RESUMEN GRUPO DE TRBAJO 121

GT 121. MORALIDADES EN LAS CIUDADES DE LA “PERIFERIA”

Coordinadores:

Gabriel D. Noel (IDAES-UNSAM/CONICET – Argentina); gdnoel@gmail.com

Natalia Bermúdez (IDACOR-UNC/CONICET – Argentina); natibermudez@yahoo.com.ar

Luiz Antonio Machado da Silva (IESP/UERJ – Brasil); lmachado@iesp.uerj.br

Jussara Freire (ESR/UFF e PPGPS/UENF – Brasil); jussarafreire@superig.com.br

 

 

Sesión 1: Moralidades “periféricas” y escalas urbanas

 

 

LA PERIFERIA DE LA PERIFERIA. APROXIMACIONES A LA CONCEPTUALIZACIÓN TEÓRICA Y AL ABORDAJE METODOLÓGICO DE AGLOMERACIONES PEQUEÑAS EN UN HINTERLAND METROPOLITANO

 

Gabriel D. Noel (Núcleo de Estudios Urbanos – IDAES-UNSAM/CONICET); gdnoel@gmail.com

 

La distinción sociodemográfica entre el mundo urbano y el rural – tradicionalmente colocada en la frontera de los 2.000 habitantes – registra una inusual persistencia no obstante las numerosas críticas de las que ha sido objeto desde hace décadas. Asimismo, esta distinción consagrada por los dispositivos estatales de registro es reproducida en la división académica del conocimiento, donde sociólogos y antropólogos ‘urbanos’ se ocupan de espacios metropolitanos o de gran escala, mientras que sus contrapartes ‘rurales’ se concentran en la población dispersa o concentrada en aglomerados de tamaño minúsculo. Rara vez – y esto en el mejor de los casos – se producen diálogos o interpelaciones a ambos lados de esta frontera, que separa agendas, objetos, problemas y enfoques contrastantes.

Las metrópolis y sus conurbaciones, mientras tanto aparecen con frecuencia circundadas por una serie de aglomeraciones pequeñas y medianas para las cuales la habitual etiqueta de lo ‘rural’ resulta claramente inadecuada. Aún cuando poseen dinámicas propias y específicas, estas pequeñas aglomeraciones mantienen con las urbes diversas clases de relaciones de geometría variable. Lejos de ser las comunidades autónomas que el atavismo de muchos investigadores tiende a proyectar en ellas, tampoco son ciudades dormitorio o meros satélites de las grandes urbes. Demasiado lejos como para que su conurbación sea previsible, pero lo suficientemente cerca como para establecer relaciones sustentables, estas ciudades forman con ellas uno o varios sistemas urbanos complejos y cambiantes, en los cuales las múltiples configuraciones entre lo local y lo metropolitano, lo ‘rural’ y lo ‘urbano’ ponen en tensión nuestras categorías teóricas y nuestros recursos metodológicos habituales, de uno y otro lado de esas distinciones.

La presente ponencia procura presentar un cuadro preliminar de una investigación antropológica que está siendo desplegada en una serie de localidades de los partidos de Magdalena y Punta Indio (provincia de Buenos Aires, Argentina), a unos 100 km del borde meridional de la Región Metropolitana de Buenos Aires, y que tiene precisamente por objetivo explorar abordajes teóricos y herramientas metodológicas para la conceptualización de esta clase de aglomeraciones y sus relaciones (entre ellas y con su metrópolis).

Palabras clave: aglomeraciones pequeñas, ciudades no metropolitanas, sistemas urbanos, distinción rural/urbano.

 

 

UN JUEGO DE CERCANÍAS Y LEJANÍAS: IMAGINARIOS SOBRE EL CONURBANO BONAERENSE EN UNA CIUDAD PERIFÉRICA DE LA PROVINCIA DE BUENOS AIRES

Lucía de Abrantes

(Núcleo de Estudios Urbanos – IDAES-UNSAM/CONICET)

deabranteslucia@gmail.com

 

El Conurbano Bonaerense se presenta como un territorio fronterizo que ha tendido a separar dos realidades bien contrastantes: la gran metrópolis central y el “interior” del país. Si bien esta categoría es utilizada, desde hace décadas, para identificar una realidad geográfica y social, lo cierto es que el Conurbano no posee un claro estatuto jurisdiccional, político ni administrativo. Los sentidos asociados a este pedazo de territorio, han ido cambiando de signo: mientras que a principios del siglo XIX este espacio sería caracterizado por lo verde, la tranquilidad y el aire puro de las afueras, a mediados del siglo XX se volvería un caso paradigmático de la degradación urbana y la expresión de una “geografía de la trasgresión”. Diversos estudios de corte académico se han posado sobre esta espacialidad buscando comprender su carácter complejo. Asimismo, dada su condición fronteriza, otros abordajes han tendido a analizar el modo en que este territorio –multiforme, heterogéneo y contradictorio- mantiene una relación conflictiva con la Ciudad de Buenos Aires. Una relación de cercanías geográficas y de distancias morales, económicas, sociales y políticas. Si bien todos estos aportes han sido sumamente enriquecedores, lo cierto es que existe una dimensión que no ha sido lo suficientemente explorada: la relación que sostiene el Conurbano con los escenarios que se sitúan del otro lado de la frontera.

La presente ponencia procura, mediante un trabajo etnográfico, reconstruir las principales imaginarios que se construyen en torno al Conurbano en una ciudad periférica bonaerense, localizada a menos de 300 kilómetros del límite impreciso que recorta al Conurbano del resto de la Provincia de Buenos Aires. Recurriendo a una serie de entrevistas y notas periodísticas locales, trataremos de observar cómo el Conurbano Bonaerense se configura como un “monstruo homogéneo” que intimida y amenaza con desvirtuar el carácter armónico de una comunidad; así como también desarmar el modo en que los habitantes de esta ciudad identifican una serie de problemáticas locales (clientelismo político, inseguridad, violencia, pobreza, asentamientos informales) como la consecuencia inevitable de un Conurbano que trasvasa sus límites y avanza “conurbanizando” localidades lejanas.

Palabras Claves: Ciudad Periférica – Imaginarios – Conurbano Bonaerense – Contrastes -  Conurbanización .

 

 

EL IMPACTO DE LA “CIUDAD” EN EL “CAMPO”, UN JUEGO DE TENSIÓN Y ALIVIO 

Luciana Trimano 

(CIECS-CONICET Y UNC) 

lucianatrimano@gmail.com 

 

Para los habitantes nativos de Las Calles -una localidad del Valle de Traslasierra, en la provincia de Córdoba- desde hace diez años “su” pueblo comenzó a cambiar debido al impacto de la migración urbana. Por un lado, la sociedad receptora entiende las trasformaciones fisonómicas de la comunidad a partir de la referencia temporal “antes/ahora”; por el otro, el arribo de citadinos al poblado es percibido como “invasivo”, lo entienden negándolo. 

El propósito de esta comunicación es reflexionar sobre las transformaciones de las dinámicas territoriales, temporales, identitarias y relacionales de una pequeña localidad de montaña a partir de los relatos identitarios de habitantes autóctonos e inmigrantes urbanos. Indagamos interpretaciones y percepciones que se nutren de imaginarios diversos en torno a nociones como desarrollo, progreso, pertenencia, bienestar, trabajo, espacio, tiempo y, sobre todo, en cuanto a la percepción de quien es el “otro”. En este escenario, la diversidad de procedencias, pertenencias, tradiciones y valores ponen en juego la configuración de la identidad local. 

Palabras clave: configuración cultural; identidad; neorruralidad; representaciones 

 

 

EFEITO “PEQUENA CIDADE”: ENSAIO POR UMA SOCIOLOGIA DA VIDA COTIDIANA

Manuela Vieira Blanc. PPGSP/Universidade Vila Velha e Grupo de Pesquisa Cidades, Espaços Públicos e Periferias, manu_uenf@yahoo.com.br

 

Se a cidade estende seus efeitos para além das suas fronteiras, ela pode ser pensada como um contexto cognitivo cujo entendimento extravasa a tomada do urbano como objeto ou espaço específico de análise. Se algo é real em seus efeitos e, portanto, impassível de ser ignorado no entendimento das formas de sociação contemporâneas, esse algo é vulgarmente chamado “cidade”. Os modos de vida urbanos são constructos exemplares da vida social, compreendendo formas de sociação complexas e diversificadas, coexistentes entre si e cuja relação mútua varia segundo gradações de distanciamento e proximidade que se incidem sobre a definição de quadros ou situações sociais. Partindo de reflexões anteriores, essa proposta de comunicação exercita no ambiente pequeno urbano modos de entendimento dos seus efeitos, não como especificidades da baixa amplitude ou densidade demográfica, mas como um laboratório de análise das formas sociais a partir de uma perspectiva pragmatista. A partir dos modos de vida “pequeno-urbanos”, objetiva-se apreender suas fronteiras relativas: o trânsito ou circulação como prática de inserção em diferentes situações sociais. Se passíveis de ser identificadas nos bairros das grandes metrópoles, ou em diferentes quadros de interação situacionalmente marcados por gradações em termos objetivos e subjetivos, essas condutas não dizem respeito ao pequeno urbano, mas às práticas da vida cotidiana. Partindo de métodos qualitativos de coleta e análise de dados, essa proposta pretende analisar a variabilidade situacional dos quadros de interação e os termos da sua definição.

Palavras-chave: situações sociais, alta pessoalidade, quadros de interação, trânsitos morais.

 

Sesión 2: Economías morales y moralidades econômicas en las “periferias”

 

 

TENSÕES, CONFLITOS E RELAÇÕES DE SERVIÇO NO TRANSPORTE COLETIVO EM CAMPOS DOS GOYTACAZES

Ailton Gualande Junior. Graduando em Ciências Sociais pelo Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional da Universidade Federal Fluminense – ICSDR/UFF. Integra o grupo de pesquisas Cidades, espaços públicos e periferias – CEP28; jrgualande@hotmail.com

 

Este trabalho se enquadra na pesquisa de iniciação científica Filas, esperas e tensões em pontos de ônibus em Campos dos Goytacazes. Proponho analisar diferentes modalidades de conflitos e tensões que envolvem passageiros, operadores do sistema de transporte (rodoviários) e fiscais municipais. Realizei observações de situações em terminais de ônibus de maior circulação no centro desta cidade. Procurei apreender a continuidade entre a espera, as tensões e os conflitos que emergem nas filas de espera, considerando as conjunturas políticas voltadas para a problematização do transporte. Mapearei moralidades que orientam as interações cotidianas e descreverei as sequências das situações que compõem os conflitos em situações de espera, focalizando-me particularmente naquelas em que emergem as disputas e controvérsias. Em resumo, analiso os quadros morais das “relações de serviço” (Jeannot e Joseph, 1995) e suas consequências para os passageiros. É frequente observar indignações de passageiros, ameaças de denúncias e de recurso à força como forma de pressionar os agentes públicos para a resolução do conflito. Um importante quadro moral que emergiu na pesquisa articulava o serviço como uma mercadoria, afetando principalmente os “não pagantes”. Apesar da gratuidade do transporte para este público, estes atores são aqueles que encontram maiores obstáculos de acesso a este serviço, dificultando sua circulação na cidade.

Palavras-chave: Sociologia pragmatista, experiência citadina, espaço público, moralidades.

 

 

GESTÃO ECONÔMICA OU GESTÃO DE CONFLITOS MORAIS? A INTENSA VIDA MORAL DAS “CAIXINHAS”

Breno Rabello Machado (PPGSA/UFRJ); brenorm.mail@gmail.com

Fomento da pesquisa: CAPES.

 

Este trabalho é resultado do mestrado em andamento pelo PPGSA/UFRJ. Nele analiso moradores da Favela do Jacaré, Rio de Janeiro, e funcionários do Hospital Castro Oliveira em Petrópolis, Região Serrana do Estado, que concedem empréstimos informais mediante a cobrança de juros. Os resultados são fruto da análise de entrevistas feitas com integrantes dessas “caixinhas”.

“Caixinhas” são grupos de pessoas que pagam uma mensalidade que é transformada em capital de giro destinado à concessão de empréstimos. Esses são disponibilizados em quantias variadas, não muito altas, mas que não raro tornam-se altas pelos juros.

O objetivo desse trabalho é analisar a intensa atividade moral em torno desse dinheiro que circula. A consideração desses atores como moralmente competentes (BOLTANSKI e THÉVENOT, 1990) guia grande parte das questões desse trabalho.  Se a produção de lucro é importante para entender o significado dessas ações, os dilemas morais, as hierarquias, as críticas parecem ainda mais decisivos.

As “caixinhas” parecem multiplicar as possibilidades de conflitos morais. Contudo, uma série de mecanismos reduzem esses impactos, garantindo a manutenção da vida social. Parece acertado dizer que o modelo de funcionamento da “caixinha” mais que um “modelo de gestão econômica”, por uma série de razões, é um “modelo de gestão moral”, ou para ser ainda mais especifico, um “modelo de gestão de conflitos morais”.

Palavras-chave: Moral, Dinheiro, Empréstimos.

 

 

UMA SOCIOLOGIA DA COMPREENSÃO A PARTIR DO PAR CRÍTICA E JOCOSIDADE

Alexandre Werneck

 

O objetivo deste artigo é analisar as formas de modulação da crítica na sociabilidade urbana, com ênfase nos papeis desempenhados por dispositivos capazes de efetivar situações de potencial conflito moral envolvendo conteúdos críticos, a fim de estudar como os atores compreendem (ou não) uns aos outros. Para tanto, o texto entrecruza três pesquisas relacionadas à modulação da crítica por meio da jocosidade: 1) a observação nas ruas de dois bairros do Rio de Janeiro em busca da operacionalização de dispositivos morais de jocosidade que se utilizam de elementos com formato de crítica para sua efetivação; 2) o estudo de cartazes jocosos das manifestações políticas de 2013 no Brasil; e 3) a realização de grupos focais com estudantes a respeito desses cartazes e do uso do humor na política em geral. A partir dessas observações, depreendem-se três dimensões da compreensão de elementos situacionais a partir do entendimento desses signos: cognitiva, contextual e moral.

 

 

ESTA VEZ LOS DENUNCIÓ. UNA ETNOGRAFÍA SOBRE MORALIDADES, RECIPROCIDADES Y ROBOS EN UNA VILLA DE LA CIUDAD DE CÓRDOBA (ARGENTINA)

Dra. Natalia Bermúdez

(Investigadora del IDACOR-CONICET, FFyH,

Universidad Nacional de Córdoba)

En esta ponencia analizaré etnográficamente las moralidades que atravesaron una serie de intercambios vinculados a la vida cotidiana en las redes familiares y vecinales que vengo analizando en una villa en la Ciudad de Córdoba (Argentina).

Me interesa problematizar por un lado, las formas en que los “robos” muchas veces tienden a regular las relaciones familiares y vecinales, en la medida en que pueden ser interpretados como parte de una distribución más equitativa -o menos injusta- de objetos y servicios que, como parte de prácticas ilegales.

En este sentido, mostraré etnográficamente cómo dos jóvenes de la villa, hijos de Moria, le robaban sistemáticamente la moto a uno de sus vecinos y por qué este vecino un día decidió denunciarlos.

De modo que este “robo” sólo puede interpretarse en los marcos morales locales de defensa del honor familiar, así como también a partir de las tensiones que se generan cotidianamente entre las reciprocidades positivas y negativas. El “robo” podría ser pensado como un medio de recordar las obligaciones propias de las relaciones involucradas.

Por último, analizaré el lugar que ocupa la policía en estas relaciones sociales, y las interpelaciones que, en términos normativos, usualmente se hacen a estos “agentes de seguridad”.

Palabras claves: Moralidades. Robos. Redes de relaciones sociales. Reciprocidades. Villa.

 

 

ESTÉTICA, CULTURA E EVITAÇÃO DA “VIOLÊNCIA POLÍTICA”: TRAMA DE UMA AÇÃO COLETIVA EM NOVA IGUAÇU

 

Jussara Freire (Universidade Federal Fluminense)

 

Recentemente, as mobilizações em torno “da arte e da cultura” em territórios desqualificados vêm adquirindo certo destaque na agenda acadêmica brasileira. Dialogando com alguns destes trabalhos, proponho descrever e interpretar a trama da ação coletiva da cidade Nova Iguaçu, focalizando-me na arena mobilizada em torno “da cultura”, do fim da década 1970 até 2014, nesta cidade. Se algumas análises sugerem uma atual “mercantilização do criativo”, que traduzo como conjuntura na qual predominaria grandezas mercantil e industrial, minhas observações apontam para navegações morais e situadas dos participantes da arena mobilizada em torno da cultura na Baixada Fluminense entre ordenamentos variados (ou cités) – imbricados com o mercantil e o industrial, mas eles não sendo exclusivos-, que se multiplicam exponencialmente nas situações observadas e ao longo do tempo.  A compreensão desta navegação permite, de um lado, reconstituir a formação e a continuidade da arena mobilizada em torno “da cultura” na Baixada Fluminense (Região Metropolitana do Rio de Janeiro) e identificar a acumulação coesa e contínua de qualificações que ancoram os engajamentos de seus participantes. Por outro lado, as mobilizações coletivas em torno da “arte” e da “cultura” apresentam avaliações conativas voltadas para o desejo e esforço de ressignificar a “periferia”. Evidenciam paralelamente tensões que permanecem em relação aos modos de evitar vocalizar a “violência política”, experiência próxima que se entremeia com representações “de fora para dentro” sobre a Baixada Fluminense. A evitação torna-se então outra chave para compreender como “a cultura”, do ponto de vista de seus problematizadores, requalifica uma área moral particularmente desqualificada.

 

 

PETRÓLEO Y DESIGUALDAD SOCIAL: LA RECONVERSIÓN DEL DESPRECIO DE CLASE EN DESPRECIO DE GÉNERO EN UNA CIUDAD PATAGÓNICA

Natalia Barrionuevo (IESyPPat-UNPSJB/ IDAES-UNSAM)

sea_natts@hotmail.com

 

El trabajo petrolero contribuyó a la demarcación de fronteras sociales en Comodoro Rivadavia (Chubut, Argentina) a lo largo de su historia centenaria. Nos proponemos dar cuenta de ello en un contexto actual signado por el desacople extremo entre capital económico y capital cultural; desde una mirada relacional que involucra a los propios trabajadores de la industria y sus mujeres, pero también a sectores medios petroleros y no petroleros, leídos en clave de establecidos y outsiders. Indagamos etnográficamente las formas específicas y situadas que adopta la desigualdad social en una ciudad intermedia patagónica, a partir de la reconversión del desprecio de clase en desprecio de género que ubica a las mujeres de los trabajadores petroleros en un lugar de doble subordinación. En este trabajo buscaremos complejizar la idea de dicho pasaje desde los argumentos morales en circulación social, compartidos y disputados.

Palabras claves: Trabajo petrolero, desigualdad social, Comodoro Rivadavia, desprecio de clase, desprecio de género.

 

 

ASCETISMO, ESFUERZO Y SACRIFICIO EN SEGUIDORES DE UN MÚSICO POPULAR ARGENTINO: LA ELABORACIÓN MUSICAL DE UNA DIFERENCIA MORAL

Mg. Nicolás Aliano (UNSAM - CONICET); nicolasaliano@hotmail.com

 

Partiendo de una exploración de las prácticas de afición de los seguidores de un músico popular argentino, Carlos “Indio” Solari, en esta ponencia se propone mostrar la existencia de modos específicos de evaluación del rock, que moralizan la escucha ya que esta se vuelve parte de la conformación de una imagen valiosa de sí mismo. Se mostrará cómo la existencia de este modo de implicación con la música conduce a los fans a trazar límites simbólicos (Lamont y Molnar, 2002) respecto de otras personas y otros géneros musicales (fundamentalmente la cumbia), articulando percepciones más amplias sobre las escenas de consumo ligadas a estos géneros y las diferencias sociales entre grupos. En este sentido, se atenderá a los usos de estas fronteras simbólicas, que no estarían funcionando de acuerdo a la forma de estrategias de distinción (bajo una estructura rígida de “capitales culturales”), sino más bien como clasificaciones contextuales y móviles, que se activan orientando la acción y generando principios de visión y división del mundo.

Teniendo en cuenta estos usos, la hipótesis del trabajo es que esta música permite tramitar y elaborar una diferenciación moral operante en la experiencia popular. De acuerdo a nuestro argumento esta música contribuiría a resolver una tensión valorativa específica, que surge en el marco de la desarticulación del complejo simbólico que ligaba esfuerzo, trabajo y ocio, y que se expresa en la coexistencia de modelos culturales en fricción al interior de los sectores populares: aquellos articulados en torno al mundo del trabajo, la familia y la pauta ascética, frente a aquellos otros que se definen desde la positivización de los estigmas sociales (la transgresión legal, el uso de la fuerza física, o el uso de ciertas drogas “duras”).

Palabras claves: Limites simbólicos – fronteras sociales – ascetismo – música.

 

 

DEL SALIR A CORRER AL RUNNING. REFLEXIONES AUTOETNOGRÁFICAS DE UN NATIVO MARGINAL

Gastón Julián Gil

CONICET-Universidad Nacional de Mar del Plata

gasgil@mdp.edu.ar

 

El “salir a correr” que caracterizaba a solitarios deportistas, en ocasiones como complemento aeróbico de otros deportes, ha dado lugar a una práctica colectiva de gran masividad, el running (como lo definen mayoritariamente los propios actores). El fenómeno del running forma parte de la proliferación de nuevas formas de sociabilidad en la Argentina contemporánea que puede registrarse en actividades diferenciadas, que se vinculan con prácticas deportivas, hábitos alimenticios, movimientos y manifestaciones artísticas, adopción de filosofías “exóticas”, experiencias de consumo, uso de nuevas tecnologías, etc. Se trata en general de fenómenos sumamente tematizados en los medios masivos de comunicación, pero sobre todo de un alto impacto en la vida cotidiana de muchas personas. Este estilo de vida que ha irrumpido como parte de las transformaciones sociales que se vinculan con la concepción del cuerpo, del bienestar y del tiempo libre, remite además a una serie de repertorios morales y estéticos  que van más allá de una ética del esfuerzo y la autosuperación,  de una inclinación hedonística o una cultura del consumo. Esta primera aproximación al colectivo runner constituye un esfuerzo por sentar las bases de una investigación sistemática que presenta los habituales desafíos, posibilidades y complejidades de un estudio etnográfico de nuestra contemporaneidad. Por ello es que se apela a un abordaje reflexivo en el que la experiencia previa y actual del investigador, en su condición de nativo marginal, permite definir las principales líneas de investigación a desarrollar en el futuro.

Palabras clave: estilos de vida – Moralidad - Identidad – Reflexividad.

 

 

“MORADOR DE GUARUS”: CATEGORIAS MORAIS MOBILIZADAS EM SITUAÇÕES DE COPRESENÇA NA CIDADE DE CAMPOS DOS GOYTACAZES

Renan Lubanco Assis. Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro; renanlubaco@gmail.com

 

Esta proposta de trabalho tem por objetivo contemplar a elaboração de categorias morais de classificação sentidas por moradores de um bairro situado na margem esquerda do rio Paraíba do Sul, na área urbana da cidade de Campos dos Goytacazes-RJ. Neste caso, o morador de Custodópolis, bairro situado em Guarus,  3ª Subdistrito do município, se percebe não apenas como morador de um bairro da cidade, mas ainda, classificado como “morador de Guarus”, categoria moral de desqualificação.

A classificação é um recurso que pode ser mobilizado de forma laboral na ciência,  inerente ao trabalho de formulação de conceitos e categorias de análise, como uma mera catalogação de objetos, sem qualificação, ou ainda, como uma “ação projetada” nas situações de “copresença”, na qual, os atores, mediante o encontro “face a face” classificam-se mutuamente. Cabe uma reflexão acerca dos diferentes enquadramentos morais elaborados nas situações de copresença experimentados na cidade de Campos dos Goytacazes. A partir da sistematização das experiências relatadas, buscarei trazer para reflexão as diferentes categorias morais de demarcação, responsáveis por “sedimentar” moralmente as “biografias” dos diferentes bairros da cidade e os seus respectivos moradores.

Esta proposição é parte de um trabalho de doutoramento em andamento, cujo foco central tem sido as “categorias morais” percebidas por moradores de um bairro classificado como “violento”. A pesquisa, já realizada, conta com um trabalho de inspiração etnográfica iniciado no mês de maio do ano de 2013, e findado no mês de junho de 2015. O trabalho de campo contou com visitas semanais ao bairro, observando e participando de eventos realizados no mesmo. Fora realizado ainda, 22 entrevistas com 19 moradores do bairro. A pesquisa de campo me possibilitou apreender as teias de significados tecidas por diferentes faixas etárias, o que me ajudou a sistematizar os enquadramentos dos moradores em classificações oriundas dos encontros com “o outro lado”, no caso, da margem direita do rio Paraíba do Sul.

Palabras claves: Morador de Guarus, Bairro, Demarcação moral, Categorias morais, Copresença.

 

 

‘ATRASO’ E ‘DESENVOLVIMENTO’ NO REGIONALISMO EMPRESARIAL DE ITAPERUNA (RJ)

Thiara Mourão Costa Cerqueira
Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro
thiara.cerqueira@gmail.com

Hernán Armando Mamani
Instituto de Ciências da Sociedade e
Desenvolvimento Regional (ESR/UFF)
hernan_a_mamani@yahoo.com.br

 

O trabalho descreve e analisa a gramática do ‘atraso’ e do ‘desenvolvimento’ mobilizada pelo empresariado e pelas lideranças política do município de Itaperuna para justificar suas transformações sociais e econômicas, num contexto em que todas as cidades do Norte e Noroeste Fluminese empenham-se em se ‘desenvolverem’. Trata- se, também, dos círculos e sociabilidades que as promovem.

Localizada a 400 km da cidade do Rio de Janeiro e a 100 km de Campos dos Goytacazes, próxima dos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, Itaperuna (com 98.521 habitantes) é a maior cidade do Noroeste Fluminense. Com um crescimento econômico de 140 % nos últimos 10 anos, diferencia se do conjunto de cidades da região por sua especialização no comércio e serviços médicos e educacionais. Diferencia-se, também, pelo modo em que o empresariado empreende a modernização e promove políticas, apelando à mobilização empresarial e às redes nacionais e estaduais fornecidas pelas associações comerciais.

Este ‘regionalismo’ distingue-se particularmente da cidade de Campos dos Goytacazes, cidade pólo regional, onde o problema do “atraso” é atribuído, há muito tempo, à falta de políticas estaduais e nacionais de desenvolvimento regional. Este tema, sensibiliza a opinião pública (Viana, 2003) e estimula um engajamento político regionalista. Já em Itaperuna, a questão regional não atinge a mesma difusão. O ativismo empresarial atua em arenas fechadas, impõem-se à política municipal e promovem uma modernização econômica e gerencial associada a práticas ‘tradicionais’ na articulação política e nas relações de trabalho e na preservação da posição social de pequenos círculos familiares.

Palavras-chave: Região – empresários – sociabilidade urbana – política urbana.

Sesión 3: Moralidades “periféricas” y poder

 

 

SOCIABILIDADES E USOS: UMA ANÁLISE DOS EMPREENDEDORES CULTURAIS NO CENTRO DE VITÓRIA

Amanda Alvarenga Nespoli. Mestranda em Sociologia Política/Universidade Vila Velha/ Bolsista CAPES ; celta1978@yahoo.com.br. Orientadora: Dra. Manuela Vieira Blanc

 

A presente proposta de comunicação tem como proposta analisar as práticas dos empreendedores culturais no Centro de Vitória/ES, suas reapropriações e usos desse espaço. Nos últimos anos, essa região vem sendo objeto de intervenções dentro de um processo de revitalização urbana por parte do poder público municipal, acompanhado também por um aumento de fluxos de investimentos por parte de atores coletivos ou individuais. Essa proposta visa apreender  com o auxílio de método de inspiração etnográfica e a realização de entrevistas semiestruturadas as práticas de investimento e sociabilidade desses atores empreendedores e analisar as suas percepções quanto ao seu modo de atuação no Centro. Parto da hipótese de que esses atores estabeleçam delimitações morais para classificar o seu público alvo, tendo como referencial a sua percepção sobre o Centro, o que ele significa ou o ethos que comporta. Verifico os eventos promovidos por esses atores serão no intuito de analisar até que ponto esses movimentos influenciam nas construções simbólicas sobre o Centro ou em suas formas de atuação moral.

Palavras-Chave: Centros – Moralidades – Lazer – Empreendedores – Sociabilidades.

 

 

“CRÍTICA E CONTROLE SOCIAL NAS MARGENS DA CIDADE: ETNOGRAFIA DE ESPAÇOS INSTITUCIONAIS DE DIÁLOGO EM FAVELAS DO RIO DE JANEIRO"

Lia de Mattos Rocha - Professsora Doutora; liarocha08@gmail.com

Monique Batista Carvalho - Doutora e Pesquisadora Associada

Frank Andrew Davies - Doutorando Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

 

Este artigo analisa as possíveis mudanças nas configurações associativas das favelas do Rio de Janeiro nos dias atuais, em que grandes eventos e projetos de reformulação urbana estão articulados a políticas específicas para essas localidades. Nesse bojo se destaca a ocupação policial de favelas conhecida por Unidade de Polícia Pacificadora (UPP), que desde 2008 assume uma posição central no debate sobre segurança pública. Destacamos nessa investigação as possibilidades de produção da ‘crítica’ - entendida nos termos de Boltanski em sua análise sobre a ‘dominação gestionária’ (2013) - por parte dos moradores de duas localidades em que os autores desenvolvem pesquisas: Batan e Borel. Os dados analisados foram produzidos a partir de etnografias de "reuniões comunitárias” realizadas em favelas com UPPs, onde moradores e gestores públicos civis e militares buscam apresentar e legitimar suas demandas e posicionamentos em relação à gestão cotidiana da vida nessas localidades. Assim, destacamos negociações, disputas e julgamentos realizados a respeito de tais reivindicações, de forma a compreender quais são os recursos validados ou deslegitimados nesses processos. Observamos ainda como são executadas as operações de controle, cerceamento da voz e desqualificação dos atores sociais em quadro, tanto por parte da administração governamental quanto por parte dos próprios moradores de favelas. A partir de uma investigação contrastiva nessas duas localidades, pretendemos produzir uma compreensão mais sistêmica desses processos de gestão e controle social conduzidos a partir da “pacificação”, considerando que esses são sensíveis às dinâmicas sociais próprias dos locais onde são implementados.

Palavras-chave: cidade; dominação gestionária; conflito; favelas; associativismo.

 

 

TERRITORIOS DE ALTERIDAD Y POLÍTICAS EDUCATIVAS INCLUSIVAS

 

Mag. Leticia Folgar Ruétalo. Profa. Asistente  Programa Integral Metropolitano Universidad de la República  (UdelaR) ­Uruguay; leticia.folgar@gmail.com

 

A partir del desarrollo de un trabajo etnográfico recientemente iniciado en una escuela pública montevideana en la que se desarrolla el  Programa de Maestros Comunitarios, se propone compartir elementos que permitan  avanzar hacia la comprensión de procesos más generales que acontecen en el marco de los escenarios de implementación de políticas de “inclusión educativa”.  Se entiende que a través de aspectos de la práctica que emergen a partir de la implementación de la política en cuestión, puede accederse a valores y representaciones que, conformando repertorios diferentes, estructuran y orientan las acciones y decisiones de quienes la llevan adelante. Se pretende vincular la forma en que se negocian, transforman y actualizan las construcciones de alteridad de los diferentes actores involucrados, con repertorios morales analizando las negociaciones, tensiones y conflictos del espacio institucional como espacios simbólico.

 
Nos interrogamos además sobre la vinculación de recursos morales, narrativas y tramas relacionales puestos en juego desde la escuela en el marco del PMC, con procesos del entorno territorial que involucran criterios morales la hora de crear, negociar, disputar, mantener y atravesar fronteras sociales en el escenario urbano estructurado en la dinámica inclusión / exclusión.

Palabras Clave: Alteridades, escuela, moral, tramas relacionales en lo urbano.

 

 

INTERVENÇÕES NO BAIRRO DA CAMBOA: OS IMPACTOS NO MODO DE VIDA DE MORADORES DA PERIFERIA DE SÃO LUÍS, MARANHÃO

 

Isanda Maria Falcão Canjão. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Maranhão. PPGSOC/ UFMA. Professora de Antropologia no Centro Universitário do Maranhão -Universidade CEUMA; isanda.maria@gmail.com 

Maysa Mayara Costa de Oliveira. Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Federal do Maranhão. PPGSOC/UFMA; oliveiracmaysa@gmail.com

 

Procuramos analisar os impactos da implementação do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), do Governo Federal, em São Luís-MA, no bairro Camboa, periferia da capital. O programa caracteriza-se por um grande processo de deslocamento populacional que provocou mudanças na paisagem da cidade, com a construção de avenidas e viadutos, e na tipologia arquitetônica/urbanística das residências – pois propunha erradicar “os casebres precários” na favela do bairro Camboa e realojar os moradores em apartamentos com padrão de condomínio.

A intervenção no espaço urbano, não considerou as dinâmicas da produção de identidades e formas peculiares de apropriação do espaço da favela. O governo recorreu a mecanismos generalizantes em detrimento das demandas dos grupos e das realidades localizadas: o processo de distribuição dos moradores nos apartamentos ocorreu através de sorteio, provocando descontinuidades e rupturas, fragmentando o tecido social comunitário, as fronteiras territoriais e pertencimentos existentes. Os deslocados, em sua memória, resgatam um tempo de conforto, segurança e abundância. Esse discurso contrapõe a caracterização da convivência atual, onde destacam um padrão de conflitos e rivalidades. O objetivo principal é compreender como suas identidades são reelaboradas, como ressignificam seu pertencimento nesse contexto, onde destacam a segregação e a dificuldade de tolerância em relação ao outro.

Palavras-chave: PAC, Camboa, deslocamento, conflitos, periferia.

 

 

PARQUES PROLETÁRIOS, CRUZADA SÃO SEBASTIÃO E O PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA: A MORADIA POPULAR COMO DISPOSITIVO DE MORALIZAÇÃO E DISCIPLINARIZAÇÃO DOS “EX-FAVELADOS”

 

Wellington da Silva Conceição – UERJ; UFT; welsc29@yahoo.fr; wellingtoncs@uft.edu.br

 

Esse paper apresenta uma análise comparativa de três diferentes projetos de habitação popular planejados para acolher moradores removidos de favelas na cidade do Rio de Janeiro: os parques proletários, a Cruzada São Sebastião e o Programa Minha Casa Minha Vida. Apesar de serem projetos realizados em diferentes décadas, por distintos agentes e em diversas circunstâncias, ambos desenvolveram e aplicaram dispositivos disciplinadores e moralizantes como parte importante do seu programa de ações. Por meio de atividades como instruções públicas, fiscalização das práticas, elaboração de “mandamentos” e cursos, essas diferentes políticas de habitação definiram o comportamento e a moral dos “favelados” como algo a ser combatido e superado nesse novo ambiente de moradia, que deveria ser marcado por princípios e valores que se traduziam em categorias como “civilizado”, “urbano” e “cristão”. Essas políticas de moradia, assim como muitas outras,  tiveram um papel essencial no processo de gestão da população pobre do Rio de Janeiro pois traziam, por meio de um controle direto, de uma proposta educativa ou por um conjunto de normas, um enredo civilizatório que marcaria a passagem do indivíduo da condição de “favelado” para a de “cidadão”. O presente trabalho se constrói a partir de análises de bibliografia e de documentos especializados e de impressões e dados colhidos durante o trabalho de campo em um dos condomínios do Programa Minha Casa Minha Vida.

Palavras-chave: Habitação popular – disciplinarização e moralização – favela.

 

 

Sesion 4: Moralidades y uso de la fuerza en “periferias”

 

 

“PARA LOS QUE DECÍAN QUE NO IBA A VENIR, ACÁ ESTOY”. UN ANÁLISIS ETNOGRÁFICOSOBRE EMOCIONES Y ACUSACIONES MORALES A PARTIR DE UNA MUERTE EN LA COMISARÍA.  

Agustin Villarreal. Universidad Nacional de Córdoba-FfyH; agus.villarreal1901@gmail.com

 

El 23 de octubre de 2013 moría un joven de 17 años en la comisaría de Capilla del Monte (Córdoba), mientras los policías traducían el suceso como un suicidio, la sospecha familiar llevaba a denunciar la muerte como un hecho de violencia policial.

Esto generó que vecinos de la localidad se manifestaran en contra de esta muerte. Como consecuencia, algunos de ellos vecinos construyeron una Asamblea y comenzaron a reunirse semanalmente en la plaza central de la ciudad, con la participación de la familia. Con el surgimiento de este grupo empezaron a surgir disputas entre sus miembros, que terminaron provocando el distanciamiento familiar.

Para este artículo se va a trabajar en torno al primer aniversario de la muerte del joven, procurando analizar los hechos que se dieron alrededor y que generaron ese distanciamiento familiar a partir de las acusaciones sobre el uso político del muerto. Para ello se busca comprender la dimensión emocional de los familiares y asambleístas, a partir de la construcción de valores morales que se ponen en juego. Así, se busca observar cómo esas prácticas acusatorias, desarrolladas durante este aniversario, son movilizadas por emociones que responden a un universo moral de los sujetos.

Palabras claves: Capilla del Monte- muerte- aniversario- emociones- acusaciones morales.

 

 

LA EXPERIENCIA DE LOS FAMILIARES DE LOS JÓVENES MUERTOS FRENTE A OTROS JÓVENES:  UNA PERSPECTIVA EN LA RECONSTRUCCIÓN DE BIOGRAFÍAS JUVENILES EN LA ZONA SUR DE LA CIUDAD DE BUENOS AIRES

Alejandro Marcelo Villa. Investigador asociado, Consejo de Investigación en Salud/Ministerio de Salud/GCABA.  Instituto Universitario de Ciencias de la Salud/Fundación H. A. Barceló.  Instituto de Investigaciones Gino Germani/FCS/UBA; alejandrovilla2001@yahoo.com.ar

 

El trabajo presenta resultados preliminares de un estudio más amplio realizado con familiares de jóvenes, entre 15 y 25 años, muertos frente a otros jóvenes.

Utilizamos un diseño cualitativo, exploratorio y descriptivo; compuesto por la reconstrucción de ocho biografías juveniles, mediante un conjunto de entrevistas semiestructuradas (Leclerc-Olive).

Tomando como punto de partida literatura previa de diferentes campos:  antropología y sociología de las moralidades (Noel, Balbi, Werneck), sociología de las disputas sociales (Boltanski), sociología de la memoria (Halbwachs), la antropología del dolor (Das) y  el psicoanálisis (Butler), se busca conceptualizar la noción de experiencia de los actores.

El trabajo se propone discutir tres “contextos de experiencias” de los actores, los que se vinculan entre sí (Cefai):

 

  1. La ruptura y reordenamiento de relaciones sociales que se producen tras la muerte de un joven.
  2. La dimensión cognitivo-moral presente en la disputa social que origina la muerte.  Efectivización de pensamientos sociales previos acerca de la posible muerte y el debate posterior en torno de diferentes valores.
  3. Imágenes que desencadena la muerte en los cuerpos, en la percepción y en el pensamiento de los actores. 

Palabras claves:  jóvenes, violencia interpersonal, muerte.

 

 

CONFIGURAÇÕES RECENTES NAS FAVELAS CARIOCAS: TRÊS CENAS DA PACIFICAÇÃO

            Daniel Soares Rodrigues

Doutorando em Sociologia pelo IESP/UERJ

danielsoaresrrodrigues@gmail.com

Rachel Barros de Oliveira

Doutoranda em Sociologia pelo IESP/UERJ

            r.barrosdeoliveira@gmail.com

Thiago Oliveira Lima Matiolli

Doutorado em Sociologia pela USP

thiagoolmatiolli@gmail.com

 

Três cenas, três espaços distintos do Rio de Janeiro: policiais de uma Unidade de Polícia Pacificadora se negam a fazer o registro e encaminhar um caso de homicídio entre vizinhos, em uma favela da cidade; noutra, o capitão da UPP se coloca como mediador entre a “comunidade pacificada” e os demais órgãos e serviços do poder público; por fim, em articulação com os meios de comunicação, nota-se o esforço em criminalizar a atuação organizada de moradores de um complexo de favelas, afirmando sua filiação a interesses do grupo varejista das drogas nesse espaço.

As situações descritas acima iluminam alguns efeitos possíveis do deslocamento das preocupações da segurança pública de uma linguagem universalizante, a dos direitos, em que sua função é o controle da ação do poder repressivo para a “linguagem da violência urbana”, nos termos de Machado da Silva, em que ela é reorientada para a manutenção da ordem e a regulação da rotina ordinária na cidade, de modo a afastar os agentes definidos como ameaçadores da vida cotidiana.

Desses efeitos, a partir das descrições acima, esse trabalho pretende mapear a reinvenção da ação policial no espaço favelado, entendido como margem produzida pelo Estado: fugindo de suas funções ordinárias no restante da cidade, se propondo a ser um interlocutor das agências estatais com os moradores das favelas pacificadas ou ainda articulando um discurso hegemônico que enquadra as manifestações populares como orquestradas pelo tráfico. Articuladas, essas ações tem força de convencimento, na opinião pública, sobre a importância e positividade da “pacificação”.

Quinze anos depois da afirmação de que a favela venceu, mas não os favelados, esse trabalho sugere que a UPP venceu, mas é preciso perguntar o quanto ganharam os “pacificados”.

 

           

PÂNICO E DISPUTAS MORAIS EM UM BAIRRO PERIFÉRICO DA CIDADE DE JOÃO PESSOA, PB

Prof. Dr. Mauro Guilherme Pinheiro Koury (GREM/UFPB - Brasil)

Drando. Raoni Borges Barbosa (GREM/UFPE - Brasil)

 

Esta comunicação aborda a disputa moral em um regime de pânico instaurado pela mídia sob o impacto da “Chacina do Rangel” no cotidiano dos moradores do Varjão/Rangel, bairro de João Pessoa, Paraíba. A chacina de sete membros de uma mesma família por parentes colaterais em razão aparente de uma repartição desigual de uma galinha foi amplamente explorada pela mídia local, poder público e igreja, desatando uma situação de pânico e disputa moral na cidade e no bairro. O evento que envolveu duas famílias ligadas por um regime de reciprocidade e gratidão, a torpeza dos motivos e os atos de crueldade transformaram o episódio em assunto público, exigindo uma resposta imediata da cidade à tragédia, e do bairro, em estado de choque, face ao evento que os desqualificava moralmente. A banalidade da chacina, e o pânico moral montado pela mídia, colocaram o bairro do Varjão/Rangel em evidência na cidade, ocasionando uma série de atitudes de moralização e controle pelo poder público, pela mídia e pela igreja. Esta comunicação discute uma das formas visíveis de disputa moral acontecida logo após a chacina: a busca de criação de um santuário em memória das vítimas da chacina no local da tragédia pelos moradores e as negociações, tensões, desentendimentos e impasses em torno da possibilidade de sua construção, junto ao processo desencadeado pelo poder público de pacificação do bairro, assumindo o estigma do lugar como violento e perigoso.

Palavras-chaves:chacina, pânico e disputa moral, vergonha desgraça, bairro do Varjão/Rangel, cidade de João Pessoa-PB.

 

 

 

GENTRIFICACIÓN, “INSEGURIDAD” Y LA SOFISTICACIÓN DE LA VIOLENCIA: EL CASO DE LAS “POLÍTICAS DE REVITALIZACIÓN” EN LA CIUDAD DE CURITIBA, BRASIL

Dr. Pedro R. Bodê de Moraes

Universidade Federal do Paraná.

Mst. Carolina Cravero Bailetti.

Universidade Federal do Paraná.

carolcraverobailetti@gmail.com

carol_cravero@hotmail.com

 

Este trabajo se propone explorar la relación que existe entre las llamadas “políticas de revitalización” de los centros, en su tensión centro/periferia, con discursos e imaginarios sobre inseguridad en las ciudades latinoamericanas y sus efectos gentrificadores.

Se presentará un estudio de caso comprendido en una investigación cualitativa que está llevándose a cabo en la ciudad de Curitiba, Brasil, donde se comenzó a ejecutar la “recuperación del centro” de la ciudad. Este proceso se denominó desde el discurso oficial como “revitalización” y cuenta con su calle emblemática: la “Rua São Francisco” que en los últimos tres años pasó de ser un espacio “cracolândia” a la última moda entre los jóvenes que se identifican con ciertas expresiones culturales “alternativas/hípster”.

El caso de Curitiba muestra como el planeamiento urbano puede tornarse una poderosa estrategia de seguridad en sí mismo ante la demanda de “lugares seguros” por parte de las clases medias y altas. De esta manera, se configura una tensión protección (de los ricos) – represión (de los pobres y marginados) que produce ciudades latinoamericanas cada vez más segregadas, donde los territorios y el espacio público se convierten en instrumentos de estratificación que dan cuenta de la interseccionalidad de una diversidad de categorías socio-antropológicas: clase, raza-etnia, sexo-género, edad.

Por otro lado, permite identificar claramente la dimensión aséptica del capitalismo, donde determinados espacios públicos deben ser protegidos y limpiados (Douglas, 1973) de la presencia de grupos y prácticas consideradas “indeseables”, diseñando fronteras sociales y geografías morales. De esta manera la gentrificación resulta una sofisticación de la violencia por la cual ciertos grupos sociales a través del poder económico se hacen con el espacio público, siendo los aparatos del Estado instrumentos mediadores que intervienen para proteger dicho privilegio (Díaz Parra, 2012).   

Palabras clave: Violencia – Fronteras – Inseguridad – Moralidades – Gentrificación.

 

 

“TEM A LEI DE VOCÊS E TEM A LEI DO CRIME”: UMA PESQUISA SOBRE MORALIDADES ENTRE JOVENS EM CONFLITO COM A LEI NO DISTRITO FEDERAL

Sophia Prado. Mestranda em Antropologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, especialista em Teoria Geral do Crime pela Universidade de Coimbra e pelo Instituto Brasileiro de Ciências Criminais (2014), graduada em Direito pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2013). Advogada Criminalista. Membro do Foro Latinoamericano de Antropología del Derecho-FLAD; sophialucprado@gmail.com

 

O trabalho proposto é resultado de uma pesquisa etnográfica realizada em uma unidade de internação para adolescentes em conflito com a lei, todos eles ex-moradores de cidades da periferia de Brasília. Articulando com essa condição peculiar de convivência com uma realidade, para eles, inatingível, que é a do Plano Piloto, pretendo refletir de que forma isso é capaz de influenciar a escolha pela vida no crime bem como pensar sobre as noções de moralidade por eles desenvolvidas ao fazerem a opção pela criminalidade. Como afirma Misse (1999), diante de um contexto em que a transgressão é percebida como um atributo do indivíduo transgressor, surge uma espécie de subcultura de sujeição criminal que passa a ser incorporada pelo próprio indivíduo que se encontra nessa condição. Dessa forma, o sujeito reconhece essa classificação social excludente e, de certa maneira, a assume, porque é o que sabe que representa para esse ente externo a ele: a sociedade. Por outro lado, o fato de ter que lidar com essa condição parece exigir desse sujeito uma necessidade de racionalizar seus atos para criar uma ideologia autojustificadora (BECKER, 1977) que os neutralize. Com isso, eles passam a desenvolver um senso de moralidade que não os condene mas, ao contrário, os conceda honra e prestígio, contexto em que surge a chamada “lei do crime”. Apesar disso, tampouco abandonam completamente a moral legítima dominante, o que os insere em uma situação peculiar de liminaridade (TURNER, 1974).

Palavras-chave: Adolescentes em conflito com a lei; Distrito Federal; Sujeição criminal; Moralidades.

 

 

“AQUI ROLA MUITA SACANAGEM”: UPPS, “ESTICAS” E “ACORDO DE CAVALHEIROS” NO COMPLEXO DO ALEMÃO

Vinicius Esperança (viniciusesperanca@globo.com) Mestre em Ciências Sociais pela UFRRJ; Doutorando em Sociologia pelo IESP-UERJ

 

O objetivo deste trabalho é analisar, a partir de etnografia realizada no conjunto de favelas do Complexo do Alemão (RJ), formas pelas quais os agentes do estado gerem a nova forma de ocupação do território através das Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). Entendo a ação destes agentes como determinadas por dispositivos de controle que objetivam uma gestão moral da vida e do cotidiano das populações locais, que vai além do controle das armas e da repressão ao tráfico de drogas. Investigo três situações aos quais considero simbolicamente relevantes para o entendimento das tensões, aproximações e resistências do encontro das populações locais com certos agentes do estado, os policiais militares: a negociação para liberação de eventos culturais; as abordagens policiais àqueles que têm "atitudes suspeitas"; e as patrulhas realizadas pelos GTPPs (Grupamentos Táticos de Polícia de Proximidade) em busca de drogas e armas pelos becos e vielas do território. Desta forma, pretendo entender alguns aspectos que considero vitais para a discussão dos dispositivos acionados pelo estado na ocupação e gestão das populações faveladas em território sob controle das UPPs.

Palavras-chave:  Favela; Segurança Pública; Moralidades; Polícia; Estado.