RESUMEN GRUPO DE TRBAJO 19

GT 19 ANTROPOLOGÍA DE LA ENSEÑANZA Y EL APRENDIZAJE

 

Coordinadores:

Amurabi Oliveira (UFSC); Maximiliano Rúa (UBA-FFyL) y María Mercedes Hirsch (UBA-FFyL)

Comentaristas: Marita Mena (UNR) y Lucia Caisso (UNC)

 

La enseñanza de la Antropología en el contexto universitario

 

LA ANTROPOLOGÍA SOCIAL EN LA FORMACIÓN DE TRABAJADORES SOCIALES. REFLEXIONES DESDE UNA EXPERIENCIA DE CÁTEDRA

 

Amilibia, Ivone R.; Colangelo, María Adelaida; Danel, Paula Mara; Rodríguez, Pablo César; Tello, Claudia B. (UNLP)

 

Se presentan algunas reflexiones acerca de la enseñanza de la Antropología como parte de la formación de trabajadores sociales en la Universidad Nacional de La Plata. Éstas surgen de la experiencia de más de quince años de dictado de la materia Antropología Social II en la Licenciatura en Trabajo Social de la UNLP. Se exponen y analizan algunas de las prácticas educativas implementadas en diferentes instancias de la enseñanza de la materia, orientadas a la construcción de conocimiento crítico y enmarcadas en el desafío de contribuir a la formación de profesionales que tendrán en la intervención social el eje de su quehacer. Ello ha implicado el debate del equipo de cátedra tomando la propia práctica docente como objeto de análisis, formulándose varios interrogantes, entre ellos: ¿cuáles son los aportes teóricos y metodológicos de la antropología a la formación del trabajador social? ¿Cómo enseñar antropología para que esos aportes sean visualizados e incorporados por los/as estudiantes? ¿Qué seleccionar de la disciplina para su enseñanza? ¿Cómo evaluar el proceso de construcción de conocimiento transitado? ¿Cómo abordar la diversidad del aula? ¿Cómo articular con las otras materias  de la curricula?  Se coincide en que el foco de los aportes de la materia no está puesto tanto en la enseñanza de corrientes de pensamiento o de tópicos de la antropología social, como en la aprehensión de una perspectiva teórico-metodológica orientada a la reflexión sobre la “alteridad” -condición ineludible de nuestra práctica docente en el aula- y a la desnaturalización de los fenómenos sociales.

Palabras claves: antropología social, enseñanza, formación de trabajadores/as sociales

 

 

EL ROL DEL TUTOR EN LA FORMACIÓN DOCENTE EN CIENCIAS  ANTROPOLÓGICAS

Prof. Verónica Isabel Messina (FFyL, UBA)

Prof. Verónica Lía Zallocchi (FFyL, UBA)

 

La presente ponencia intentará reflexionar  en torno  a los ejes problemáticos propuestos por GT 19, centrándonos en el eje que hace referencia al “análisis y la reflexión de las prácticas que desplegamos al asumir el desafío de enseñar nuestra propia disciplina”. Estas reflexiones estarán enmarcadas desde múltiples escenarios, por un lado desde nuestra práctica docente cotidiana en la escuela secundaria y en el ámbito universitario, por otro lado, desde las prácticas de investigación que estamos llevando a cabo, en el marco de estudios de postgrado, y por último, desde lo ya trabajado en artículos/ponencias anteriores (Messina, Puente y Zallocchi: 2012,2014) donde intentamos problematizar el lugar que ocupa la formación docente dentro de la formación disciplinar, como también los aportes metodológicos y teóricos de la antropología para la enseñanza de la Ciencias Sociales.  En el marco de la materia del profesorado de Ciencias Antropológicas, Didáctica Especial de la Antropología y Prácticas de la Enseñanza (FFyL, UBA), retomaremos algunas reflexiones en torno al rol del tutor en el momento de las prácticas docentes, intentando explicitar y desnaturalizar nuestras prácticas inmersas en el espacio de las tutorías, explicitando supuestos a partir de la experiencia y repensando este concepto desde el aporte de otras disciplinas y experiencias formativas. Estos desafíos y habilidades que entran en juego en la formación docente actual nos interpelan en tanto nos invita a reflexionar en relación a nuevos conocimientos sobre comunicación, destrezas metodológicas para tratar con distintos colectivos y situaciones, una actitud abierta al cambio y a la empatía.

Palabras claves: Formación docente- Antropología- rol del tutor- prácticas docentes.

 

 

 “MÁS ALLÁ DE CUATRO PAREDES Y UN PIZARRÓN”: LA IMPORTANCIA DE LA CONSTRUCCIÓN DE UN EJE PARA LAS PRÁCTICAS DE LA ENSEÑANZA

María Mercedes Hirsch  (PAE-ICA-FFyL-UBA)

 

Este trabajo pretende reflexionar sobre los aportes que produce, a las prácticas de enseñanza, la explicitación de una problemática en tanto eje de una programación que articula las planificaciones de clase. Para realizar dicha reflexión, recupero el enfoque producido en la cátedra Didáctica Especial y Prácticas de la Enseñanza en Antropología (FFyL, UBA) para abordar procesos de construcción de conocimiento y parte del trabajo de campo realizado para mi tesis doctoral “Construyendo futuro en contextos de desigualdad social: Una etnografía en torno a las elecciones de los jóvenes en la finalización de la escuela secundaria”. Desde este marco, la construcción de dicho eje de trabajo, permite incorporar a la construcción de conocimiento escolar dimensiones que trascienden, a la vez que construyen, la escuela en la que se despliegan las prácticas de enseñanza. En este sentido,  la construcción del eje de trabajo pretende integrar tres niveles centrales a la hora de construir una planificación: la contextualización de la práctica, la apropiación de un marco teórico y el posicionamiento político e ideológico del docente. ¿Qué queremos enseñar?, ¿a quiénes? y ¿para qué?, se convertirán en las preguntas que nos permitirán poner en tensión que los procesos de enseñanza que planificamos van más de allá de cuatro paredes y un pizarrón.

Palabras claves: construcción de conocimiento - problematización – programación/planificación – práctica docente.

 

 

 

 

 “TIENE QUE TENER UN ABORDAJE ANTROPOLÓGICO” O CÓMO UN ANTROPÓLOGO CONSTRUYE UN PROGRAMA DE UNA MATERIA QUE NO ES ANTROPOLOGÍA

Javier García (UBA)  Maximiliano Rúa (UBA)

 

En nivel de la enseñanza secundaria en la Ciudad de Bs. As. son muy escasas las escuelas en donde se puede dictar la materia “Antropología”, sólo se trata de dos “Normales” que la tienen en la orientación en Turismo. No obstante, tanto en otras ofertas de éste nivel como del Área del Adulto y del Adolescente, el título de profesor en esta disciplina otorgado por la FFyL-UBA está habilitado para el dictado de diversas asignaturas. Asumiendo esta situación, desde la cátedra “Didáctica Especial y Prácticas de la Enseñanza de la Antropología” les proponemos a los estudiantes que, más allá de la materia que les toque llevar adelante sus prácticas docentes, ya sea que los temas sean seleccionados por ellos o solicitados por los docentes a cargo, deben realizar un “abordaje antropológico”. Pero ¿qué queremos decir con esto? En esta ponencia respondemos este interrogante a partir de poner el foco en la vinculación de dos cuestiones que consideramos centrales. Primero, aquello que denominamos “contextualización” haciendo referencia, a cómo pueden ser abordas y descriptas las características de la institución, su historia, el barrio donde se encuentra o las prácticas y sentidos construidos por los sujetos en la cotidianeidad. Posteriormente, y en articulación con esta contextualización, consideramos necesario problematizar lo que implica la construcción de conocimiento desde un “abordaje antropológico”. En este sentido, la elaboración de una propuesta tiene que contener una “fundamentación” que explicite su posicionamiento teórico, epistemológico y político dando anclaje a los contenidos a trabajar desde un “abordaje antropológico”.

Palabras claves: Didáctica de la Antropología - Abordaje antropológico – Contextualización – Fundamentación.

 

 

ENSEÑAR EN ANTROPOLOGÍA: ¿PARA QUIÉN PLANIFICAMOS? REFLEXIONES EN TORNO A LA CONTEXTUALIZACIÓN Y A LA PRODUCCIÓN DE CONOCIMIENTO EN EL AULA

 

María Laura Fabrizio (FFyL-UBA)

Soledad Gallardo (FFyL-UBA)

 

En este trabajo nos proponemos reflexionar sobre una cuestión que consideramos central en el desarrollo del quehacer docente y se encuentra ligada a nuestra formación disciplinar: la contextualización y su lugar en la construcción de conocimiento en la enseñanza de la antropología. Desde nuestra experiencia como docentes en la cátedra Didáctica Especial y Prácticas de la Enseñanza en Antropología (FFyL, UBA)entendemos a la contextualización como un elemento de la “estructura didáctica” que requiere especial atención y problematización a la hora de pensar una planificación de clase, unidad o materia. En el sentido que, su elaboración, implica un acercamiento al contexto formativo en el que se trabajará y del cual se pretende documentar las relaciones entre sujetos y saberes para conocer, en su complejidad, las formas que asumen en ese espacio particularlos procesos de producción de conocimiento. Asimismo, la incorporación de la contextualización como parte de la estructura didáctica presenta desafíos que “hablan” del enfoque teórico-metodológico que adoptamos para enseñar (e investigar) en antropología: el enfoque socio-antropológico. Uno de los principales desafíos es sortear epistémicamente la dificultad que trae la asociación de contextualización a “diagnóstico” –ligado al campo educativo– para luego desde allí lograr descripciones que habiliten reconocer la singularidad de las experiencias privilegiando el lugar de la agencia en la producción del conocimiento áulico y en relación con contextos históricos más generales. Es decir, formas de enseñanza que, específicamente situadas, buscan  alejarse de modelos tipificantes recuperando las voces y prácticas de los sujetos destinatarios.

Palabras claves: prácticas de la enseñanza – contextualización – enfoque socio antropológico – procesos de producción del conocimiento.

 

 

APORTES DE LA ANTROPOLOGÍA PARA PENSAR SU ENSEÑANZA

 

Laura Cerletti (UBA y CONICET)

 Maximiliano Rúa (UBA)

 

Los espacios formativos en los cuales se enseña Antropología actualmente son múltiples. También son sumamente variados los ámbitos en que los antropólogos (así como profesionales de otras disciplinas) se dedican a la enseñanza de los propios conocimientos disciplinares. Sin embargo, la reflexión antropológica sobre las implicancias de ese trabajo de enseñanza, así como sobre las bases conceptuales, epistemológicas y políticas del mismo, no tienen aún un grado de desarrollo acorde a esa extensión. Por tanto, las herramientas más frecuentes desde las cuales se analizan las prácticas de enseñanza suelen provenir de otros campos disciplinares, tales como la Didáctica, que si bien realizan su aporte específico, se distinguen por su orientación hacia preguntas centradas en las formas correctas o más apropiadas de proceder. Por contrapartida, en este trabajo recuperamos un enfoque de la Antropología que produce conocimientos prescindiendo de preguntas orientadas por una respuesta valorativa para reflexionar sobre las prácticas. Nos centraremos en nuestras experiencias como investigadores en el campo de Antropología y Educación, y en nuestro trabajo como docentes de una materia específicamente orientada a la enseñanza de la Antropología. Plantearemos como hipótesis central que desde el propio enfoque disciplinar no sólo se puede ahondar en el análisis de las prácticas de enseñanza, sino que se pueden construir herramientas que coadyuven a los procesos de producción y transmisión de conocimientos en los ámbitos educativos.

Palabras clave: Antropología – enseñanza – prácticas – conocimientos.

 

 

La enseñanza de la Antropología en el contexto universitario 2

 

 

ESCREVER AQUI, MAS ESTAR LÁ: EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA, ENSINO-APRENDIZAGEM E ANTROPOLOGIA

Marcelo Araujo (Doutor em Antropologia, Universidade Federal Fluminense, Brasil).

 

Recorrendo de forma livremente adaptada ao título de um texto hoje canônico de Clifford Geertz, esta comunicação se propõe a discutir, como um dos usos do ensino da Antropologia, aspectos da formação de professores da rede estadual do Rio de Janeiro por intermédio de um Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). A EaD (Educação a Distância) é inegavelmente uma proposta de ensino-aprendizagem com progressão exponencial. Tem-se hoje, em diversas universidades, parte significativa de muitos cursos nesta modalidade de construção de conhecimento, havendo, inclusive, alguns completamente ministrados assim. Ancorado nos cursos ofertados pelo autor em uma instituição de EaD em nível de extensão universitária que engloba as IFES públicas, esta forma de conectividade impõe um formato de interação, termo tão caro à Antropologia, não presencial, instilando a criação de modos exemplares de mediação que destacam e possibilitam a autonomia do professor cursista, aliada aos seus saberes acumulados, como base da troca pedagógica. Objetivo demonstrar que os ganhos obtidos nesta modalidade de ensino alargam a própria disciplina antropológica, uma vez que, contrastando com os cursos presenciais em que os estudantes buscam-na a partir de um cálculo de formação e de futura atuação profissional, aqui o desconhecimento é o ponto de partida para muitos que, sendo de lugares plurais, desejam aproximar-se desta curiosa e intrigante área do saber.

Palavras-chaves: Educação a Distância; Antropologia; Conectividade e troca pedagógica.

 

 

A PRODUÇÃO DOS DOIS LADOS DOS DIÁRIOS DE CAMPO E A CONSULTA A CÓDIGOS DE ÉTICA E LAUDOS ANTROPOLÓGICOS NO ENSINO DE ANTROPOLOGIA: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DE PRÁTICAS DE ESTÁGIO-DOCÊNCIA

 

Anahi Guedes de Mello, (PPGAS/UFSC – NIGS)

Jefferson Virgílio, (PPGAS/UFSC -NIGS)

Miriam Pillar Grossi (PPGAS/UFSC – NIGS)

 

O uso de diários de campo e de laudos antropológicos é uma particularidade da pesquisa de campo de cunho etnográfico. No entanto, a produção escrita e/ou acesso a esses instrumentos de pesquisa como ferramentas metodológicas de aprendizagem do fazer antropológico não são práticas ofertadas pela maioria das disciplinas ministradas em cursos de graduação em Antropologia e Ciências Sociais nas universidades brasileiras. Diante dessa lacuna, como parte do programa de estágio-docência no Programa de Pós-graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de Santa Catarina, ofertamos para os/as alunos/as da graduação em Antropologia da UFSC a disciplina optativa “Tópicos Especiais em Antropologia VIII: Trabalho de Campo, Engajamento, Ética e Subjetividade”, ministrada durante o segundo semestre de 2014. Desse modo, este trabalho remete a reflexões produzidas por nós após a realização deste estágio-docência. A proposta pretende analisar e refletir sobre a produção de específica tipologia de diários de campo para uso dos discentes em atividades de pesquisa etnográfica. É sugerida, ainda, a consulta a materiais de origem distinta à academia como parte do processo de formação antropológica, com destaque para os códigos de ética de associações nacionais de Antropologia e os laudos antropológicos produzidos por peritos/as antropólogos/as do Ministério Público Federal de Santa Catarina (MPF/SC), a fim de destacar a aplicação antropológica além dos muros da academia. Finalmente, busca-se incentivar problematizações acerca da naturalização da prática docente, ao contrastar a situação específica identificada no fato de uma das estagiárias-docente ser surda, havendo a necessidade de adaptações didáticas diárias para contornar eventuais barreiras comunicacionais.

Palavras-chave: Diários de campo; Códigos de ética; Laudos antropológicos; Ensino de Antropologia.

 

 

QUATRO ANOS DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ANTROPOLOGIA DA UFF: UM BALANÇO

Ana Claudia Cruz Da Silva (UFF)

 

Coordenando o curso de graduação em Antropologia da Universidade Federal Fluminense – Niterói – Rio de Janeiro – Brasil há quatro anos, desde sua criação, proponho nesta comunicação realizar um balanço da gestão apresentando o projeto pedagógico do curso e as experiências surgidas de sua aplicação, assim como as demandas trazidas pela prática. O curso de graduação em Antropologia da UFF é o primeiro do Estado do Rio de Janeiro, um dos poucos existentes no Brasil e é inovador em sua grade curricular e em suas propostas pedagógicas, tendo como consequência desafios administrativos e pedagógicos e tornando urgente reflexões e propostas de diretrizes sobre o ensino de antropologia no Brasil e sobre a profissão de antropólogo/a. O debate promovido no âmbito da RAM entre instituições brasileiras e as de outros países que oferecem o ensino de antropologia há muito mais tempo, e em diversos níveis, contribuirá para o enfrentamento de tais desafios e para o aprimoramento do curso de graduação em Antropologia na UFF.

Palavras-chave: Ensino de Antropologia, Antropologia e Educação, Profissionalização da Antropologia.

 

 

O DESAFIO DE ENSINAR CIÊNCIAS SOCIAIS EM NOVOS CONTEXTOS DE ACESSO À UNIVERSIDADE

Eduardo Jordão de Araujo. Universidade Estácio de Sá - Curso de Direito - Núcleo de Pesquisa

 

A sociedade brasileira vive transformações na educação, mormente no nível universitário. Construiu-se uma consciência sobre a qualidade do ensino e o direito à educação para indivíduos das classes sociais historicamente desassistidas pelo Estado. Vemos neste cenário variáveis relativas ao ensino privado, entre outras: políticas públicas de acesso às universidades privadas; interesse destas no processo de generalização da educação superior; reconfiguração do seu perfil de alunos; introdução no 1º período dos cursos de disciplinas cuja natureza reflexiva apresentam dificuldade de aprendizagem, como a de Fundamentos em Ciências Sociais, que engloba Antropologia, Sociologia e Ciência Política; inovações no método de ensino para superação dessas dificuldades e ampliação das chances dos novos alunos prosseguirem no curso. A pesquisa, cujos resultados desejamos apresentar, está em andamento e pretende compreender os processos educativos praticados sob a égide destas variáveis e suas repercussões para a o ensino da disciplina e das universidades de modo geral, tomando o caso da Universidade Estácio de Sá, nela o curso de Direito e neste focando na metodologia de estudo de caso, particularmente na web-aula. A metodologia cobre o processo nos 5  últimos anos da prática da disciplina e são considerados elementos contextuais, como o perfil social dos alunos em maioria pessoas que trabalham e/ou estiveram afastadas da escola, em contraposição aos elementos metodológicos e didáticos. Entre os procedimentos metodológicos, incluímos uma etnografia do ensino da disciplina, através do registro sistemático de cada aula realizada e dos modos de apropriação dos alunos.

 

 

GILBERTO FREYRE E O ENSINO DE ANTROPOLOGIA NO BRASIL

 

Amurabi Oliveira. UFPE/UFSC

 

O antropólogo e sociólogo Gilberto Freyre (1900-1987) é reconhecido como um dos mais relevantes pensadores sociais do Brasil, cujo legado intelectual é marcado por inúmeras polêmicas e controvérsias, principalmente no que diz respeito à análise das relações raciais no Brasil, com destaque para as ideias expressas em sua obra mais conhecida Casa-Grande & Senzala, publicada em 1933. Menos conhecidas são suas passagens como professor, o que se deve ao fato de terem sido breves e pontuais. Neste trabalho procuarei realizar uma análise das suas aulas de Antrpologia Cultural, lecionadas entre 1935 e 1936 no curso de Ciências Sociais na Universidade do Distrito Federal, localizada no antigo Estado da Guanabara, atual Rio de Janeiro. Os três cursos que ele ofertou nessa instituição foram taquigrafados, e este material posteriormente corrigido pelo próprio Freyre, estando boa parte disponível para consulta na Fundação Gilberto Freyre. A partir desse material, buscarei analisar o desenho dessa primeira experiência no Brasil de ensino de Antropologia Cultural no nível universitário, destacando as leituras indicadas, as temáticas e os recursos acionados para o ensino dessa ciência na década 1930, período de institucionalização das Ciências Sociais no Ensino Superior no Brasil, o que será feito de maneira articulada com outros escritos do autor.

Palavras Chaves: Ensino de Antropologia; Gilberto Freyre; Pensamento Social Brasileiro; Institucionalização das Ciências Sociais.

 

 

La enseñanza de la Antropología en el contexto universitario 3

 

 

PENSAMIENTO SOCIAL Y CULTURA ACADÉMICA. ESTUDIANTES DE ETNOLOGÍA EN MÉXICO

José Luis Ramos R. Escuela Nacional de Antropología e Historia – México

 

En la ponencia expondré algunos resultados del estudio acerca de lo que piensan los estudiantes de la carrera de Etnología (ENAH) en México, sobre su experiencia formativa como futuros antropólogos. Pensamiento social que forma parte de la cultura académica, que permite apreciar las ideas y valores que orientan su formación profesional. Para ello combino la orientación estructuralista de la teoría de las representaciones sociales con la concepción estructural de cultura, para acercarme al pensamiento cultural de los alumnos sobre la carrera. La ventaja de utilizar el enfoque estructuralista es que posibilita distinguir las ideas superficiales y profundas que tienen los estudiantes, logrando apreciar su concepción acerca de aspectos centrales de su carrera como el trabajo de campo y la tesis, que ofrecen más un sentido técnico (práctico) y afectivo, que científico (producción de nuevo conocimiento). Para obtener la información diseñé un cuestionario mixto, con preguntas abiertas y de asociación. Datos que fueron tratados a través del análisis de similitud, para reconocer la forma estructural de sus representaciones sociales. Además, realicé un análisis del carácter cultural del contenido, aspecto que está ausente en los estudios sobre representaciones sociales.

Palabras clave: Pensamiento social, representaciones sociales, subsistema nuclear, subsistema periférico y formación de etnólogos.

 

 

TRÂNSITOS PELA CIDADE DURANTE A PRODUÇÃO DE EXERCÍCIOS ETNOGRÁFICOS

Rodrigo Rosistolato (PPGE/UFRJ/BRASIL)

 Ana Pires do Prado (UFRJ/BRASIL)

 

O objetivo do trabalho é descrever e analisar os trânsitos experimentados por estudantes que realizam exercícios etnográficos como parte constitutiva da formação básica em antropologia. Os exercícios são aplicados nos cursos de graduação e pós-graduação em educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. São três exercícios. No primeiro, a proposta é que os estudantes descrevam um espaço que, inicialmente, considerem exótico. Após as análises do primeiro exercício, eles seguem para uma descrição de um ambiente familiar. O terceiro exercício depende de um investimento mais amplo no campo. Todos os estudantes escolhem um tema, definem objetivos, questões e contextos de pesquisa e iniciam seus processos de observação. Todos os exercícios dependem de trânsitos diversos pela cidade do Rio de Janeiro. Nesses trajetos, os estudantes ressignificam espaços familiares e conhecem contextos até estão somente imaginados no plano das pré-noções e dos juízos de valor. Nosso principal argumento é que esses trânsitos contribuem para a construção do olhar antropológico dos estudantes e seus resultados extrapolam os objetivos estritamente acadêmicos. Os exercícios também ampliam as visões de mundo dos estudantes e suas apropriações relacionadas aos espaços da cidade. As narrativas produzidas ao final dos cursos indicam a surpresa experimentada pelos estudantes ao descobrirem “novos” espaços na cidade e perceberem que até então esses mesmos espaços eram familiares, mas completamente desconhecidos.

Palavras-chave: etnografia, formação de educadores, ensino de antropologia, cidade.

 

 

CONSIDERAÇÕES SOBRE O USO DAS CATEGORIAS DIVERSIDADE  E  DESIGUALDADE NO ENSINO DE ANTROPOLOGIA

Andréa Bayerl Mongim

 

Neste estudo assumo como proposta analisar a construção das categorias desigualdade e diversidade presentes nos documentos oficiais que orientam o trabalho docente na área de Antropologia, no ensino médio, em escolas brasileiras. Para efeito deste texto foram analisados os Parâmetros Curriculares Nacionais, bem como o Currículo Básico da Secretaria de Educação do Estado do Espírito Santo. Entre outras questões, observa-se que, em tais documentos, a categoria diversidade cultural apresenta-se como sinônimo de pluralidade, havendo uma tendência a se discutir desigualdade com a noção de diversidade. Está ausente a percepção da diversidade como experiência que se constitui na alteridade, ou seja, na troca recíproca e permanente de enfretamento, tensão e complementariedade. Por esta via, secundariza-se a noção de interculturalidade, bem como de equidade.

Palavras-chave: Ensino de Antropologia. Ensino Médio. Desigualdade. Diversidade cultural.

 

 

SOBRE A DIFÍCIL TAREFA DE COMPOR UM ENSINO EM COMUM: REVISITANDO AS FRONTEIRAS ENTRE NATUREZA E CULTURA NA FORMAÇÃO DE “NÃO ANTROPÓLOGOS”

 

Eliane Sebeika Rapchan (Universidade Estadual de Maringá, Brasil)

Fagner Carniel (Universidade Estadual de Maringá, Brasil)

 

Todos os anos as licenciaturas de Ciências Sociais habilitam centenas antropólogos e antropólogas para atuarem enquanto docentes na Educação Básica brasileira. Trata-se, sem dúvida, de um lugar epistemológico, pedagógico e profissional historicamente ocupado pela Antropologia “no interior” do campo discursivo da Sociologia escolar do país. Naquele contexto, isso significa que os conteúdos antropológicos, seus modos específicos de produção do conhecimento científico e suas tradições intelectuais, estão sendo construídos em relação aos princípios e objetivos “comuns” que as Ciências Sociais, em particular, e as Ciências Humanas, de modo geral, conquistaram junto aos atuais currículos e documentos oficiais que organizam os sistemas de ensino. Diante desse cenário, não chega a ser surpreendente o “desconforto” ou o estranhamento expresso por inúmeros professores e professoras formadas na área de Antropologia com o exercício do magistério. Afinal, até que ponto a prática de ensino do conhecimento antropológico poderia conviver e convergir com os pressupostos postulados por outras práticas de produção do conhecimento sem gerar tensões, conflitos e contradições nos processos educativos? Desse modo, a pergunta sobre os significados da Antropologia escolar parece se confundir com as próprias dificuldades (curriculares) que a disciplina encontra em participar da construção de uma agenda comum na educação pública brasileira. Desejando contribuir com tal debate, a presente comunicação propõe revisitar as fronteiras entre natureza e cultura criadas pelas atuais regulamentações estatais da educação básica e problematizar o código binário que as subjaz. Para tanto, pretende-se evidenciar algumas das maneiras pelas quais os domínios opostos e hierarquizados das biociências e das humanidades estão sendo cotidianamente produzidos nas salas de aula por meio de sistemas de classificação que percorrem orientações, materiais didáticos, estratégias de ensino, atividades de verificação da aprendizagem e a própria exposição dos conteúdos. A ideia é explorar estes caminhos que enquadram a reflexão antropológica em sistemas pedagógicos previamente estabelecidos para compreender seus efeitos mais diretos sobre a formação de “não antropólogos”. Os resultados desta problematização podem contribuir não apenas com o estudo dos currículos da educação escolar, mas com a própria construção de uma Antropologia do ensino e da aprendizagem que transgrida os rígidos limites fixados ao conhecimento pela pedagogia moderna.

Palavras-chave: Antropologia do Ensino e da Aprendizagem; Educação Básica; Ensino de Sociologia; Ensino de Biologia; Humanidade e Animalidade.

 

 

EXPERIÊNCIAS DOCENTES COMO APRENDIZAGEM: ENSINANDO E APRENDENDO ANTROPOLOGIA NOS DIFERENTES NÍVEIS DE ENSINO

 

Beatriz Gesteira (UFRJ)

Larissa Quillinan (UFRJ)

 

O presente trabalho tem como objetivo analisar as dificuldades, bem como as metodologias de ensino de antropologia, a partir da breve descrição de nossas experiências em sala da aula (pensando a liminaridade aluno-docente, a diferença entre os níveis de ensino e as diferenças entre as redes Estadual, Federal e particular no Rio de Janeiro). Pretende-se compartilhar, contribuir e encontrar novos caminhos para o ensino de antropologia. Durante nossa formação de professor e cientista social, iniciada em 2009, atuamos tanto como estagiárias, quanto como docentes: no primeiro ciclo do Ensino Fundamental (crianças de 6 a 10 anos), no Ensino Médio, no Ensino superior. Tendo em vista que temos experiências diversificadas compreendemos que podemos abordar a questão do ensino de antropologia de vários ângulos. Também pretendemos distinguir as dificuldades e as metodologias de ensino em cada nível de ensino em que atuamos durante esses anos. Abordaremos a diferença da prática em sala de aula na rede Estadual, na rede Federal e na rede particular de ensino. Entendemos que por sermos professoras e antropólogas nossa vivência na sala de aula é diversificada, comparada a professores de outra formação. Assim compreendemos que por meio da comparação das nossas diversas experiências poderemos contribuir para as diferentes práticas de ensino de antropologia.

Palavras-chave: Experiência docente, Ensino de Sociologia, Ensino de Antropologia, Ensino-aprendizagem, e Formação de professores.

 

 

A ANTROPOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA: UMA ANÁLISE DOS LIVROS DIDÁTICOS

Bárbara de Souza Fontes (UFRJ)

 

O ensino da Antropologia na Educação Básica está ligado à disciplina Sociologia que, desde 2011, está efetivamente inserida no ensino médio de toda a rede de ensino brasileira e, apesar da nomenclatura, todas as diretrizes curriculares específicas indicam que seus conteúdos devem contemplar também a Antropologia e a Ciência Política (cf. PCNEM+ e OCNEM). Pela primeira vez, em 2012, a disciplina fez parte do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) que distribui livros didáticos para estudantes de escolas públicas no país. Essa expansão que o campo das Ciências Sociais está vivendo desde a implementação da Lei 11.684/08 é marcada por um ‘silêncio’ de pesquisas em relação à Antropologia, afinal, “que Antropologia é essa ensinada nas escolas?”. Com isso, o objetivo dessa proposta é contribuir para esse campo problemático realizando uma reflexão sobre o ensino de antropologia para não antropólogos, especificamente no caso do ensino básico. Publicações da Associação Brasileira de Antropologia (2004, 2006, 2010) evidenciam que ainda não há uma preocupação do campo em relação à qual apropriação da disciplina está sendo feita no nível básico da educação.  Esta comunicação propõe uma reflexão sobre o ensino de Antropologia na Educação Básica no Brasil a partir da abordagem que três livros didáticos de Sociologia aprovados no processo do PNLD 2015 fazem dessa área do conhecimento. Algumas questões norteiam a reflexão, tais como: Que categorias antropológicas são mais utilizadas para a compreensão da sociedade? Quais são os principais autores, temas e conceitos mobilizados?

Palavras-chave: Antropologia; livros didáticos, disciplina Sociologia, Educação Básica.

 

 

La enseñanza de la Antropología en contextos escolares

 

 

HISTORIA, PATRIMONIO Y EDUCACIÓN: EL MUSEO COMO RECURSO DIDÁCTICO EN LA ESCUELA SECUNDARIA

Hernán Perriere (UNS - UBA)

 

El uso escolar de los museos es un tema de permanente debate. Hay una tensión que recorre la relación entre los museos y las escuelas. Por un lado, son pocas las escuelas secundarias que visitan los museos, pero a su vez es el público escolar, en general, el que asiste con más frecuencia. Este trabajo describe dos experiencias educativas en la que los museos son utilizados como recurso didáctico en la escuela secundaria. Se analiza el tratamiento de la historia regional, su vinculación con el patrimonio y la organización de las visitas desde la perspectiva escolar. Presenta dos formas de abordaje de las visitas a dos museos históricos del partido de Bahía Blanca desde un enfoque etnográfico. Una de ellas es la visita al Museo y Archivo Histórico de Bahía Blanca, realizada por estudiantes de 1° año y la profesora de Ciencias Sociales de la escuela Ciclo Básico de la Universidad Nacional del Sur. La otra, la visita de estudiantes de 5° año de la Escuela Secundaria Superior N° 2 al Museo Fortín Cuatreros que realizaron con la profesora de Geografía. Teniendo en cuenta las características de las escuelas, los marcos legislativos educativos y los diseños curriculares; se analizan dos formas de abordaje de las visitas. Éstas incluyen el tratamiento de temáticas, objetivos, perspectivas y actividades diferentes. También, las propuestas museísticas, los modelos y contenidos de las visitas y la planificación de los docentes presentan dos  miradas diferentes de aproximación al tema.

Palabras claves: Escuela, museos, patrimonio, historia, docentes.

 

 

EL CONFLICTO PARA LA CONSTRUCCIÓN COLECTIVA DEL CONOCIMIENTO

Julieta Belén Barreira Casado y Ana Laura Tomatti (Facultad de Filosofía y Letras (UBA)

 

En este artículo nos planteamos contribuir al debate acerca de la construcción colectiva de conocimiento en la escuela media. En particular, nos interesa abordar la forma en que los diversos saberes y experiencias se articulan en el entramado de relaciones entre estudiantes y docentes, para así reflexionar sobre nuestra propia práctica como antropólogas y docentes. Esta inquietud surge de la experiencia de campo conformada por observaciones y prácticas docentes realizadas durante los meses de septiembre y octubre de 2014 en el Instituto Lomas situado en Temperley, Provincia de Buenos Aires, en el marco de la materia de grado Didáctica Especial y Prácticas de la Enseñanza de la Antropología. A partir de estas, suponemos de gran valor el acercamiento de les estudiantes a los contenidos desde el conflicto - concepto que tomamos de Víctor Turner- ya que por medio de este se develan aspectos fundamentales de la sociedad que en la vida cotidiana aparecen cubiertos por los hábitos y costumbres. Nos interesa la relación dialéctica entre estructura y antiestructura para reconocer los procesos por los cuales se reproduce lo dado y al mismo tiempo se gestan procesos alternativos. Teniendo como premisa que el proceso de enseñanza- aprendizaje, los saberes y saberes-hacer de les estudiantes no limitan su origen y desarrollo a los límites institucionales de la escuela, sino que se gestan y encarnan en diversos ámbitos de la vida cotidiana en la interacción con sujetos. Propondremos que la construcción del conocimiento desde el conflicto no sólo permite enriquecer el proceso enseñanza-aprendizaje sino que es central para una aprehensión de la mirada antropológica. Finalmente, analizaremos como procedimos el abordaje del tema violencia de género desde esta perspectiva.

Palabras clave: construcción del conocimiento, conflicto, género, enseñanza, aprendizaje.

 

 

CURSITAS E PROFESSORAS/ES: OS DESAFIOS DA FORMAÇÃO EM GÊNERO E DIVERSIDADE NA ESCOLAS

Marie-Anne Stival Pereira e Leal Lozano (UFSC)/Pedro Rosas Magrini (UFSC)

Nascido como um projeto piloto de um curso de ensino à distância para a formação de professoras/es, sobretudo de escolas públicas, o curso Gênero e Diversidade na Escola (GDE) é uma política pública educacional que desde 2010 tem sido organizado pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI),  junto à Universidades Federais em todo o país. Na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), o curso é organizado por docentes de diversas áreas do conhecimento, principalmente àquelas/es vinculadas/os ao Instituto de Estudos de Gênero (IEG) da mesma Universidade. Em sua terceira edição (foram realizadas duas edições do curso em caráter de extensão nos anos de 2009 e 2013) o curso teve seu início em 2015 e foi implementado em formato de especialização. A partir da experiência nas três edições, sobretudo na vivência de aulas presencias e no cotidiano do Ambiente Virtual de Ensino e Aprendizagem (AVEA), faremos uma reflexão sobre os variados desafios na formação de gênero e diversidade na escola, procurando antecipar algumas das percepções frente as dificuldades de cursistas, que também são professoras/es, no decorrer do primeiros semestre de 2015. Desafios estes que perpassam questões como: dificuldades no manuseio do computador e da internet; dificuldades em acompanhar o dia a dia do curso e as extenuantes cargas horárias em sala de aula enquanto docentes; compreensão de temáticas ainda consideradas tabus na sociedade, como, por exemplo, aborto, homossexualidades, transexualidades, feminismos, entre outras questões. A partir dessas questões, pretendemos revelar algumas das estratégicas pedagógicas adotadas pela coordenação, professores/es e turoras/es do curso na busca da promoção da permanência das/os cursistas na empreitada de se especializar em gênero e diversidade na escola.

Palavras-chave: Gênero, Diversidade, Escola, Estudos de gênero, Feminismos.

 

ENTRE VERSOS E PROSAS - A MÚSICA COMO FACILITADOR METODOLÓGICO PARA O DEBATE ENTRE GÊNERO E EDUCAÇÃO NAS OFICINAS DO PROJETO PAPO-SÉRIO

Emília Haline DUTRA (CNPq/ NIGS- UFSC)

Este relato de experiência propõe refletir a partir de minhas vivências ministrando oficinas vinculadas ao projeto Papo-Sério – NIGS. Compreendendo que as músicas brasileiras configuram-se enquanto pontos dialógicos de encontro de diferentes musicalidades e universos socioculturais (BASTOS, 2008) e, tendo como objetivo problematizar as representações de gênero com estudantes e professor@s da rede pública de Florianópolis, a proposta deste trabalho é apresentar alguns resultados das oficinas realizadas em 2014 e 2015 sobre a temática “violências contra as mulheres” utilizando músicas de cunho violento e sexista como ferramenta disparadora de diálogos.

Palavras chave: Educação. Oficina. Metodologia. Gênero. Música.

 

INVENTAR COM A DIFERENÇA”: A EXPERIÊNCIA DE UM PROJETO SOBRE CINEMA E DIREITOS HUMANOS NO ENSINO DA ANTROPOLOGIA NA EDUCAÇÃO BÁSICA

Breno Augusto Garcia Sales(UFPA/FAPESPA/SEDUC-Pará)

Deylane Corrêa Pantoja Baía (UFPA/FAPESPA/SEMEC-Belém)

As reflexões postas neste trabalho fazem referência à atuação dos autores como antropólogos de formação, mas ministrando a disciplina Sociologia em duas escolas na região insular da cidade de Belém (Pará, Brasil): uma localizada na Ilha do Mosqueiro, com turmas de ensino fundamental e outra na Ilha das Onças, com turmas de ensino médio. A partir das propostas estabelecidas pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN’s) para a disciplina Sociologia (englobando a Antropologia e a Ciência Política) procura-se desenvolver o ensino da disciplina, enfocando, principalmente, temas básicos de Antropologia. Para tal intento, se faz necessário também construir metodologias alternativas de ensino desses temas de forma a possibilitar ao aluno uma aproximação com as reflexões deles advindas. Destacaremos, aqui, portanto, a experiência do Projeto “Inventar com a Diferença – Cinema e Direitos Humanos”, que selecionou professores de todo o Brasil para produzirem vídeos - “filmes-carta” - juntamente com seus alunos, no intuito de aproximá-los das problemáticas dos direitos humanos e introduzi-los ao universo de produção cinematográfica. Ao longo de seis meses, realizamos encontros diversos, de forma que cada professor se responsabilizasse por uma turma e desenvolvesse exercícios relacionados aos princípios do cinema, bem como às noções de direitos humanos vinculadas às demandas locais, tendo, neste caso, como pano de fundo as bases socioantropológicas de investigação. Como resultado, foram produzidos dois “filmes-carta” que enfatizam a relação desses alunos com seus territórios, percepções sobre ser e estar nesses espaços e o exercício de falar de si para o mundo.

SABERES LOCAIS: RELATOS SOBRE A VISITA AO MUNDO SOCIAL DOS DISCENTES DE ENSINO MÉDIO ATRAVÉS DA ETNOGRAFIA URBANA

David da Costa Aguiar de Souza (IFRJ)

Carolina Zuccarelli - (FE/UFRJ - PPGSA/UFRJ)

A oferta obrigatória da disciplina Sociologia em todas as séries do ensino médio no Brasil, instituída através da lei 11.684 de 2 de junho de 2008, trouxe um importante desafio à primeira safra de professores responsáveis pela condução de tal processo, incluindo-se uma abrupta necessidade de se elencar conteúdos, desenvolver materiais didáticos e violar um status quo curricular pretensamente cientificista, que atribui lugar menor aos saberes oriundos das ciências humanas no currículo da educação básica e questiona sua legitimidade epistemológica. A transposição dos conteúdos de Sociologia ao nível médio da educação brasileira não tem sido privilegiada pelos fóruns universitários sobre o ensino da disciplina, o que contribui para a proliferação de estratégias pedagógicas duvidosas entre os docentes, invariavelmente recebidas por sua clientela como enfadonhas e mesmo anacrônicas, visto que se afiguram demasiado distantes da experiência social por ela vivida. Esta deseja, muitas vezes, através da disciplina, visitar seu mundo social, algo que pode ser percebido pelo docente com a utilização de ferramentas que permitam essa aproximação, como o método etnográfico. O presente trabalho visa ilustrar como o recurso à etnografia urbana enquanto ferramenta didática e metodológica tem sido profícuo em classes de Sociologia do ensino secundarista brasileiras. A partir de experiências vividas pelos autores nos ensinos médio-técnico (IFRJ), médio-militar (Colégio Naval) e no ensino normal (SEEDUC – RJ), o que se objetiva é ilustrar como a técnica permite aos alunos aprimorar processos de subjetivação, entender seus sensos de pertencimento e configurar suas identidades e papéis sociais.

Palavras chave: Ensino de Antropologia, Etnografia Urbana, Educação Básica, Recursos Didáticos, Saberes Locais.

Experiencias en torno a la enseñanza en diversos contextos

 

 

TALLERES UNIVERSITARIOS EN CÁRCELES ARGENTINAS.  UN ANÁLISIS DE PRÁCTICAS Y DESAFÍOS A PARTIR DE EXPERIENCIAS DIFERENTES LLEVADAS ADELANTE POR DOS UNIVERSIDADES NACIONALES

Florencia Martínez Adorno (UNRN)

 Cecila Paruelo (UBA)

En este trabajo nos interesa reflexionar respecto a dos experiencias concretas (y diferentes) de inserción universitaria en penales a través de la modalidad de “talleres”. Una de estas experiencias es la llevada adelante en el Centro Universitario de Devoto (penal federal ubicado en la provincia de Buenos Aires), donde las personas privadas de su libertad pueden acceder a cursar carreras universitarias en el interior del penal, ya que la universidad cuenta con un espacio propio dentro de la instalación penitenciaria. La segunda experiencia sobre la cual trabajaremos es la llevada adelante en la unidad penitenciaria provincial Nº III, en Río Negro, en donde la universidad entra todavía de manera restringida, no cuenta con espacios propios y se inserta a través de talleres articulados a partir de proyectos de extensión. Nos interesa analizar los beneficios y complejidades de cada experiencia, intentando dar cuenta de si -y como- en cada caso la universidad reproduce (o no) ciertas lógicas propias de las instituciones de encierro. Daremos cuanta de cuáles son las motivaciones de cada universidad al entrar a la cárcel, reconstruyendo desde que óptica y en busca de qué objetivos interviene.

Palabras clave: Educación – cárcel – universidad.

 

¿QUÉ SUCEDE AL ENSEÑAR EN EL ENCIERRO? EL SABER DE LA EXPERIENCIA EN CIERTOS PROCESOS PARTICULARES DE ENSEÑANZA

Pérez Camila (UBA/CONICET)

El tema de mi investigación son los procesos de enseñanza que se producen en las escuelas secundarias en contextos de encierro. Más específicamente busco comprender el tránsito de esta experiencia desde el punto de vista de los docentes. Mi pregunta de investigación es: ¿Qué sucede al enseñar en el encierro? Ahora bien, de todas las estrategias de investigación cualitativa posibles decidí inicialmente proponer un abordaje etnográfico (indudablemente influenciada por mi formación de grado como antropóloga) Sin embargo en el marco de mi formación doctoral en Educación esta elección requirió una fundamentación exhaustiva: ¿Por qué abordar la educación en contextos de encierro desde un enfoque etnográfico? ¿Qué fundamentación teórico-epistemológica subyace en tal decisión? Por otro lado a partir del incipiente trabajo de campo y nuevamente influenciada por los seminarios de mi formación doctoral emergieron nuevos interrogantes:  ¿Resulta factible para un antropólogo realizar una tesis doctoral con la intención de intervenir en el campo de lo pedagógico? En este sentido ¿podríamos pensar la categoría saber de experiencia como apropiada para acercar ambos campos disciplinares? A partir de este ponencia propongo ensayar algunas respuestas posibles a estos interrogantes con el deseo de continuar la reflexión de forma colectiva en el grupo de trabajo propuesto.

Palabras claves: Etnografía – Educación- Cárceles- Prácticas docentes - Saber de experiencia.

 

A DISCIPLINA ANTROPOLÓGICA NOS CURSOS DE TURISMO: QUE PAPEL OCUPAR?

Ana Flávia Andrade de Figueiredo (UFVJM)

O presente artigo busca trazer reflexões acerca da inserção da disciplina antropológica nos cursos de turismo, dando a ver um debate sobre o espaço que tem ocupado a disciplina neste campo acadêmico. Por vezes relacionada à atuação dos profissionais de turismo voltados à área de cultura e patrimônio, a antropologia, para além de uma fragmentação em subdisciplinas (antropologia urbana, antropologia política, do imaginário, de gênero, étnica, da religião...), pode, ao invés, ampliar o olhar crítico e complexo em variados campos de atuação do profissional de turismo. Para tal alcance é fundamental que se amplie as reflexões sobre um desafio fundante no ensino da antropologia, o ensino do método que a identifica/diferencia, a etnografia. A pesquisa etnográfica tem ganhado cada vez mais espaço nos círculos acadêmicos, inclusive, nos estudos do turismo, contudo, percebemos a dificuldade de docentes (em cursos distintos da antropologia) institucionalizarem práticas de trabalho em que o ensino da etnografia vá além de algumas aulas teóricas, somadas a uma ou duas idas a um campo. Os sujeitos da etnografia, sua escrita através de diários de campo, o sentido de acolhida, troca, confiança, a preocupação com as ressonâncias da introdução do pesquisador em um grupo são questões que demandam tempo. Desse modo, problematizando tais desafios, introduzimos no texto algumas experiências, fruto de práticas que vem sendo desenvolvidas por esta pesquisadora docente em cursos de turismo, assim como breves propostas, pautadas na imersão dos discentes e na constituição de um olhar antropológico, mais aberto à alteridade.

Palavras-chaves: Ensino de Antropologia, Turismo, Interfaces Epistemológicas, Práticas de Ensino.

 

OS CONTEXTOS CULTURAIS DA EDUCAÇÃO E AS MODALIDADES DIFERENCIADAS DE ENSINO NO BRASIL: QUAIS SÃO AS POSSIBILIDADES E OS LIMITES DA ANTROPOLOGIA?

Guillermo Vega Sanabria (UFV)

Ao refletir sobre a formação de professores da educação básica e o ensino de antropologia no Brasil, esta comunicação busca ir além de um certo senso comum disciplinar e do mote de que a “missão” da antropologia neste nível é “desconstruir”, “desnaturalizar”, “problematizar” ou “promover a diversidade”. Além de terem se tornado verdadeiros chavões, cada vez mais esvaziados do seu alcance político genuíno, o problema com este tipo de colocações é seu caráter generalista, catequético e moralizante, que ignora os problemas específicos com que se deparam os professores, especialmente os de Ciências Sociais, nos diferentes contextos culturais, sócio-econômicos e políticos da escola. Mais do que fazer uma simples apologia de como a antropologia “ajuda a compreender a diversidade”, neste trabalho retomo minha experiência como professor de antropologia num curso de Licenciatura em Ciências Sociais para refletir sobre as diferentes modalidades contempladas no sistema educativo brasileiro e o sentido, as limitações e as possibilidades do ensino de Ciências Sociais e, em particular, de antropologia. Não se trata de negar o potencial caráter libertador do conhecimento antropológico, mas de ponderar seu alcance à luz dos desafios colocados ao professor por realidades escolares específicas como a educação indígena, a quilombola, prisional, de adultos, do campo, etc. Trata-se, assim, de refletir simultaneamente sobre o ensino enquanto processo mais geral em contextos culturais diferenciados e sobre o ensino de antropologia na escola.

Palavras-chave: formação de professores – modalidades diferenciadas de ensino no Brasil –ensino de antropologia – antropologia no Brasil – educação e cultura.

 

O PROFISSIONAL DE SAÚDE COMO ANTROPÓLOGO: LIMITES E POTENCIALIDADES DE UMA ‘CONVERSÃO’

Ruth Helena Britto (PPGSC/IMS/UERJ – UNIAN)

Esta proposta consiste em problematizar a adoção da perspectiva antropológica em investigações realizadas por profissionais de saúde que realizaram pesquisas de observação participante e adotaram a escrita etnográfica como recurso para analisarem seus próprios ambientes de trabalho. Neste artigo serão analisadas quatro dissertações de estudantes de mestrado profissional com ênfase em ensino e saúde, bem como seus produtos: materiais educativos voltados para o ensino não-formal. Pretende-se discutir a tensão entre o deslocamento epistemológico proporcionado pela ‘conversão’ à abordagem antropológica e a apropriação de um instrumental analítico que permitiu a tais sujeitos desde uma elaboração crítica da relação entre sujeito e objeto do conhecimento, até uma auto-reflexão sobre sua prática profissional. Como resultado, seus trabalhos revelam o esforço de tradução do ponto de vista dos ‘outros’ (alunos ou usuários de serviços de saúde) para seus pares.

Palavras chave: ensino - antropologia - formação profissional.

 

Experiencias en torno a la enseñanza en diversos contextos 2

 

METODOLOGIA QUALITATIVA DAS CIÊNCIAS SOCIAIS EM SAÚDE: INTERSECÇÕES, DIÁLOGOS E DESAFÍOS

Ivia Maksud (Fiocruz/IFF)

 

Esta comunicação objetiva problematizar o ensino e os sentidos dos métodos de pesquisa em Ciências Sociais para cursos inseridos na complexa e diversa área da Saúde. Antropólogos e sociólogos têm chamado atenção para os desafios do ensino de metodologia qualitativa para além dos muros das Ciências Sociais, alertando sobre os perigos do “tecnicismo do método” e da fragilidade teórica na realização das “pesquisas qualitativas em saúde” (Víctora, 2011; Deslandes e Iriart, 2013; Gomes e Silveira, 2013).  Este debate se localiza em um campo constituído por sociólogos e antropólogos e batizado inicialmente como Ciências Sociais e Saúde.  O campo foi se delineando e se reconstruindo nos últimos 30 anos, recebendo, cada vez mais, pesquisadores formados em outras áreas das ciências humanas e da saúde (Rezende et al, 2009; Silva et al, 2013). A sua identidade parece estar em franco processo de construção e  reconstrução, tendo em vista, por exemplo, as mudanças na sua própria nominação: Ciências Sociais em Saúde, Ciências Sociais e Saúde, Ciências Sociais e Humanas em Saúde, Ciências Humanas e Sociais em Saúde. Trata-se, como afirmam Ianni et al (2014), de um campo em disputa. A reflexão se constrói a partir do diálogo entre a literatura que reflete sobre este tema e a minha própria experiência como cientista social docente em cursos da área de saúde, tentando responder à seguinte questão: como cientistas sociais que pesquisam na/para/com a área da saúde podem lidar com as críticas, problemas e limitações das junções interdisciplinares?

 

 

AS ÁRBITRAS DE FUTEBOL E A INFLUÊNCIA DA EDUCAÇÃO FÍSICA

Ineildes Calheiro dos Santos (UNEB)

Suely Aldir Messeder (UNEB)

O presente trabalho tem como objetivo compreender como as mulheres que se dedicam ao mundo da arbitragem futebolística encaram as influências da Educação Física, quer seja na modelagem dos corpos, quer seja na imposição de regras de papeis sexuais diferenciados hierarquicamente.  No mundo da arbitragem nos deparamos com dois períodos distintos em relação a absorção das mulheres como assistentes de arbitragem ou mesmo como arbitras: a) até o ano 2007 o teste realizado levava em conta a diferença física entre homens e mulheres; b) A partir do ano seguinte os testes passaram a ser realizados sem levar em consideração a diferença sexual entre os concorrentes. Com efeito, verificamos que no primeiro momento houve um ingresso significativo de mulheres, enquanto no segundo assistimos paulatinamente o decréscimo da absorção destas mulheres no campo da arbitragem. Acreditamos que ao cotejarmos os depoimentos destas mulheres com as duas etapas temporais nos embreamos na constatação de que não se pode requerer uma igualdade de gênero/sexo, sem vislumbrarmos como as mulheres vivenciam e modelam seu corpo, sob o julgo da disciplina da Educação Física, cujo conteúdo curricular é fortemente (ainda) influenciado  pelo higienismo,  e, sobretudo pelo  pavor da virilidade feminina. 

Palavras-chave: Árbitras de futebol; Educação Física; Higienismo; Praticas corporais; divisão sexual.

 

 “NEM LÁ, NEM CÁ”: COMO SER UM “PROFESSOR-PESQUISADOR” EM ESCOLAS ESTADUAIS NO RIO DE JANEIRO

Vinícius Cruz Pinto (PPGA-UFF)

O objetivo deste trabalho será apresentar quais os caminhos iniciais para uma pesquisa antropológica em escolas estaduais do ensino médio no Rio de Janeiro, Brasil. O foco será buscar uma auto-reflexão sobre as metodologias clássicas da Antropologia como o trabalho de campo e o lócus de pesquisa, assim como refletir as estratégias de inserção enquanto pesquisador em uma instituição estatal. Comumente a Antropologia possui como uma tradição o foco na observação-participante e ainda em alguns meios acadêmicos, a idéia de que é preciso encontrar o “exótico”, o “distante” e um local determinado. As contribuições do antropólogo Ulf Hannerz no texto “Being there...and there...and there! Reflections on Multi-site Ethnography”(2003) questiona estas noções e aposta em uma pesquisa que pode ser feita em diversos lugares transferindo a importância para o objeto e não para um território pré definido. Com base nesta metodologia abordarei os meus caminhos percorridos onde o ponto inicial é Nova Iguaçu,na Baixada Fluminense. Por fim, apresentarei uma reflexão de como se dá a relação com os interlocutores na transição de “professor” que eu sou para “pesquisador” e qual a relevância científica para se pensar as ações em estudar este campo da Antropologia e Educação.

Palavras-chave: Metodologia de pesquisa; Antropologia; Escolas estaduais.