVAS IMAGÉTICAS SOBRE O CÂNCER DE MAMA

Waleska Aureliano (UERJ)Doutora em Antropologia Social, professora de Antropologia no Instituto de Ciências Sociais da UERJ.

A partir da análise de trabalhos fotográficos realizados por e com mulheres que passaram pelo câncer de mama, esta comunicação aborda as relações construídas entre imagem e discursos biomédicos e sociais, envolvendo os processos de normalização do corpo feminino. Alguns desses trabalhos possuem um caráter subversivo ao expor corpos considerados “anormais” ou “impactantes”, que fogem ao modelo do que é considerado um corpo “normal” de mulher. Ao mesmo tempo, certas representações do feminino e a ênfase na ideia de “beleza” ora são questionadas, ora reafirmadas ou acompanhadas de novas leituras sobre o belo e a diferença.  A revelação imagética desses corpos, com seus diagnósticos, próteses, tatuagens e cicatrizes, faz parte de um conjunto amplo de ações presentes no campo da fotografia e, mais recentemente, nas redes sociais, que pretendem produzir efeitos políticos, estéticos e terapêuticos sobre a experiência do câncer de mama ao articular gênero, saúde/doença e imagem.

Palavras-chaves: Câncer de Mama; Corpo Feminino; Fotografia; Beleza; Biomedicina.

 

A CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL NO PROCESSO DE CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES ENTRE ATLETAS DE ESPORTES ADAPTADOS

 

Luiz Rojo (Professor Adjunto Antropologia/ UFF)

A partir de três situações vivenciadas durante o processo de classificação funcional, através do qual os atletas de esportes adaptados são alocados em classes que buscam equilibrar as disputas esportivas a partir de suas potencialidades, irei discutir alguns aspectos que se relacionam com as definições de saúde e deficiência neste grupo. Desde meados de 2013 estou realizando trabalho de campo junto à Associação Niteroiense do Deficiente Físico (ANDEF/RJ) e acompanhando competições regionais e nacionais que envolvem estes atletas. Nestas, pude acompanhar a realização de algumas classificações, em particular na bocha e de atletismo, que possibilitaram a construção de questões que apontam para uma relativização da categoria “portador de deficiência” como possuidora de um estigma social (Goffman, 1993). Apontando para a contextualidade das construções identitárias, o trabalho de campo tem mostrado que esta atribuição pode ser ansiada por aqueles cuja alternativa seria estar situado em um permanente “between and betwixt” (Turner, 2005), ou seja, em uma situação na qual sua “deficiência”, embora suficientemente reconhecida para não ser visto como “normal” pela sociedade mais ampla, tampouco é considerada suficiente para classifica-lo dentro dos parâmetros esportivos do esporte adaptado. Ao mesmo tempo, este processo – na medida em que pode definir as possibilidades de sucesso esportivo– pode ser entendido como um momento no qual os classificadores – médicos e profissionais de Educação Física – são vistos como “obstáculos” na conquista da melhor classificação possível, enquanto os atletas e técnicos são pensados, por aqueles, como apresentando um permanente risco de tentar fraudar o processo, exagerando limitações motoras.

Palavras-chave: esporte adaptado; classificação funcional; saúde; estigma; portador de deficiência.

 

SUBJETIVIDADES DOCENTES EN TORNO A DISCURSOS DE NORMALIDAD Y DIFERENCIA EN EDUCACIÓN DE SORDOS: EL CASO DE UN LICEO CON PROYECTO DE INTEGRACIÓN ESCOLAR

 

Cristián Iturriaga Seguel (PUC/Chile) Psicólogo y Licenciado en Psicología, Magíster en Psicología Educacional, PUC/Chile.

Las personas sordas experimentan situaciones de exclusión en el ámbito educativo. Las políticas dirigidas a promover su inclusión han relevado a los docentes como actores clave en este proceso. Sin embargo, los discursos que sustentan estas prácticas suelen reproducir un reduccionismo que no inspecciona la complejidad que existe en la construcción contingente de las categorías de diferencia a partir de la noción de normalidad y deja sin interrogar los supuestos normativos tras los esfuerzos de inclusión.

Para atender a lo anterior es necesario problematizar los discursos de capacidad a partir de los cuales emana el concepto de discapacidad y también visibilizar cómo el Otro surge situadamente en el proceso de constitución de los docentes como sujetos. La presente investigación consiste, a partir de perspectivas postestructuralistas, en un estudio de caso desarrollado en un liceo con proyecto de integración escolar para sordos en Santiago de Chile. A través de entrevistas a profesores de aula regular y educadores diferenciales se realizó un análisis crítico de discurso en torno a sus procesos de subjetivación.

Los resultados revelan procesos de identificación y desidentificación con los valores institucionales sobre la integración que sustentan variadas posturas adoptadas por los docentes cuando realizan explicaciones sobre el desempeño escolar de los alumnos sordos. Considerando aquello, se comprende la utilidad de promover procesos de desubjetivación, ya que la toma de distancia frente a los imperativos normativos permite reflexionar y cuestionar las propias prácticas docentes para evitar la paradoja de “incluir” mediante prácticas normalizantes dentro de los espacios escolares.

Palabras clave: discapacidad – sordos – postestructuralismo – subjetivación – docentes.

 

A GENTE AQUI É DIFERENTE: NOTAS ETNOGRÁFICAS SOBRE DEFICIÊNCIA INTELECTUAL NUMA APAE DO INTERIOR DE SÃO PAULO-BR

Julian Simões (UNICAMP) Mestre em Antropologia Social e Doutorando em Ciências Sociais na UNICAMP.

Esta comunicação tem como objetivo retomar parte do material de minha pesquisa de mestrado – e que prossegue no doutorado – realizada numa Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (APAE) de uma cidade do interior do Estado de São Paulo durante o primeiro semestre de 2012. Para realização de tal proposta, busco, por um lado, compreender como é formulada a noção de “deficiência intelectual” advinda dos laudos psicológicos da APAE, a fim de reconhecer quais categorias operam e como elas ganham significado na instituição. Por outro lado, busco evidenciar como a “deficiência intelectual” é formulada em termos de “diferença” pelos alunos matriculados na Associação. Assim, o objetivo do texto é explicitar algumas disputas e dissonâncias existentes entre formas de categorizar a deficiência intelectual, bem como os espaços de fissura que emergem das experiências dos alunos da APAE. Mais do que do que desfazer dualismos entre incapacidade e capacidade, deficiência e não-deficiência ou anormalidade e normalidade, esses espaços de fissura são elementares para se pensar, como bem coloca Foucault, uma tecnologia política de gestão de vidas.

 

HARMONIA ENLOUQUECE: A MÚSICA COMO INSTRUMENTO TERAPÊUTICO

Bruna Fleury (PPGSA/UFRJ) Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Sociologia e Antropologia da UFRJ.

O objetivo desta reflexão é abordar a questão da produção de identidade através da terapia musical e entender como as atividades criativas podem comunicar sentidos e significados construídos nas interações sociais. Para tanto, parte-se de uma pesquisa etnográfica em andamento junto ao grupo musical “Harmonia Enlouquece”, formado no projeto “Convivendo com a Música”, o qual nasceu no Centro Psiquiátrico Rio de Janeiro, (CPRJ) em 2001. Esse tipo de tecnologia de cuidado busca abordar o tratamento não somente como controle do indivíduo, mas também como espaços alternativos de subjetividade e sociabilidade. Tal proposta vem em conformidade com o projeto de superar o modelo manicomial pela construção de um novo lugar para o sofrimento mental, para a diferença e para a diversidade. Trata-se aqui de descrever um modo de participação do indivíduo no processo terapêutico que não se dá só pelo uso de medicamentos, mas também por meio de uma “abordagem existencial total” direcionada ao sujeito e não a doença. A hipótese trabalhada neste artigo, sustentada a partir da etnografia entre pacientes e musicoterapeutas, afirma que o individuo não pode ser confundido com o ser biológico que integra uma espécie, pois o indivíduo biológico está imerso em uma rede de relações sociais, formada por diversas categorias sociais dispostas hierarquicamente num processo de contínua interação social. Nesse sentido, busca-se pensar como a produção de comportamentos desviantes e “anormais” se dá a partir de uma rede de relações sociais.

Palavras-chave: antropologia da saúde, musicoterapia, biomedicina, psiquiatria, ciência.

 

CORPO, SAÚDE E MORALIDADE: UMA ANÁLISE SOCIOCULTURAL DOS WEBLOGS PRO ANOREXIA E PRO BULIMIA

Nara Lima Mascarenhas Barbosa (UFRRJ) Graduada em Ciências Sociais pela UFV e Mestranda na UFRRJ.

O presente trabalho tem como objetivo fazer reflexões acerca das noções de: cultura, emoções, subjetividade, corpo, gênero, saúde e doença, a partir da análise de weblogs brasileiros identificados como pró-anorexia e pró-bulimia. Os weblogs pró-anorexia e pró- bulimia são diários virtuais que surgem como uma forma de contraposição ao discurso médico, uma vez que consideram a anorexia e bulimia como um estilo de vida, não como doenças. Tais blogs emergidos na rede podem ser considerados parte de um movimento ativo na defesa desses “estilos de vida” e ao mesmo tempo funcionam como meio de sociabilidade e de compartilhamento de informações e experiências entre pessoas que vivenciam a anorexia e bulimia. Assim sendo, buscando o cumprimento das reflexões propostas neste trabalho, foram analisados três blogs de considerável importância e acessibilidade na web, por meio de método qualitativo, com o emprego de técnica de análise de discurso. Percebe-se que a globalização de uma cultura lipofóbica traz transformações e consequências sobre os corpos. Na sociedade contemporânea o corpo magro é sinônimo de beleza. Já o corpo gordo, ao contrário, é sempre ligado ao feio, ao negativo. A obesidade, além de ser considerada prejudicial à saúde está simbolicamente ligada a ideia de preguiça. Em meio a esse contexto transtornos alimentares como a anorexia e a bulimia se apresentam como mecanismos reativos à obesidade. Conforme foi observado ao longo da análise dos blogs, a anorexia e a bulimia são encaradas pelas pessoas que às vivenciam como um meio para se alcançar o controle e a disciplina, que por sua vez levam à perfeição. Esta ideia de perfeição representa felicidade, a aceitação social e o reconhecimento. Sendo assim, o ideal de perfeição não se limita no corpo, mas compreende a uma dimensão subjetiva que remete à moral, à dignidade e ao auto-respeito.

Palavras-chave: Corpo- Saúde- Moral- Transtornos alimentares.