RESUMEN GRUPO DE TRBAJO 116

GT 116. “ACTORES SOCIALES, POLÍTICAS CULTURALES Y PERFORMANCES EN CIUDADES CONTEMPORÁNEAS”

Coordinadores:

Renata de Sá Gonçalves (Universidade Federal Fluminense - Programa de Pós-graduação em Antropologia) - renatagoncalves@id.uff.br

Dra. Julieta Infantino (CONICET/ Sección de Antropología Social, Instituto de Ciencias Antropológicas, Universidad de Buenos Aires) - julietainfantino@yahoo.com.ar

Dr. Hernán Morel  (CONICET/ Sección de Antropología Social, Instituto de Ciencias Antropológicas, Universidad de Buenos Aires) - hermorel@hotmail.com

Comentarista: Dra. Alessandra Siqueira Barreto (Universidade Federal Fluminense - Programa de Pós-graduação em Antropologia) - asbarreto@id.uff.br

 

 

SESIÓN 1: Usos del arte, performance y activismo (político) en el espacio público de las ciudades contemporáneas

 

POLÍTICAS DA RUA: MANIFESTAÇÕES, POLÍTICA E CULTURA ENTRE IMIGRANTES BRASILEIROS EM LISBOA (PORTUGAL)

Alessandra Siqueira Barreto (UFF)

Este trabalho procura, por meio da etnografia de manifestações de imigrantes ocorridas em Lisboa durante 2008 e 2009, refletir sobre as formas de engajamento de imigrantes, especialmente de brasileiros, a partir da interseção entre associativismo e construção de arenas públicas ao colocar em destaque o papel da rua e de alguns espaços da cidade como fundamentais para a construção de um sistema de visibilidade e atuação política para os imigrantes e associações na cidade de Lisboa. Nesse sentido, a rua é um espaço de mediação e os espaços públicos ganham conotação de campo privilegiado para as performances políticas e culturais desses grupos. “Estar nas ruas” é um dos caminhos para se legitimar como porta-voz dos  grupos imigrantes, assim como criar e desenvolver práticas e estratégias no exercício de processos de mediação política e cultural.

 

MOVIMIENTOS ACTIVISTAS URBANOS Y LA OCUPACIÓN DE LOS ESPACIOS PÚBLICOS

Analice Ohashi da Trindade (Universidad Federal de Paraná).

 

El activismo urbano ha ido ganando fuerza en las grandes ciudades y su objetivo es producir cambios en la ciudad a través de la interacción de la gente con los espacios públicos. Al hablar sobre el proceso de urbanización de las grandes ciudades, algunos de los argumentos más frecuentes se refieren al aumento de la violencia urbana, la contaminación, el aumento de la privatización de la vida colectiva, al deterioro y el abandono de los espacios públicos. Por lo tanto, como una alternativa al proceso de deterioro de las ciudades, hay nuevos movimientos activistas urbanos que proponen la apropiación de los espacios públicos y una nueva experiencia de la ciudad. Las acciones se oponen a la segregación socio-espacial, la violencia y el individualismo que promueven el vaciado de los espacios públicos y proponen una reflexión sobre la ciudad como forma de vida - sana, sostenible, humano, interactiva y participativa. A través de actividades de jardinería, artes, artesanías y acciones performácticas, estos grupos reunen personas con intereses comunes, mientras que actúan políticamente. Traté de pensar en la aparición de estos nuevos movimientos activistas, especialmente aquellos que proponen el uso y ocupación de espacios públicos, buscando investigar cual la forma utilizada por ellos para intervenir en la ciudad.

 

 

PRÁCTICAS ARTÍSTICO-COMUNITARIAS EN LA CIUDAD DE BUENOS AIRES ¿NUEVAS MIRADAS ACERCA DEL ARTE Y LA POLÍTICA?

 

Camila Mercado (CONICET/UBA)

Este trabajo se propone reflexionar acerca de la relación entre arte y política a través del caso del teatro comunitario en la Ciudad de Buenos Aires. Entendemos que esta práctica despliega una particular concepción del arte y de la política, así como de la relación entre ambas. El primero de estos grupos comienza su experiencia en los '80 con la expansión del teatro callejero en la ciudad como una vía de recuperación del espacio público y de denuncia frente a la represión de la última dictadura militar. Luego de veinte años de trayectoria se inicia un proceso de difusión de esta práctica en el contexto de crisis de 2001. En este marco, donde muchas experiencias sostuvieron la lucha cultural como una lucha política, se multiplicaron los grupos de teatro comunitario. Esta propuesta teatral se define como un “teatro de la comunidad para la comunidad” y una de sus características es su conformación por vecinos/as de los barrios. Entendemos que la propuesta de estos grupos esta vinculada a ciertos usos y representaciones acerca del espacio urbano y de lo comunitario. Así, nos preguntamos ¿Qué implicancias tiene esta forma de acceder a la práctica artística en las concepciones acerca del arte y la política que tienen estos actores?

Esta ponencia parte de los resultados de nuestra tesis de licenciatura en Antropología acerca del posicionamiento del teatro comunitario en el campo teatral porteño. Nos proponemos retomar algunos aspectos de este trabajo para repensarlos bajo los interrogantes de nuestra actual investigación doctoral.

 

 

O TEATRO: IMPLICAÇÕES PARA O MOVIMENTO SOCIAL DE SURDOS

Maria Izabel dos Santos Garcia (Universidade Federal do Rio de Janeiro)

 

Como uma nova forma de marcador territorial, a comunidade de surdos brasileira cria no Rio de Janeiro, em 1989, o CIACS (Centro de Integração de Arte e Cultura dos Surdos). Trata-se de uma organização não governamental, dirigida tanto por surdos quanto por ouvintes e tem como principal objetivo a implementação de projetos sociais que visem o desenvolvimento das atividades artísticas e culturais de surdos.Grande parte dos integrantes do CIACS são atores surdos veteranos que, através de sua experiência, transmitem através de sua arte o sentido do corpo na expressão cênica. O mote principal desse trabalho foi o entendimento de como o teatro dos surdos contribui na luta desse grupo social. Desse modo, o CIACS busca atenuar a lacuna existente na área artística adotando linhas de ação que atendam suas necessidades culturais, utilizando a LIBRAS como forma de comunicação e expressão, procurando assegurar não só uma inclusão social plena, mas também a autonomia dos surdos. Recentemente, membros do CIACS, através da aproximação com o Grupo Moitará, desenvolveram técnicas cênicas que exploram as expressões miméticas com o uso de máscaras. A adoção dessa técnica possibilitou a acessibilidade de ouvintes nas suas apresentações teatrais. A presente proposta pretende apresentar um recorte etnográfico desse movimento social importante no conjunto de estratégias dos surdos brasileiros para minimizar senão o estigma, ao menos colocar o debate em torno das questões que impõem barreiras entre surdos e ouvintes, entre minoria e maioria, entre “eles” e “nós”.

 

INTERVENSIONES PUBLICAS PERFORMATICAS: (DES)MONTAJE DE  ESPACIOS, PRÁCTICAS Y SUJETOS. REFLEXIONES SOBRE LA PERFORMANCE ARTÍSTICA DE UN COLECTIVO FEMINISTA

 Sofia Menoyo (SeCyT – UNC)

 

En el presente trabajo pretendemos reflexionar sobre las prácticas artísticas de un grupo de mujeres feministas que proponen el espacio público como soporte de sus obras y el cuerpo como elemento  que reconfigura dicho espacio. En tal sentido indagaremos sobre la Intervención Pública “Escrito con fuego” realizado por el grupo de Artistas Activistas Feministas “Hilando Las Sierras”, de la Ciudad de Río Ceballos provincia de Córdoba, Argentina; con el objetivo de dar cuenta de las particularidades que presentan dicha producciones en tanto performance en espacios públicos, obras artísticas y herramienta política. Nos interesa pensar los (des)montajes que estas “Intervenciones públicas performáticas” proponen. Los procesos subjetivos y colectivos que se develan en formas poéticas hibridizadas. En este sentido las “Intervenciones públicas performáticas”, en tanto performance como una categoría que conjuga activismo,  manifestación estética con carácter político y expresiones sociales, trascendiendo dichos campos se instalan en el espacio público (Taylor D) se conjuga con significaciones corpóreas (Butler) (re)configurando espacios, prácticas y sujetos. Recorreremos algunas caracterizaciones relacionadas con el arte activista y el  performance, he indagaremos en las interpelaciones que el análisis crítico desde las teorías y practicas feministas  incorporan en las producciones del grupo de artísticas y en los procesos subjetivos, vinculares y de interrelación, en el devenir de nuevas identificaciones y agenciamiento.

 

CORPO TRANSGRESSÃO: O VIVO QUE TRANSBORDA NO ESPAÇO

Camile Vergara

 Jorge William Agudelo

 Ali Salem Hasan

O trabalho consiste na apresentação etnográfica e audiovisual dos corpos em ação abordados na pesquisa de mestrado Corpo Transgressão: Manifesto Performance (um estudo sobre a economia política do corpo em performances de rua no Rio de Janeiro). O estudo dialoga com o projeto “Nuevas Fronteras de Control” desenvolvido na Colombia, pelo coletivo Antena Mutante, que analisa a emergência de novas fronteiras, muitas delas invisíveis, colocando em conexão, Rio de Janeiro, Medellin e territórios palestinos. Entendemos os estudos de performances no âmbito das resistências aos processos de globalização e militarização das cidades como uma forma de abordar as micro-políticas frente ao desenvolvimento do controle nas metrópoles. A metodologia consiste no deslocamento (espacial e temporal) etnográfico e participação nas performances, atuamos como um laboratório de construção audiovisual, através de cartográfias, documentários expandidos, ensaios fotográficos, projeções em espaços públicos como forma de pensar a conexão entre  a rede e a rua. O campo no Rio de Janeiro abrange situações desde 2007, com o início da formação das assembleias pelo passe livre, estendendo-se até 2013 com as manifestações de junho. São três os coletivos de enunciação estudados:  a emergência da tática Black Bloc, o Coletivo Coiote e o Bloco Livre Reciclato. O que as três performances têm em comum é a tradução de uma estética da violência que atua sobre o imaginário e a memória vinculada aos movimentos sociais. Se utilizam de estratégias escatológicas, ruidosas e destrutivas, que permitem um transbordamento dos corpos e a desterritorialização do espaço. 

 

 

SESIÓN 2: Eventos y prácticas performativas. Nuevas modalidades de circulación y reproducción

 

NOVAS CONFIGURAÇÕES DO TAMBOR DE CRIOULA NA CIDADE: FLUXOS, DINÂMICAS E CRIATIVIDADES NO TAMBOR DE CRIOULA DE SÃO LUÍS –MA

Calliandra Sousa Ramos

 

O Tambor de Crioula é uma das manifestações tradicionais que mantém traços da herança africana presente no Estado do Maranhão. Possui forte caráter religioso e é comumente ligado a entidades das religiões afro-brasileiras como o Tambor de Mina e a Umbanda. A partir do surgimento de atividades artísticas e culturais no centro da cidade de São Luís, alguns grupos de Tambor de Crioula passaram a criar atividades e diálogos com outras manifestações populares de maneira muitas vezes autônoma e fora do circuito turístico implementado pelas políticas públicas e ações de salvaguarda, implementadas a partir do Registro do Tambor de Crioula como Patrimônio Imaterial. Dentre estes grupos, destacamos o Tambor de Mestre Amaral ,um grupo e espaço destinado às rodas de Tambor de Crioula que tem garantido cada vez mais visibilidade e interesse por parte de vários grupos sociais, dialogando com outras manifestações artísticas, turismo, mídia e religiosidade afro-brasileira. A partir desses movimentos o Tambor de Crioula de Mestre Amaral garante novos espaços e circula por outras cidades, festivais de arte e encontros entre culturas tradicionais sendo extremamente aberto aos fluxos culturais presentes desde a área em que se encontra e fora dela. Pretende-se neste trabalho compreender as possíveis interações e ressignificações presentes no grupo que se organiza no centro urbano da cidade de São Luís, apreendendo como esses grupos se situam na cidade de São Luís e fora dela a partir de experiências de mobilidade artística e cultural.

 

 

“TODO CARNAVAL TEM SEU FIM”?: AS NOVAS CONFIGURAÇÕES DO CARNAVAL DOS BLOCOS DE RUA NA CIDADE DO RIO DE JANEIRO

Marina Bay Frydberg (Universidade Federal Fluminense)

 

O século XXI trouxe consigo a expansão do carnaval dos blocos de rua na cidade do Rio de Janeiro. Em proporções cada vez mais expressivas, tanto no número de blocos quanto de foliões, o carnaval de rua expandiu o calendário anual da festa na cidade e impulsionou uma nova organização da celebração carnavalesca, tanto por parte do poder público quanto dos blocos. Inserida nesta recente valorização de brincar o carnaval, os blocos de rua na cidade do Rio de Janeiro se veem em meio a uma discussão entre o aumento da rentabilidade econômica através da mercantilização da/na festa, associada à sua profissionalização, e a valorização de práticas tradicionais de se brincar o carnaval através da discussão da sua patrimonialização. Tendo como base a pesquisa etnográfica, busca-se compreender o processo pelo qual vem passando os blocos de rua na cidade do Rio de Janeiro, problematizando os múltiplos significados para a noção de tradição carnavalesca, associada, as noções de profissionalização e de mercantilização da/na festa. Pretende-se pensar no espaço/tempo da festa, e especificamente do carnaval dos blocos de rua na cidade do Rio de Janeiro, como lugar político de reivindicação e luta pelo direito à cidade. Entender as novas configurações do carnaval dos blocos de rua na cidade do Rio de Janeiro é pensar a festa como espaço de sociabilidade, mas também de trocas econômicas, políticas, sociais e afetivas.

 

 

MÚSICO É COMO PASSARINHO, VAI FECUNDANDO OS LUGARES POR ONDE PASSA”: APONTAMENTOS SOBRE A DISSEMINAÇÃO DO CHORO NO BRASIL E NO MUNDO

Carolina Gonçalves Alves (PPCIS / UERJ)

O objetivo deste trabalho é compreender a disseminação do choro a partir de seus novos contextos de produção que imbricam na criação de mercado, formação de plateia e construção da identidade do músico. Trata-se de investigar as formas de apropriação do gênero por novos chorões e refletir sobre sua inserção em novos contextos. Para compreender o processo de disseminação e expansão dos ambientes de choro faz-se importante mapear as experiências dos músicos e dos espaços em que circulam. Essas relações serão analisadas à luz dos esforços feitos por músicos cariocas, sobretudo os vinculados à Escola Portátil de Música, criada em 2000, e à Casa do Choro, inaugurada em 2015. A estratégia desenvolvida pelos músicos ligados a essas instituições proporcionou parcerias com músicos de Recife, Brasília, Minas Gerais, mas também de países como Japão, Holanda e França. Este trabalho propõe reflexões sobre a criação de ambientes de choro, com foco nas iniciativas dos grupos que se reúnem para tocá-lo. As reuniões de choro podem acontecer em instituições formais, como clubes ou escolas, ou de forma menos organizada, onde a única motivação é a vontade tocar. Essa empreitada, impulsionada pelo desejo de criar ambientes de choro, une paulistas, mineiros, cariocas e pernambucanos a holandeses, franceses, japoneses e portugueses.  Analisar a propagação do choro a partir dos sujeitos que o elaboram, do universo relacional em que se insere e das estruturas interpretativas que se formam em cada contexto é essencial para compreender a difusão do gênero musical e sua veiculação como bem global.

 

DANZA Y TRANSFORMACIÓN SOCIAL: SENTIDOS DEL MOVIMIENTO-MOVIMIENTO SENTIDO. UN ANÁLISIS DEL PROCESO DE PRESENTACIÓN DE LA LEY NACIONAL DE DANZA EN ARGENTINA

 

Ana Echeverría (Facultad de Filosofía y Letras / UBA)

En esta ponencia voy a analizar el proceso abierto en torno a la presentación de una propuesta de “Ley Nacional de Danza” ante el Congreso de la Nación Argentina. Proceso que incluye debates y tensiones en torno a maneras diferenciales de concebir la gestión de políticas públicas para la danza, así como una diversidad de modalidades de participación social y política mediante flashmobs (acciones instantáneas interpretadas por una multitud que luego se separa), performances en el espacio público urbano y clases maestras dictadas en ámbitos no convencionales, entre otras. A su vez, este proceso dio origen a nuevos espacios de organización y participación como el Foro Danza en Acción. Me interesa analizar los sentidos asignados a la danza como “portadora de identidad cultural” y “creadora de valor simbólico” tal como aparece en la fundamentación de la propuesta de Ley. Y como herramienta para la transformación social que promueva, por ejemplo, el incremento de oportunidades más igualitarias de acceso a la práctica, circulación y producción artística. Este debate perfila la adopción por parte de docentes, coreógrafos, bailarines, investigadores, críticos, gestores y productores, de una nueva manera de relacionarse con el Estado y con la propia disciplina. A su vez evidencia diferentes modos de concebir la danza en torno a las funciones estética, política y social.

 

 

SOM DOS SINOS - TECNOLOGIA E NOVAS MÍDIAS PARA PROMOÇÃO DO PATRIMÔNIO IMATERIAL

Marcia Mansur de Oliveira

 

A tecnologia digital pode atuar na valorização de bens culturais, fortalecer diálogos e a compreensão entre culturas. Como as novas gerações reagem, interagem ou criam novas formas de expressar seu patrimônio cultural? Em Minas Gerais, as cidades de São João del-Rei, Ouro Preto, Mariana, Catas Altas, Congonhas, Diamantina, Sabará, Serro e Tiradentes, são conhecidos mais de 40 toques de sinos, que identificam ritos litúrgicos, mortes, tipos de missas, partos, incêndios, horários sacros. O "Som dos Sinos", é um projeto multiplataforma e pioneiro na utilização de novas mídias para a divulgação do patrimônio imaterial. Tendo como foco o Toque dos Sinos e o Ofício de Sineiro, bens culturais registrados como patrimônios culturais imateriais brasileiro, o projeto trabalha com a combinação entre memória e novas tecnologias, cartografia sonora, engajamento da sociedade civil e valorização dos indivíduos detentores dos saberes registrados como patrimônio. Através de plataforma multimídia com navegação interativa, documentário de longa metragem, intervenção pública e aplicativo para dispositivos móveis com cartografia sonora, o "Som dos Sinos" estabelece canais de acesso ao imaginário ao mesmo tempo em que revela identidades culturais e desperta memórias e afetos. Este artigo apresenta uma etnografia desta experiência de promoção do patrimônio cultural imaterial à luz das teorias sobre políticas públicas de salvaguarda.

 

 

PERFORMANCES BÉLICAS: CULTURAS POPULARES, PATRIMÔNIOS E FESTIVAIS

Patricia Silva Osorio  (Universidade Federal do Mato Grosso)

A realização de festivais voltados à exibição de formas expressivas populares é recorrente em todo o mundo. A recente literatura antropológica tem enfocado tais eventos festivos a partir de sua associação aos processos de espetacularização, turistificação, objetificação, mercantilização e patrimonialização da cultura. Partindo de um caso etnográfico, os Festivais de Cururu e Siriri, realizados em Cuiabá, capital do estado de Mato Grosso, Brasil, a proposta de comunicação visa pensar os festivais como campos de batalhas, pontuando embates pela ocupação de espaços na cidade e reivindicações identitárias. O período de realização do primeiro festival coincide com as iniciativas para o registro da viola de cocho e do complexo musical, coreográfico e poético que o instrumento integra -  o siriri e o cururu - como patrimônios imateriais brasileiros. Os processos de patrimonialização e fluxos estabelecidos com o poder público local são partes constituintes do Festival. A intenção desta comunicação é a problematizar o complexo jogo performático encenado por diferentes agentes e constituído por interações sociais alicerçadas em redes de parentesco, vizinhança e pela ideia de tradição, mas também pelo entretenimento, pela mídia, pelo turismo, pelas políticas patrimoniais e pelas esferas administrativas e políticas locais.

 

SESIÓN 3: Patrimonio, fiestas y espacios de sociabilidad. Apropiaciones y políticas culturales 

 

UM CARNAVAL NO DIMINUTIVO: FESTAS, CIDADES E SUAS ESCALAS

 

Juliana Braz Dias (Universidade de Brasília)

A relação entre os festejos de carnaval e a cidade do Rio de Janeiro é abordada em um conjunto notável de estudos de cunho antropológico. Seguindo a vocação comparativa da disciplina, proponho neste trabalho retomar a temática a partir do exercício de comparação com outro contexto cultural. Nas ilhas atlânticas de Cabo Verde, e particularmente na Cidade do Mindelo, o carnaval desenvolveu-se como uma das principais festas populares. E o Rio de Janeiro é importante fonte de inspiração para o entrudo cabo-verdiano. Entre tantas semelhanças observáveis, um dos pontos de maior contraste entre o carnaval nas duas cidades diz respeito à questão da escala. Mindelo tem aproximadamente 70.000 habitantes, enquanto o Rio de Janeiro abriga cerca de 13 milhões de pessoas. Apesar de a população de Mindelo nutrir significativa autoconsciência sobre seu tamanho reduzido, começa a enfrentar recentemente a necessidade de reavaliar as dimensões do seu carnaval. As ruas que tradicionalmente foram palco para a festa começam a se mostrar pequenas para Grupos de Carnaval com até 3.000 integrantes, carros alegóricos cada vez maiores e um público crescente, que inclui turistas ao lado da população local. A alternativa mais apropriada seria a construção de um sambódromo como já feito no Brasil? A pergunta continua gerando reflexões e poucas certezas diante das alterações que provocaria no estilo cabo-verdiano de brincar o carnaval. Para além da etnografia, este trabalho se apoia no uso de recursos audiovisuais como estratégia metodológica para acionar a questão das escalas e dos significados a elas atribuídos.

 

 

 

 

 

 

A QUADRA, A RUA E A AVENIDA: HETEROTOPIAS DE UM DESFILE DE CARNAVAL

Felipe Barros (PPGSA/IFCS/UFRJ)

 

Baseada em uma pesquisa etnográfica junto aos ritmistas de uma bateria de escola de samba da cidade do Rio de Janeiro, essa comunicação pretende tratar de como diferentes espaços da cidade são produzidos, imaginados e postos em relação a partir de situações de performance. Utilizando a noção de heterotopia como chave analítica, a comunicação será dividida em dois momentos. Primeiramente, será descrito o processo de construção da sede de uma escola de samba. A comunicação demonstrará como a constituição de tal espaço é atravessada por uma complexa rede de interesses que envolvem o poder público e uma diversidade de grupos sociais urbanos. Mais ainda, será explicado como esse espaço é utilizado pelos atores como um marco temporal dentro de narrativas históricas e um demarcador de distinções sociais. Em seguida, o foco da comunicação será para o processo de preparação dessa escola de samba para o carnaval.  A descrição se concentrará em três unidades analíticas: o desfile carnavalesco no sambódromo (local onde são realizados os desfiles no Rio de Janeiro), os ensaios na sede da escola de samba e os ensaios nas ruas do bairro. Nesse momento, a intenção será demonstrar como a experiência do desfile carnavalesco é constantemente experimentada e revivida ao longo dos ensaios através de técnicas corporais, procedimentos performáticos e resignificações do espaço urbano.

 

 

CIRCUITO DE SOCIABILIDADES: BAIANAS DENTRO E FORA DO DESFILE CARNAVALESCO NO RIO DE JANEIRO

Renata de Sá Gonçalves (Universidade Federal Fluminese)

Marina Morena Rosa Alves (Universidade Federal Fluminense)

O presente trabalho insere-se no universo mais amplo das festas populares urbanas, e se delimita ao estudo das “tias” baianas e de suas práticas no âmbito da cidade do Rio de Janeiro. A baiana é considerada um dos principais símbolos nas representações da identidade nacional brasileira, e sua importância e valor ritual são expressos pela obrigatoriedade de sua presença nos desfiles das escolas de samba, e do número de integrantes na ala. A partir do estudo antropológico sobre a ala das baianas e das baianinhas da agremiação Portela, a pesquisa tem como foco investigar e analisar como determinadas trajetórias sociais de baianas, pertencentes a distintas gerações, se destacam nas escolas de samba, bem como compreender o circuito de sociabilidade da ala, composto por eventos articulados ao calendário festivo das agremiações carnavalescas cariocas. Com base nos relatos das baianas, constatou-se o gradativo falecimento de integrantes e ainda a ausência de projetos de renovação da ala. Nesse contexto, uma das estratégias de “perseverar” e dar continuidade à inventividade das tradições é percebida no trabalho de associações voluntárias com projetos de caráter cultural e social, tal como o trabalho desenvolvido no Centro Cultural Cartola,  sobre o qual falaremos no cenário das políticas públicas culturais e de preservação do patrimônio imaterial no Rio de Janeiro.

 

ORGANIZANDO LA MILONGA: ESPACIOS DE BAILE, ASOCIACIONES Y POLÍTICAS CULTURALES EN LAS MILONGAS DE BUENOS AIRES

Hernán Morel (CONICET/UBA)

 

En este trabajo analizamos los espacios de baile de tango, comúnmente conocidos como milongas en Buenos Aires (Argentina), advirtiendo las interrelaciones que estos lugares bailables (generalmente ubicados en salones, en clubes barriales, en sociedades vecinales o en centros culturales) establecen con distintos actores sociales, organizaciones asociativas afines y políticas culturales públicas. En principio, relevamos la literatura que ha dado cuenta de la actividad interna de estos espacios y eventos locales, destacando sus principales características. En nuestro caso, nos proponemos examinar una serie de actividades conexas y aspectos organizativos que posibilitan e inciden en  el despliegue de este tipo de eventos culturales. Considerando que estos espacios de baile no están escindidos de un contexto y un encuadre mayor que los afecta, analizamos las instancias de colaboración y conflicto que emergen entre los encargados de llevar adelante y gestionar su realización. Para ello abordamos las articulaciones y las relaciones variables que las milongas establecen entre sí, el accionar de sus organizaciones asociativas y la intervención de las políticas públicas, con miras a comprender las problemáticas locales y las demandas específicas que emergen en torno a estos lugares bailables, en la actualidad reconocidos como patrimonio cultural por las agencias oficiales.

COISAS DO REINADO: ESTUDO SOBRE OBJETO; FESTA E EXPERIÊNCIA COLETIVA EM RIBEIRÃO DAS NEVES/MG

Juliana Garcia Corrêa (PPGAN/UFMG; MG/BRASIL)

As irmandades de Nossa Senhora do Rosário em Minas Gerais se constituem como grupos privilegiados para investigar os vínculos que formam as relações sociais.  Boa parte do cenário urbano do estado  foi - e é, notadamente marcado pelos “Festejos de reinados” das distintas irmandades. Nossa participação nas comemorações de uma das Festas de Reinado em Ribeirão das Neves-MG nos inspirou para a realização deste trabalho. A festa entendida como um mecanismo produtor de vinculo social (Perez, 2012) é abordada por meio de seus aspectos materiais. Desse modo, interpretamos  “as coisas do reinado” desenvolvendo a noção de “agência” (Gell, 1998) associada a noção de “performance e experiencia” (Tuner,1987).  Baseados nos dados etnográficos extraídos durante os três dias de festejo na cidade de Ribeirão das Neves procuramos, ao longo do texto, interpretar as maneiras pelas quais os tambores sagrados,  os bastões e os rosários,  tornam-se agentes sociais geradores de vínculo e produzem efeitos sobre a dinâmica da vida social do grupo. Ao final, propomos um debate em torno dos aportes da antropologia dos objetos e da antropologia da performance para o estudo dos  processos de tradução de experiências de escravidão no Brasil.

 

 

 

 

PATRIMONIALIZAÇÃO E PERFORMANCE NA FESTA DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO DO SERRO

                                                                       Joana Ramalho Ortigão Corrêa (PPGSA/IFCS/UFRJ)

Minha comunicação terá como propósito abordar as influências dos estudos de folclore nos processos de patrimonialização da Festa de Nossa Senhora do Rosário do município do Serro (Minas Gerais), primeira cidade brasileira a ter seu conjunto histórico e arquitetônico tombado, em 1938, pelo governo federal. A festa está dentre as mais antigas que se tem notícia no Brasil e, embora tenha seu passado associado à devoção de negros, tornou-se para os serranos de forma mais ampla um espaço privilegiado para a articulação de memórias e movimentação de relações sociais. Participam ativamente da festa grupos de dançantes conhecidos como Catopês, Marujos e Caboclos que podem ser inscritos no que se convencionou como Congado Mineiro. São eles os principais responsáveis pela circulação da festa e seus elementos sagrados na paisagem da cidade. A partir dos anos de 1940, as festas e folguedos populares tornaram-se foco principal do interesse dos estudos de folclore no Brasil. Em Minas Gerais, estudiosos articulados à Comissão Mineira de Folclore elegeram os Reinados de Nossa Senhora do Rosário, ou simplesmente Congado, como um de seus temas centrais e o Serro como um lugar privilegiado para acesso a uma versão “autêntica” desta forma expressiva. Proponho demonstrar que antropólogos, historiadores e estudiosos de folclore como Aires da Mata Machado Filho, Romeu Sabará, Padre Massoti e Maria Eremita de Souza, que registraram a festa em diversos momentos históricos, tiveram participação nos processos de mediação que conformaram como tradicionais alguns dos sentidos, ritos e práticas da festa que se fazem presentes na contemporaneidade.

 

SESIÓN 4: Participación, demanda y gestión en el desarrollo de políticas culturales. Entre los colectivos artísticos y el Estado

 

 

POLÍTICAS ARTE-TRANSFORMADORAS. USOS DEL ARTE (CIRCENSE) PARA LA TRANSFORMACIÓN SOCIAL

Julieta Infantino (CONICET/UBA)

 

En el marco de una diversificación de las políticas culturales, para inicios de los años 1990, aunque con mayor intensidad en los 2000, comienza a desarrollarse un área de políticas (culturales) que postulan al arte como herramienta para la transformación social. Ya sea desde acciones autogestivas en manos de colectivos artísticos y/o experiencias comunitarias o desde el ámbito de las políticas públicas, se multiplican experiencias arte-transformadoras desde los mas diversos lenguajes artísticos. En este trabajo propongo en primer lugar historizar este tipo de estrategias/políticas, focalizando en las asociadas al uso de las artes circenses para trabajar con poblaciones vulneradas en sus derechos, frecuentemente denominadas bajo el concepto de Circo Social. En segundo lugar, teniendo en cuenta el crecimiento y ampliación de este tipo de prácticas tanto en el contexto nacional como internacional, propongo recorrer su especificidad y las disputas que se presentan local y regionalmente para definirlas. En este sentido, analizaré trayectorias y estrategias de trabajo de organizaciones sociales que se identifican con estas propuestas, estudiando los discursos que las sustentan, sus particulares modos de gestión y los sentidos diversos desde los que se las desarrolla.

 

 

ENTRE A BELEZA DO MORTO E A CULTURA VIVA: MEDIADORES DA CULTURA POPULAR NA SÃO PAULO DA VIRADA DO MILÊNIO

Maria Celeste Mira (PUC/SP)

A exposição visa apresentar uma síntese dos resultados da pesquisa de dez anos na cidade de São Paulo, defendida como tese de livre-docência na PUC-SP em 2014.  Sua formulação central é que, atualmente, estamos vivendo um novo momento na história das apropriações do conjunto de práticas ao qual se convencionou denominar “cultura popular”. Desse modo, seu objetivo primordial foi compreender em que medida as ações e representações vinculadas à ideia de cultura popular surgidas a partir de meados dos anos 1980, período em que se dá uma inequívoca retomada do interesse por essas práticas, transformaram, mais uma vez, essa noção. Partindo do princípio de que o conceito de cultura popular é formulado por intelectuais, enquanto mediadores simbólicos entre as classes populares e outros grupos de interesse, a metodologia adotada foi o estudo de agentes culturais atualmente envolvidos com a questão, a saber: os próprios folcloristas, no caso, Antonio Macedo, discípulo de Rossini Tavares de Lima, e seu evento Revelando São Paulo; ONGs, como, por exemplo, a Associação Cultural Cachuera!; gestores culturais públicos, como os paulistanos ligados à extinta Secretaria da Identidade e Diversidade Cultural; e grupos performáticos da cidade de São Paulo, como Cupuaçu, Baque Bolado, Bloco de Pedra, Caracaxá, Babado de Chita  e tantos outros. Após o exame detalhado das produções e crenças dos “novos intelectuais da cultura popular”, concluiu-se haver mudanças importantes em relação ao período folclorista, embora vários traços do velho conceito resistam ao tempo e mesmo se fortaleçam com sua associação à causa da “diversidade cultural”.

 

 

POLÍTICA CULTURAL, JUVENTUDE E USOS DOS ESPAÇOS DA CIDADE: O FESTIVAL DE BANDAS NOVAS EM JUIZ DE FORA, MG

Adrielle Luchi Coutinho Bove (UFJF)

 Rogéria Campos de Almeida Dutra (UFJF)

 

O presente trabalho visa abordar as relações entre politicas culturais e juventude a partir da análise do Festival de Bandas Novas que ocorre em Juiz de Fora, MG. Realizado há 17 anos, este festival tem se apresentado como um dos eventos mais importantes da cena rock da cidade. Ao promover shows de bandas de rock, tanto locais quanto de outras cidades, ocupando praças e ruas, este evento intensifica a interação entre jovens, bem como produz a ocupação do espaço publico, contribuindo para a formação do circuito de jovens na cidade. Partindo da análise da politica cultural como politica pública busca-se compreender a forma como esta interfere no universo da cultura, a partir principalmente da expressão artística. Seja pelo processo institucionalizado e organizacional, seja influenciando as práticas cotidianas, as politicas culturais constroem e reforçam significados, ampliando o alcance, no caso, das possibilidades de lazer, agenciando recursos urbanos locais. O Festival de Bandas Novas, já considerado patrimônio cultural da cidade, pode ser analisado por meio das políticas culturais, por está inserido no debate atual sobre o financiamento de projetos. Por estar relacionado com o poder municipal o evento ocorre em espaços de fácil acesso, geralmente em praças e em espaços cedidos pela prefeitura, além de atuar como forma filantrópica, promovendo a arrecadação de alimentos, e educativa, através de campanhas de prevenção de DST. Compreende-se então que a política pública necessita de uma ação preferencialmente municipal, ou seja, na ação micro, interferindo diretamente nas expressões individuais e no universo que os cerca.

 

 

“¿REPÚBLICA PRIVATIZADA?”, ¿ESPACIO DE OCIO, HECHO NEGOCIO?

Rosana Beatriz  Menna (CONICET / UNLP-UNLa)

Ana Catalina Di Rocco (Facultad de Ciencias Naturales y Museo – UNLP)

Al reflexionar sobre las políticas públicas, nos preguntamos: ¿cómo se organizan los sujetos de cara a una acción común y mantenida temporalmente; ya sea para apoyarlas o rechazarlas? Intentamos abordar a partir de este interrogante, las acciones políticas que los habitantes de la ciudad de La Plata pusieron en marcha ante el “rumor” de privatización de la República de los Niños durante los meses de mayo y junio del año 2012; dada la importancia de éste como hito del imaginario patrimonial de la ciudad. Como antropólogas que formamos parte de este entramado vivencial, nos ha sido indispensable valernos de aquel mecanismo de desdoblamiento tan personal y siempre requerido: el extrañamiento (Augé, 1996, Althabe, 2000) que, por doble vía, termina constituyéndose en elemento teórico-metodológico y medio de autoreflexión. Creemos necesario un enfoque dinámico que permita enfatizar los procesos de formación y transformación social, más allá de las definiciones formales (Balandier, 1973). Abordamos, de este modo, lo político desde tres elementos (Abeles, 1997): el poder, la territorialidad y la representatividad. Es, entonces, el espacio público, un “lugar” identificatorio, relacional e histórico (Augé, 1997), sin requisitos de pase para su acceso (Bauman, 2009), la arena política de agentes sociales heterogéneos. Así es que en esta disputa particular, observamos el uso de ciertas estrategias y recursos claves tanto para su visualización: “el espectáculo”, como para la persuasión y movilización de otros sujetos a la escena política. Valores, motivaciones y expresiones individuales se colectivizan, creando así un territorio de disputa material y simbólica.

 

 

PRÁTICAS CARNAVALESCAS E A POLÍTICA DE EDITAIS EM FORTALEZA: SABERES, TENSÕES E NEGOCIAÇÕES EM TORNO DOS ESPAÇOS DA FESTA  

Danielle Maia Cruz (Unifor)

No período do Carnaval, a cidade de Fortaleza, situada no Nordeste do Brasil, ganha uma nova dinâmica, pois manifestações culturais tradicionais promovem criações, bem como inversões de normas e valores sociais, instaurando assim novos significados em diversos espaços públicos, tidos como lugares de passagem, de memória, turísticos e/ou estereotipados com terminologias degradantes. Estas ações foram ainda mais intensificadas a partir do ano de 2007, quando agremiações carnavalescas se inseriram em um conjunto de práticas promovidas pela Secretaria de Cultura de Fortaleza (Secultfor). Das ações realizadas pela prefeitura, a criação da política cultural dos editais foi a de maior amplitude. A partir de então, somente grupos com projetos aprovados nas exigências estabelecidas pelo poder municipal, - quanto à lógica composicional, repertório musical e uso dos espaços públicos -, seriam contemplados com o fomento municipal. Além dos critérios postulados, foram também criados pela Secultfor espaços festivos oficiais. Entre outros aspectos, estas medidas visavam movimentar a indústria do turismo local a partir da valorização das tradições. Portanto, com base em pesquisa de campo etnográfica, empreendida entre 2009 e 2012 para minha tese de doutoramento, o objetivo desta comunicação é apresentar os conflitos, mediações e negociações entre brincantes de blocos de pré-Carnaval e poder público em torno das regras do edital, sobretudo em relação aos espaços da festa. No plano teórico, conceitos e categorias como cultura, espaço público e turismo serão discutidos de forma articulada, evidenciando os processos de regramento da festa, bem como a lógica cultural expressa na ação dos brincantes.

 

 

ANÁLISIS DE LA PARTICIPACIÓN EN LA USINA CULTURAL DE CARRASCO NORTE

Deborah Duarte (Facultad de Humanidades y Ciencias de la Educación/UdeLAR).

Esta ponencia es parte de una investigación más amplia centrada en el análisis y evaluación de la participación en las Usinas Culturales de Montevideo a través de una práctica epistemológica desde la cotidianidad laboral, en la cual las tensiones no se reducen sólo a posicionamientos diversos en un debate académico, sino al modo cómo la articulación entre teorizaciones y prácticas de trabajo se traducen mutuamente (Ochoa, 2002).  En esta dirección, la literatura sobre políticas públicas señala el error de alinear las declaraciones institucionales con la de los actores participantes en el proceso de ejecución, éstas con sus acciones o ambas con los "resultados obtenidos". Esto implica incorporar al análisis del paradigma de política cultural que sustenta el proyecto, las representaciones, los supuestos y las prácticas tanto de los responsables de su diseño y ejecución como de los "beneficiarios", mediando y condicionando el alcance y pertinencia del mismo, e incorporar asimismo los conflictos relacionados con su implementación. En esta ponencia se presentarán los primeros análisis de las representaciones, los supuestos y las prácticas  de  usuarios de la Usina Cultural de carrasco Norte.

 

 

SESIÓN 5: Performances y grupos étnicos. Música, memoria y tradición

 

NARRATIVAS DE MEMÓRIA E PERFORMANCES MUSICAIS DOS JUDEUS CARIOCAS DA “PEQUENA ÁFRICA”, RIO DE JANEIRO

Daniel Bitter (Universidade Federal Fluminense)

 

Em 2013, um grupo de aproximadamente 20 músicos, denominado Rancho Carnavalesco Praça Onze (Klezmer Carioca), surgiu na heteróclita cena carnavalesca do Rio de Janeiro. Idealizado por Ricardo Szpilman, membro de uma família de músicos judeus, o grupo desenvolve um trabalho de exploração do repertório de música judaica tradicional do leste europeu, conhecido como klezmer, estabelecendo diálogos criativos com a música brasileira: samba, afoxé, ciranda, funk, marchinhas de carnaval, jongo, etc. O argumento do trabalho musical é o de que os imigrantes judeus estabelecidos no bairro da Praça Onze, no coração do território conhecido como a Pequena África, na primeira metade do séc. XX, teriam convivido com os negros recém libertos, participando da produção de uma cultura popular urbana. Nesta comunicação exploro as modalidades discursivas e performativas destes músicos na construção de pertencimentos sociais e da imagem do “judeu carioca”, articulando música, memória e história. Procuro mostrar como estes músicos reivindicam sua condição de nativos da Pequena África, ao mesmo tempo em que procuram dar visibilidade a certas especificidades culturais, no dinâmico jogo da etnicidade.

 

 

A MÚSICA NO CONTEXTO DAS REGIÕES DE FRONTEIRA DAS CIDADES DE SÃO GABRIEL DA CACHOEIRA (AM) E BOA VISTA (RR)

 

Agenor Vasconcelos (Universidade Federal do Amazonas)

Por meio do exercício etnográfico, apresento os resultados iniciais do projeto de pesquisa A música das cachoeiras – do alto rio Negro ao Monte Roraima. Basicamente, foca-se na descrição da experiência do processo de produção e gravação fonográfica das músicas dos personagens que se destacaram no decorrer da pesquisa de campo realizada no início de 2013 entre duas cidades: São Gabriel da Cachoeira, estado do Amazonas, e algumas comunidades que cercam a capital do estado de Roraima, Boa Vista. Após um panorama geral da música da região, analisamos a interface da música ocidental nas manifestações indígenas encontradas em campo. Reflito sobre algumas questões levantadas por Ademar Garrido, líder da banda Marupiara, de São Gabriel da Cachoeira (AM), em relação à composição de músicas em nheengatu para violão e gaita. Também abordo o Forrorixara, mistura de Forró com Parixara, música ritual compartilhada entre os Macuxi, Wapichana e Taurepang de toda região de Roraima. Nessa interface que conecta a música tonal ocidental e as composições indígenas feitas para bandas populares formadas por baixo, teclado, guitarra e diversos outros elementos, encontra-se um objeto rico para reflexão etnomusicológica. As questões levantadas em campo são discutidas e fundamentadas com a bibliografia da etnomusicologia, principalmente brasileira (Menezes Bastos, Montardo, Piedade) e americana (Seeger e Blacking). A assimilação latente na interface da música popular-tradicional, se assim considerarmos, ajuda a entender alguns mitos tradicionais da região transnacionais mais claramente, assim como revela um braço do dilema oriundo da ferida entre a música ocidental, tonal, do colonizador e a música indígena.

 

 

ETNOGRAFÍA DE LOS MODOS DE PRODUCCIÓN EN LA MÚSICA DE TRADICIÓN ANDINA

Pablo Gustavo Viltes (Universidad Nacional de Quilmes)

El trabajo se propone presentar avances de una investigación en curso sobre la práctica colectiva del siku –instrumento de viento de la región andina quechua/aymara, comprendiendo Chile, Perú, Bolivia y el Noroeste de Argentina– y su difusión en grandes centros urbanos (CABA, Argentina). La investigación está centrada en aspectos corporales y de interacción social en contexto de performance musical. La metodología empleada es a partir de una participación radical en el trabajo de campo y la bi-musicalidad (Mantle Hood, 1950). La formación académica en composición musical, la experiencia obtenida en terreno y la práctica permanente dentro de una banda de sikuri urbana (primero como participante y luego como director), permite centrar la investigación sobre dos ejes paralelos y simultáneos -observación y participación-, que convergen en la metodología bi-musical. Se busca comprender los sentidos implícitos y explícitos en la práctica colectiva del siku, y profundizar sobre los códigos más significativos de este lenguaje. Es de gran interés analizar y comprender los modos de producción en torno a estas músicas, teniendo en cuenta las mediaciones y conflictos que implica el tránsito de códigos de lo rural a lo urbano. Y de esta manera, dar cuenta de la complejidad que encierra este tipo de práctica musical resignificada en nuevos contextos. Se pretende generar con este estudio nuevos aportes al campo de la etnomusicología andina, antropología de la música y composición musical.

 

 

NISSA INDEPENDENTA: A EXPERIÊNCIA DA BANDA NUX VOMICA E A OCUPAÇÃO DE ESPAÇOS PARA ARTE E SOCIABILIDADE EM NICE – FRANÇA

Elisa Paiva de Almeida (Universidade Federal Fluminense)

 

Numa trajetória que finda por se entrelaçar com a de vários grupos musicais em um amplo movimento occitanista, a banda Nux Vomica surge por volta de 1990 com a iniciativa de artistas plásticos com a finalidade de envolver na vivência artística familiares, amigos e vizinhos habitantes de bairro Saint-Roch, em Nice. Da articulação que começou com o uso de um galpão como atelier e lugar de reuniões à promoção, ao longo de dez anos, de um carnaval de rua inspirado nas festas carnavalescas de Recife e Olinda (Brasil), a música, aprendida na prática improvisada, passou a ser elemento fundamental para estimular sociabilidades e acessar repertórios ligados ao niçois, uma variante do occitano, descrito por autores de história e literatura medieval como a conjunção de um leque de dialetos de raiz romana presentes por todo o Sul da França que foi sendo substituída pela língua francesa a partir de decretos e repressões durante a constituição do Estado-nação francês.  Com esta comunicação, pretende-se apresentar um panorama geral do contexto de surgimento do grupo, suas motivações e as principais estratégias empreendidas por estes sujeitos nos últimos anos na busca por experienciar artes e sociabilidades fora dos circuitos turísticos e comerciais e no embate com o cerceamento e controle exercidos pelas figuras do Estado sobre as ocupações dos espaços públicos e sobre as movimentações populares em torno das modificações da vida urbana e o apagamento de memórias locais decorrentes dos processos de gentrificação ainda curso na cidade.

 

 

 

 

 

 

GRUPO DE MÚSICA PERCUSSIVA ACADÊMICOS DA CASA CAIADA - UFC: A  UNIVERSIDADE PÕE O “BLOCO” NO CARNAVAL DE RUA

 

Catherine Furtado dos Santos (UFC)

O presente trabalho trata de um relato de experiência das atividades de formação musical e artística realizadas pelo Grupo de Música Percussiva Acadêmicos da Casa Caiada ao estrear desfilando na avenida principal no período carnavalesco em Fortaleza.  O grupo é um projeto de extensão do Núcleo de Música Percussiva do curso de Música - Licenciatura da Universidade Federal do Ceará- UFC. O objetivo é analisar como aconteceram os processos de ensino e aprendizagem durante a organização, os ensaios e o desfile no carnaval de 2011. O interesse de apresentar o grupo de música percussiva da universidade na avenida é além de uma construção artístico-musical, uma iniciativa de aproximar áreas de formação cultural como o carnaval de rua e a universidade, podendo ser estes palcos formativos e musicais. Durante o trabalho, foram realizados registros em áudio e vídeo, diários de campo, entrevistas e fundamentações com o aporte teórico de autores próximos da temática como Matos (2008), Penna (2008), Guerreiro (2000) e Tanaka (2009). Assim, o relato contribui para os trabalhos em educação musical, refletindo sobre práticas e diálogos musicais que aproximam a cultura popular brasileira e a academia.

 

 

“GINGANDO E BALANÇANDO EM SINCRONIA”: UMA ANTROPOLOGIA DA DANÇA DO BOI-BUMBÁ DE PARINTINS-AM

Socorro de Souza Batalha (PPGAS/UFAM)

 Co-autora: Deise Lucy Oliveira Montardo (PPGAS/UFAM)

 

Este texto analisa a dança do boi-bumbá de Parintins-AM, dentro de uma perspectiva da Antropologia da Dança. O foco principal deste trabalho está na criação e preparação coreográfica elaborada pelos integrantes da Companhia da Dança Garantido Show. O estudo aqui apresentado baseia-se em dados obtidos durante a pesquisa etnográfica realizada no ano de 2013 e 2014. Examino o procedimento de escolha das toadas a partir do critério estabelecido pela Comissão de Artes, por se tratar de elemento fundamental para a feitura do coreógrafo, pois é através da letra e do ritmo que ocorre a formulação do movimento. Dentro da perspectiva do calendário do boi a dança pode ser dividida e descrita em seus três principais momentos: 1) a dança de palco, feita para chamar atenção do público/espectador; 2) a dança para a gravação do DVD, organizada com uma distribuição coreográfica elaborada para o show de gravação e 3) a dança de arena do Bumbódromo, construída com formação de desenhos geométricos. Considero o aprendizado das coreografias um aspecto fundamental para compreender a sociabilidade estabelecida na atividade, atentando, sobretudo, para a participação do dançarino/brincante na execução da performance.